Quem somos e contacto

E-mail: porunsaharalibre.org@gmail.com

___________________________________________________________

Porunsaharalibre (PUSL) surgiu em 2014 como um blog modesto que se transformou ao longo dos anos para se tornar o site que nossos leitores conhecem.

Surgiu da necessidade de concentrar a informação que existia espalhada pelos meios de comunicação tradicional, comunicação on-line e redes sociais. Os pais do PUSL são Fito Álvarez Tombo e Conchi Fernández González que transformaram uma ideia em realidade, graças a essa atividade conseguimos um espaço para nós entre o grupo de ativistas da causa saharaui na Galiza e em Espanha. Mais tarde, a ativista dos direitos humanos e membro da Fundação Sahara Ocidental, Isabel Lourenço (Lisboa – Portugal) juntou-se à equipe.

Desde o primeiro dia, este projeto é baseado única e exclusivamente no trabalho 100% voluntário, sem qualquer ajuda ou suporte económico e com horas diárias de dedicação.

PUSL visa disseminar e transmitir a situação vivida pelos saharauis, as violações de que são vítimas, o progresso a nível político, as ações dos diferentes atores em conflito, a situação nos territórios ocupados, nos campos de refugiados e na diáspora.

Nós tentamos assegurar que todas as informações fornecidas sejam fiáveis ​​e para isso, muitas vezes, recorremos a diversas fontes que comparamos, não sendo nenhum dos autores jornalista profissional, respeitamos os princípios éticos que são esperados de um meio de comunicação, por isso às vezes optamos por não publicar o que que não podemos confirmar.

Com nacionalidade galega / espanhola, decidimos expandir o PUSL à língua portuguesa em 2015, um projeto ambicioso, já que só temos trabalho voluntário e, no caso da língua portuguesa, com a colaboração da ativista de direitos humanos Isabel Lourenço.

Todo esse projeto só é possível graças aos autores “permanentes” e aos amigos e associações saharauis, mas não podemos esquecer o apoio das nossas famílias e amigos que suportam chamadas telefônicas a todas horas do dia e da noite e nossa obsessão temática em muitas conversas. Mas, acima de tudo, temos que agradecer aos nossos leitores, antigos e novos que nos apoiam e toda vez que compartilham o nosso trabalho mostram que o mesmo vale a pena.

Queremos que o PUSL seja uma ferramenta de trabalho para todos aqueles que o lêem, por isso temos um mecanismo de busca interno, o dossier Gdeim Izik, a documentação das várias organizações internacionais e relatórios publicados por colaboradores PUSL e outros. Toda essa informação deve ser compartilhada e usada para a denúncia da injustiça sofrida pelo povo saharaui e a sua luta pela independência.

Nós damos a cara e o nome das informações fornecidas e tentamos diariamente atender às necessidades de divulgação. Nos artigos em que comentamos ou analisamos documentos sempre que possível, tentamos incluir o documento original, pois nosso ponto de vista não é um dogma, é uma análise e queremos contribuir para a discussão coletiva e despertar consciências em certos aspectos.

Não pretendemos ser um meio de comunicação diário, queremos fornecer informações corretas, confirmadas e interessantes de forma consistente.

No PUSL, também promovemos ações, de terceiros e as nossas, como o pedido de enviar cartas e e-mails para várias organizações nacionais e internacionais, em particular para a libertação de prisioneiros políticos saharauis ou em protesto e denúncia em casos de greves de fome por tempo indefinido, onde a vida dos grevistas está em perigo. Embora este não seja o principal objetivo do PUSL, é, no entanto, uma das maneiras como vimos ser mais efetivo alertar a opinião pública.

As nossas aplicações para smartphones apareceram em 2014 em uma primeira versão espanhola e em 2015 em português, em resposta a um mundo onde o uso de telemóveis é omnipresente. Esperamos continuar a responder às novas tecnologias e desafios para alcançar mais leitores e, assim, contribuir constantemente para a consciência do conflito no Sahara Ocidental.

Durante esses treze anos, fomos vítimas de ataques cibernéticos e hacks, que não demonstram a veracidade de nossa informação e reafirmamos que estamos no lado direito desse conflito.

Ao longo do tempo também começamos a colaborar em diferentes meios de comunicação social e espanhóis, portugueses e um russo, tanto escritos como digitais, como Faro de Vigo, Jornal Tornado, Pravda, Rebelião, Praza Pública, Abril de Novo Maganizene, Revista Shukran e outros.

Não queremos perder a oportunidade de cumprimentar e agradecer a todos os blogs amigos​com quem compartilhamos essa luta para “quebrar o bloqueio da mediático” que existe nesta causa.

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies