No seguimento da renovação do mandato da missão de paz MINURSO, Polisario insta no imediato lançamento de um processo de negociação directo

Comunicado de imprensa

Mhamed Khadad – Coordinador MINURSO Frente POLISARIO

[Nova Iorque – 27 de abril, 2018] Hoje, o Conselho de segurança votou para prolongar o mandato da missão das Nações Unidas para o referendo no Sahara Ocidental (minurso) por um período de seis meses.

A Frente Polisario toma nota deste desenvolvimento e em particular do curto período de renovação que reflete a necessidade da urgente retomada do processo político das Nações Unidas. A Frente Polisario reitera o seu compromisso a entrar num processo com definição temporal de negociações directas com Marrocos para finalmente permitir o exercício ao nosso povo do nosso direito inalienável à autodeterminação e independência de acordo com as Nações Unidas e sua doutrina de descolonização.

A Frente Polisario observa que através desta resolução, o Conselho de segurança insta na retomada das negociações, sem qualquer condição prévia e de boa-fé. É uma clara e forte mensagem para Marrocos que tem sempre submetido qualquer envolvimento nas negociações a condições prévias, e sempre coloca obstáculos para alterar qualquer progresso em direção a uma solução política que garanta o nosso direito à autodeterminação, como foi sublinhado três vezes no presente resolução.

Esperamos que a renovação do mandato por seis meses irá ser usado como uma alavanca para garantir um rápido regresso à mesa de negociações; e desejamos reiterar, em nome do povo do Sahara Ocidental, que vai aceitar nada menos do que o pleno respeito do nosso direito legal à autodeterminação e independência.

Permanecemos com esperança nos esforços do enviado pessoal para o Sahara Ocidental o Sr. Horst Köhler, mas o Conselho de segurança deve fazer frente ao bullying marroquino e manter uma acção firme para que se faça progressos reais e colocar um fim a permanente chantagem marroquina.

No entanto, a Polisario lamenta que este ano a resolução do Conselho de segurança sobre o Sahara Ocidental deu indevido crédito às fabricações de Marrocos, embora tenha sido cristalino para todos que tais infundadas alegações são uma óbvia e previsível tática que foi criada para distrair a atenção do processo político.

Também deve ser recordado que, como reafirmou o porta-voz do secretário-geral em 19 de abril de 2018, a localização de Bir lehlou – onde a ONU tem um equipa – não está localizado na zona tampão, nem nas áreas restritas, tal como definido pela cessar-fogo e o acordo militar nº 1, assinado por ambas as partes no âmbito das Nações Unidas. A frente Polisario funções administrativas e as forças militares sempre esteve presente em Bir lahlou e outras partes da área libertada do nosso país. presença não está em violação do termos do cessar-fogo ou os militares acordo nº 1. Além disso, são as instituições da frente Polisario que garantem a segurança e o abastecimento de água dos time sites da minurso sites nestas áreas.

Instamos o Conselho de segurança e a comunidade internacional a obrigar Marrocos a parar as violações às resoluções das Nações Unidas e do acordo nós dois assinado que ambos assinamos com as Nações Unidas e abster-se de ações destinadas a alterar o status quo nos territórios ocupados a Oeste do muro da vergonha.

O Conselho de segurança necessita de abordar o comunicado oficial por parte de Marrocos que ameaça recorrer à força. Isto é realmente a acção desestabilizadora a qual toda a comunidade internacional necessita opo-se.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies