Declarações de Marrocos, Argélia e Polisário sobre resolução das NU sobre o Sahara Ocidental

No final da reunião do Conselho de Segurança no passado dia 28 de Abril, Marrocos  e Argélia foram entrevistados pelos jornalistas no local para realização de conferências de imprensa nas Nações Unidas, ao contrário da Frente POLISARIO, algo incompreensível uma vez que é uma das partes do conflito e parte das negociações (apesar de não ser membro da ONU), devendo ter o direito de emitir a sua opinião da mesma forma e no mesmo local que a parte contrária. O embaixador de Marrocos falou de forma entusiástica e demoradamente, conseguindo no seu discurso insultar países, a União Africana e organizações

Marrocos não aceita nada que ponha em causa a “integridade territorial do Reino”

Omar Hilale, embaixador de Marrocos na sua conferência de imprensa salientou a indisponibilidade absoluta do Reino de Marrocos de aceitar qualquer proposta que ponha em causa à integridade territorial de Marrocos. Para Marrocos a única proposta válida é o seu plano de autonomia. Mencionou o telefonema do Rei Mohamed VI ao Secretário Geral como sendo a evidência da parceria ONU/Marrocos.

Para o embaixador foi muito positivo o relatório de Guterres uma vez que não se utiliza o termo Território Não Autónomo (classificação actual do território do Sahara Ocidental que está na lista da 4a comissão das Nações Unidas para a descolonização). A resolução do CS também foi do agrado de Marrocos uma vez que segundo o embaixador o texto agradece a Marrocos o seu empenho nos direitos humanos nomeadamente com a criação e presença do Conselho Nacional de Direitos Humanos no território que inclui o Sahara.

Marrocos acusa Argélia de não realizar o censo da população de refugiados nos campos perto de Tindouf, dizendo que o país vizinho viola de forma flagrante a lei internacional. Para Marrocos é também a Argélia a responsável de violação de direitos humanos. E no seu discurso aproveitou para criticar também a Venezuela e a União Africana.

A União Africana é tóxica, afirma Hilale

Hilale classifica a União Africana como um organismo tendencioso, enquanto não expulsar a RASD (República Árabe Saharaui Democrática) ou congelar o seu reconhecimento. Vai mais longe e diz que a União Africana é tóxica na questão do Sahara Ocidental. Esta afirmação demonstra claramente a falta de intenção de Marrocos de honrar o acto constitutivo da União Africana que assinou no inicio deste ano.

Ao enunciar e agradecer ao grupo de “amigos” para a questão do Sahara nas Nações Unidas esqueceu-se de mencionar o Reino Unido tendo agradecido apenas a França, Rússia, Espanha e Estados Unidos.

Segundo Hilale é lamentável que não se fala do relatório OLAF que teria indicação de corrupção na distribuição e atribuição de ajuda humanitária nos campos de refugiados por parte de altos cargos da Polisario, mas não mencionou o facto que este relatório, que já tem quase uma década, foi desmentido e nunca se comprovou nenhuma das acusações e tanto a ECHO (organismo de ajuda humanitária da União Europeia) como a ACNUR (Agência das Nações Unidas para os Refugiados) monitorizam e classificam a repartição da ajuda como sendo de acordo com os princípios estabelecidos sem registarem quaisquer desvios.

Em relação ao de saque de recursos naturais no território, Hilale justifica-o com o facto que “desde que Marrocos recuperou o seu território em 1975” apenas existiam pequenas aldeias, e não era desenvolvido enquanto que agora existem infraestruturas e indústria e turismo e que isso foi reflectido e reconhecido no relatório do SG, um argumento que se pode comparar ao discurso colonialista do século passado e que não menciona o facto do desenvolvimento se dever à deslocação de centenas de milhares de colonos, às necessidades habitacionais dos mesmos e que evidentemente a industria é para transformar os recursos do território e as estradas e outras vias de comunicação para a exportação dos mesmos.

Hilale classifica a “Independent Diplomat” como diplomatas mercenários

A Organização não governamental sem fins lucrativos “Independent Diplomat” desenvolve o seu trabalho na área da consultadoria diplomática a causas que em geral não têm publicidade, nem fundos, um grupo que é composto por ex-diplomatas, advogados e outros profissionais. É este grupo que apoia a Frente Polisario e devido a esse factor, o embaixador de Marrocos decidiu denegrir a imagem desta ONG em público durante uma conferência de imprensa, acusando-os de serem desonestos, serem mercenários e financiados pela Argélia.

Resumindo Omar Hilale não desapontou quem já o conhecia como embaixador de Marrocos em Genebra, nem surpreende ao distribuir  adjectivos insultuosos pouco próprios de um diplomata, e talvez sejam estas as características que fazem dele um favorito do palácio.

Argélia saúda  com entusiasmo a resolução adoptada

Sabri Boukadoum, embaixador da Argélia junto das Nações Unidas em Nova Iorque, reiterou o apoio entusiástico  da Argélia à resolução aprovada por unanimidade algo que já não acontecia há alguns anos. O Secretário Geral tem assim o total apoio do CS para proceder à reativação do processo de negociação, disse o diplomata.

O embaixador espera que este seja um novo inicio das negociações entre o reino de Marrocos e a Frente Polisario, em que todas as partes irão trabalhar de boa fê.

Reafirmou a total disponibilidade da Argélia em receber todos os organismos, jornalistas, ong’s e outros visitantes que queiram visitar Tindouf e os campos de refugiados saharauis localizados em território argelino, tal como a visita prevista do Comité de descolonização conhecido como  C24.

Em relação à escolha de um novo enviado especial do Secretário Geral para a questão do Sahara Ocidental, Boukadoum esclareceu que isso compete ao SG e às partes do conflito e não à Argélia.

Um dos jornalista disse que Omar Hilale tinha afirmado que para ele os saharauis eram marroquinos, Boukadoum respondeu que então lhes devia dar o direito da escolha e do voto.

Em relação ao recenseamento dos refugiados e às perguntas colocadas pelos jornalistas marroquinos  sobre este tema, o representante da Argélia esclareceu que Argélia jamais se opôs a qualquer recenseamento e que quem diz o contrário mente. O recenseamento não é tarefa da Argélia, existem organizações das Nações Unidas no terreno com essa incumbência, no dia em que se determine uma data para o referendo, conforme está estabelecido no plano de resolução da ONU.

Terminou esclarecendo outra jornalista marroquina que indagou sobre o papel que a Argélia desempenha neste conflito que o papel do seu país é contribuir para manter a paz na região.

Polisario saúda a resolução adoptada e declara vontade de cooperação com o SG

O representante da Frente Polisario junto das Nações Unidas em Nova Iorque, Ahmed Bukhari fez uma curta declaração à Imprensa saudando a resolução aprovada na qual se pode ler:

“A Polisário F saúda a resolução aprovada na sexta-feira 28, por unanimidade pelo Conselho de Segurança sobre o Sahara Ocidental.

A resolução reafirma o direito do povo saharaui à autodeterminação como a referência que devem orientar guiar as negociações diretas que o  Secretário-Geral da ONU deve relactivar entre as partes, a  Polisário e Marrocos.”

Em relação à violação de cessar-fogo em Guergarat a Polisario diz que

“A resolução expressa o reconhecimento do Conselho de Segurança que a crise  desencadeada por Marrocos a 11 de agosto, ao violar o cessar-fogo para construir uma estrada para fins comerciais ilegais, criou uma situação que desafia a letra e o espírito do acordo militar número 1.

O Conselho solicita, neste contexto, que o Secretário-Geral aborde esta situação para resolver os graves problemas criados.

O Conselho e o Secretário-Geral no parágrafo 89 do seu relatório, dou assim razão á posição que a F. Polisario defende desde o dia do deslocamento, em 28 de agosto, de Unidades para a região de El Guergarat para parar as violações de cessar-fogo por parte de Marrocos.

A F. Polisario pede ao Secretário-Geral que tome sem demora as medidas pertinentes e necessárias para atingir este objectivo.

Tanto no relançamento das negociações e a busca de formas e medidas para lidar com as consequências da violação do acordo militar No. 1, o Secretário-Geral, encontrará  da parte saharaui a vontade de cooperar com seus esforços.”

Bukhari fez uma declaração curta e clara que não deixa espaço para dúvida que a Frente Polisario não tolera violações de cessar-fogo por parte de Marrocos e que exige das Nações Unidas que tome as medidas necessárias.  A afirmação que os saharauis estão dispostos a cooperar com os esforços do SG, Guterres, é apenas uma reafirmação visto que a Frente Polisario tem cooperado sempre com as Nações Unidas de boa fé ao longo das mais de quatro décadas de conflito e depositou a sua confiança na ONU ao assinar o acordo de cesar-fogo.

Omar Hilale, embaixador de Marruecos:

Sabri Boukadoum, embaixador de Argelia:

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies