O Supremo Tribunal da África do Sul entrega carrgemento de fosfatos roubados à Frente Polisario

O Supremo Tribunal da África do Sul publicou a decisão hoje sobre a carga de fosfatos transportados no navio “NM Cherry Blossom” que carregou nos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

A carga que foi vendida pela OCS e pela Phosphtes de Bucraa empresas estatais marroquinas que explotam ilicitamente os fosfatos dos territórios ocupados do Sahara Ocidental a duas empresas (australiana e da nova Zelândia).

O navio que carregava 55000 toneladas de fosfato foi detido a 1 de Maio de 2017 quando aportou em Port Elisabeth na Africa do Sul.

Por um decisão emitida em 23 de fevereiro, o Tribunal Superior da África do Sul concluiu que: (1) A RASD “é o proprietário de toda a carga de fosfato atualmente carregada no navio NM Cherry Blossom” e (2) ” a propriedade do fosfato nunca foi legalmente investido “nas empresas estatais marroquinas OCP SA e Phosphates de Boucraa SA” e estas não tinham direito a vender o fosfato à “Ballance Agri-Nutrients Ltd.”

Em comunicado publicado pela República Árabe Saharaui Democrática pode-se ler que embora permaneça a posição de política do governo da RASD insistir e tentar reenviar os recursos naturais saqueados do Sahara Ocidental para aquele território, enquanto se aguarda a conclusão do direito do povo saharaui de exercer a autodeterminação, o fato de o Sahara Ocidental estar sob ocupação armada torna esse resultado.

Com um título de proprietário claro e sobre a mercadoria a bordo do NM Cherry Blossom agora assegurado, prevê-se que a venda deste fosfato.

Emhamed Khadad, membro da liderança da Polisario, afirmou que “o caso da África do Sul faz parte dos esforços do povo saharaui em usar o direito internacional para chegar ao fim de uma ocupação viciosa e ilegal e salvaguardar o direito do nosso povo ao mais fundamental dos direitos humanos, a autodeterminação. Continuaremos a perseguir pessoas e interesses corporativos que saqueiam diretamente os recursos do Sahara Ocidental e que são os destinatários conhecedores das mercadorias saqueadas. A República saharaui está comprometida com o estado de direito e com os relacionamentos comerciais bem-sucedidos envolvendo os recursos do Sahara Ocidental, tanto no presente como no futuro “.

Mais uma vez, o governo da RASD adverte as empresas de transporte marítimo, incluindo os fretadores , para afastar od seus navios de tais processos prospectivos de responsabilidade e demissão. Entende-se que os fretadores de viagem e as empresas de gestão não divulgarão sempre tais riscos. Portanto, o governo da RASD sugere que os contratos dos navios proíbam o transporte de recursos (ou qualquer mercadoria) do Sahara Ocidental.
Um termo de charterpartty indicado poderia ser o seguinte:

“Os fretadores não têm permissão para negociar transportes deste navio para/de El Aaiun
(também conhecido como Laayoune) e Dakhla no Sahara Ocidental “.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies