RASD – Um estado jovem com futuro

Em 27 de fevereiro de 2018 festeja-se o 42º aniversário do nascimento da República Árabe Democrática Saharaui. O povo saharaui criou a sua pátria baseada uma identidade milenar, transformando-se nesse momento no que é exigido num mundo moderno, uma organização administrativa com a forma de um estado de acordo com os padrões e normas criados por esse mundo “civilizado”.

Este Estado nasceu da vontade de homens e mulheres que sob a liderança de Mustafa El Uali foram capazes de visualizar um sonho que queriam transformar em realidade. Alcançar esse sonho tem sido dificil e muitas são as vitimas e heróis que ficaram no caminho. O ocupante marroquino demonstra desde o primeiro minuto uma violência feroz contra um povo que resistiu e resistirá porque defende aquilo de que é legitimo proprietário, a sua terra.

Com uma capacidade de resistência, força e inteligência extraordinária, os saharauis constroem dia a dia um estado que pode ensinar muito a um mundo tão “civilizado”, uma população que, apesar das condições infra-humanas impostas pelo exílio forçado, por um lado, e a ocupação de seu território por outro lado, tem todas as características de um estado moderno, com 100% de escolaridade de todas as crianças, 95% de alfabetização em adultos, uma distribuição exemplar de ajuda alimentar, que vem em quantidades cada vez menores, equitativamente, uma participação sem precedentes na África do Norte das mulheres em todos os órgãos executivos e estruturas públicas, em todas as profissões, incluindo médicos, professores e operadoras de televisão.

Estamos a falar de um estado no exílio, no meio do deserto mais inóspito do mundo, que tem uma televisão pública e onde há médicos e hospitais que gerem recursos escassos para que as pessoas tenham a melhor assistência possível no âmbito de um campo refugiados.

O povo saharaui e seus líderes, apesar de muitas deficiências que podem ter, são um exemplo de um estado, um exemplo de igualdade participativa, um exemplo de tolerância e desenvolvimento.

Merecem igual respeito a qualquer nação, merecem que respeitem os seus documentos, seus passaporte, seus bilhetes de identidade, e as suas representações em vários países ao redor do mundo.

O ano de 2017 e o inicio de 2018 trouxeram novos desafios, a decisão to tribunal de justiça europeu ditará hoje a sua sentença sobre os acordos de pesca UE/Marrocos, mas independentemente da decisão a RASD continuará e ultrapassará muitos mais obstáculos no seu já longo caminho em direcção ao objectivo final a libertação dos territórios ocupados, a libertação de todos os saharauis, um país sem ocupante, sem muro, unido e independente.

Hoje declaramos publicamente: “reconhecemos a República Democrática Árabe Saharaui, reconhecemos o seu estatuto de Estado, reconhecemos as suas fronteiras e todas as suas instituições governamentais e suas organizações, reconhecemos a Frente Polisario e seus delegados como representantes legítimos do seu povo”

Saudamos em especial os heróis que padecem nas prisões marroquinas, o grupo de Gdeim Izik, os estudantes Companheiros de El Uali e todos os presos politicos saharauis, nossos irmãos.

Feliz aniversário, a equipa de PUSL

Comentários fechados.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies