Advogado da Polisario explica em Lisboa o acórdão do TJE

A convite da CGTP-IN o advogado francês Gilles Devers, que representou a Frente Polisário no Tribunal Europeu de Justiça, esteve dois dias em Lisboa, em várias reuniões na Assembleia da República e participando na «Sessão Pública de Solidariedade com o Sahara Ocidental».

A queixa apresentada no Tribunal Europeu de Justiça resultou num acórdão que reafirma claramente que o território do Sahara Ocidental é um território não autónomo ocupado pelo reino de Marrocos que não tem qualquer soberania sobre ele e que os recursos naturais não podem ser explorados e comercializados pelo Reino Alauita sem a autorização do povo saharaui. O legitimo representante do povo saharaui é a Frente Polisario.

Na sessão de solidariedade participaram ainda João Ferreira, deputado europeu e membro do Intergrupo de solidariedade com o povo sajaraui no Parlamento Europeu, e Ahmed Fal, delegado da Frente Polisário em Portugal, para além de representantes do CPPC e do MDM.

O comunicado da CGTP-IN, afirma que as várias intervenções, ficou claro que Marrocos leva a cabo «uma política de violação dos mais elementares direitos humanos» e que «não permite o adequado acesso do povo saharaui nos territórios ocupados à Saúde, à Educação ou ao trabalho, oprimindo o povo saharaui que vive e resiste à ocupação»

As intervenções deixaram ainda em evidência a linha política da União Europeia, que viola «a resolução da ONU» e desrespeita «a soberania do Sahara Ocidental».

Ao invés, «a sentença do Tribunal Europeu de Justiça reafirma o direito do povo saharaui à autodeterminação», pelo que urge uma tomada de posição do Governo português «de respeito pelo direito deste povo a ocupar o território que historicamente lhe pertence».

na Assembleia da República realizaram-se reuniões com vários grupos parlamentares, bem como com a Comissão de Negócios Estrangeiros da Assembleia da República.

Gilles Devers explicou os contornos politicos e economicos desta decisão, que apenas reafirma mais uma vez o que é claro em todas as resoluções das Nações Unidas desde 1975, data da ocupação ilegal território por Marrocos após a retirada de Espanha da sua “provincia” que nunca descolonizou e da qual continua até ao dia de hoje a ser administrador in jure.

Comunicado da RASD a alertar sobre as consequências legais de transporte de recursos naturais do Sahara Ocidental

A 12 de Junho a República Árabe Saharaui Democrática emitiu um comunicado onde alerta sobre os riscos materiais e a responsabilidade dos navios que transportam recursos naturais do Sahara Ocidental ocupado, onde se pode ler “Por mais de quatro décadas, a antiga colônia espanhola do Sahara Ocidental está parcialmente ocupada e tem visto a contínua pilhagem em larga escala de recursos naturais, incluindo a rocha mineral de fosfato, a pescaria nos Grandes Ecosistemas Marinhos e pilhagem de areia. A venda e exportação ilegal de tais recursos é contrária aos princípios estabelecidos no direito internacional que garantem ao povo saharaui soberania permanente sobre os seus recursos naturais. Esta venda e exportação é uma violação do direito internacional humanitário definido na Quarta Convenção de Genebra de 1949 e no Estatuto de Roma de 1998 do Tribunal Penal Internacional. O transporte por mar destes recursos ajuda e agrava o crime de guerra de pilhagem, conforme definido na Convenção e no Estatuto.

Nos últimos anos, o governo da SADR informou os proprietários de navios, os armadores e as empresas gestoras de que um envolvimento com os recursos naturais exportados do Sahara Ocidental apresenta riscos materiais e legais. … O governo da RASD declara que irá perseguir mais ativamente navios e armadores de embarcações com as medidas legais de responsabilidade pelo transporte dos recursos do Sahara Ocidental.

O risco de reputação para os proprietários de navios e os armadores é o resultado de participar conscientemente da exportação de recursos de um território amplamente conhecido como a última colônia de África. Isso implica a possível rejeição do comércio por partes interessadas no fim da ocupação do Sahara Ocidental, incluindo empresas comerciais e governos em toda a África e em outros continentes.

O risco legal para os armadores e armadores é múltiplo. Inclui possíveis ações legais civis para deter (ou interditar) e, portanto, recuperar cargas de recursos saharauis em todo o mundo. Além disso, as reivindicações de danos, incluindo reparações, bem como remédios equitativos, irão ser prosseguidas – incluindo os navios individuais envolvidos (como procedimentos in rem), onde convenientemente encontrados – de forma contínua no futuro. Um exemplo de tal risco está detalhado na decisão da República Democrática Árabe Saharaui do Supremo Tribunal da África do Sul e Outra v Proprietário e afretadores da MV ‘NM Cherry Blossom’ e outros [2017] ZAECPEHC 31 (15 de junho de 2017), disponível on-line em: <Www.saflii.org/za/cases/ZAECPEHC/2017/31.htm

O governo da RASD deseja assim advertir os proprietários de navios e armadores para se afastarem e aos seus navios de tais processos prospectivos de responsabilidade e demissão. Os fretadores de viagem e as empresas de gestão podem nem sempre divulgar abertamente tais riscos. Portanto, o governo da RASD sugere que contratos entre armadores e fretadores proíbam o transporte de recursos ou qualquer mercadoria do Sahara Ocidental.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies