IU exige que a UE “ouça” o TJUE e “reveja” todos os seus acordos comerciais com Marrocos para “acabar com a pilhagem” do povo saharaui

IU

iueuropa.org.- A deputada Paloma López acredita que as conclusões do procurador-geral, que se propõe invalidar o acordo de pesca com Rabat por incluir as águas do Sahara Ocidental, deixam claro que Bruxelas “não pode continuar a ignorar a realidade” e deve “parar de encobrir Marrocos e empresas que se enriquecem à custa dos recursos saharauis”.

A deputada da Esquerda Unida, Paloma López, acredita que “chegou o momento” para que a União Europeia “pare de ignorar a realidade” e “acate de uma vez por todas” as recomendações e julgamentos emitidos nos últimos dois anos pelo seu Tribunal de Justiça (CJUE), depois de o procurador-geral Melchior Wathelet ter concluído na terça-feira que o acordo de pesca com Marrocos é inválido, uma vez que inclui águas pertencentes ao Sahara Ocidental.

As conclusões de Wathelet sobre o acordo de pesca “são muito claras e diretas” e não fazem mais senão “subscrever o julgamento do próprio TJCE em dezembro de 2015“, quando foi declarado inválido outro acordo das mesmas características sobre produtos agrícolas. “O que o TJUE diz é que o Sahara Ocidental é um território diferenciado e autônomo de Marrocos e que qualquer acordo sobre os seus recursos não pode ter validade”, afirmou.

O documento publicado pelo TJUE é, de fato, “forte”, disse a deputada, referindo-se ao último parágrafo que afirma que “o Acordo de Pesca e os demais atos impugnados não respeitam o princípio da soberania permanente sobre os recursos naturais. nem as regras do direito internacional humanitário aplicáveis ​​à celebração de acordos internacionais para a exploração dos recursos naturais dos territórios ocupados, nem a obrigação da União de não reconhecer uma situação ilegal resultante da violação dos referidos princípios e normas e de não prestar ajuda ou assistência para manter essa situação “.

Termos que “sempre defendemos na IU e que a UE, de uma vez por todas, deve começar a cumprir e aplicar, em vez de continuar a assinar acordos de comércio com Marrocos sobre os recursos do Sahara Ocidental”. Acordos que “não se referem apenas à pesca e à agricultura, mas também afetam mineração, areia, espaço aéreo e até mesmo a produção de energia solar. Todos os acordos comerciais devem ser revogados. ”

Esta situação “deve terminar”, insistiu a deputada da IU, para quem “a UE não pode continuar a ignorar a realidade e tem que ouvir e respeitar as recomendações e julgamentos do TJUE, parar de assinar acordos ilegais ou recorrer às decisões do seu Tribunal “. “A UE já não pode fornecer cobertura a Marrocos, os Estados-Membros e algumas empresas continuam a beneficiar às custas do sofrimento e da submissão do povo saharaui”, acrescentou.

Finalmente, López também falou sobre a passagem do texto de Wathelet que fala do direito à autodeterminação do povo saharaui: “Como o procurador-geral diz, a UE não cumpriu a sua obrigação de não reconhecer a situação ilegal resultante da violação por Marrocos do direito à autodeterminação do povo saharaui reconhecido pelas Nações Unidas e sua obrigação de não prestar ajuda ou assistência para a manutenção desta situação. Já é hora de o Sahara Ocidental realizar um referendo em paz que ponha fim a todas as violações e abusos de Marrocos “.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies