Moussa Faki Mahamat propõe um “mecanismo africano” para ajudar a resolver o conflito no Sahara Ocidental

Por Pierre Boisselet – Enviado Especial a Nouakchott – jeuneafrique.com

O Presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, apresentou domingo em Nouakchott um relatório muito aguardado sobre o conflito entre Marrocos e a República Árabe Saharaui Democrática (RASD). Ele defendeu a criação de um mecanismo africano que, no entanto, não substituiria os esforços das Nações Unidas.

Foi provavelmente o documento mais esperado da 31ª cimeira da União Africana (UA) , apresentado neste domingo, 1 de Julho, em Nouakchott. O Presidente da Comissão, Moussa Faki Mahamat, apresentou às delegações presentes um relatório de sete páginas destinado a relançar o processo de paz entre Marrocos e a República Árabe Saharaui Democrática (RASD). Este texto deveria ser estudado em câmera no domingo, 1º de julho.

É baseado numa série de entrevistas realizadas nos últimos meses. Por um lado, com o rei do Marrocos, Mohammed VI, e seu ministro das Relações Exteriores (em Rabat, 5-6 de junho); por outro lado, com o presidente da RASD, Brahim Ghali, e seu ministro das Relações Exteriores (em Tindouf, em 19 e 20 de junho). Mas também com o primeiro-ministro argelino Ahmed Ouyahia e seu ministro das Relações Exteriores (11 e 12 de março) e com o presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Abdelaziz, no final de março.

Ameaça ao funcionamento da UA

“O conflito do Sahara Ocidental prolongou-se por demasiado tempo”, observa o relatório. Esta situação entrou numa fase em que, para além dos efeitos negativos bem conhecidos a nível regional (…), também ameaça o funcionamento da UA e dificulta a implementação da sua agenda. Tal estado de coisas não pode ser tolerado. ”

O Presidente da Comissão da UA propõe, por conseguinte, que África seja envolvida neste processo. Para isso, ele propõe a criação de um mecanismo africano que dependeria diretamente dos chefes de Estado para “permitir que a UA forneça apoio efetivo ao processo liderado pelas Nações Unidas”. O objetivo é a retomada das negociações entre as partes interessadas para “alcançar uma solução política justa, duradoura e mutuamente aceitável, que permita a autodeterminação do povo do Sahara Ocidental”.

Este mecanismo, se aceito pelos chefes de estado, seria composto por um painel de líderes seniores da UA e / ou chefes de estado. Sua constituição exata continua por ser determinada, no entanto.

Moussa Faki Mahamat também propõe aos Chefes de Estado da UA apelar a todos os países, especialmente aos países vizinhos, para que “contribuam para o sucesso da abordagem africana proposta”.

No entanto, o relatório insiste que esse mecanismo não substituirá o processo das Nações Unidas, atualmente liderado pelo enviado especial Horst Köhler.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies