Esposa de preso politico saharaui em greve de fome após 4a expulsão de Marrocos


Claude Mangin, esposa de Naama Asfari preso politico saharaui do grupo de Gdeim izik, condenado a 30 anos e actualmente detido em Kenitra, entrou hoje em greve de fome em exigindo o respeito pelo direito de visita ao seu marido que lhe é negado desde Outubro de 2016.

Segundo declaração Claude Mangin-Asfari o seu maior desejo é “voltar para o Marrocos para ver meu marido Naama Asfari, preso político saharaui, condenado a 30 anos de prisão depois de dois julgamentos injustos em conjunto com os seus camaradas do grupo Gdeim Izik pela sua luta pacífica pela independência do Sahara Ocidental, ocupada por Marrocos há mais de 40 anos.”

Naama recebeu o Prêmio de Direitos Humanos concedido pela Fundação ACAT para Dignidade Humana em janeiro deste ano. O Comitê contra a Tortura da ONU, em Genebra, condenou Marrocos pela tortura exercida sobre Naama Asfari, em Dezembro de 2016.

No entanto, desde outubro de 2016, que Claude Mangin não está autorizada a entrar em Marrocos.

Leer más …

Presos politicos de Gdeim Izik suspendem greve de fome

Os 4 presos politicos do grupo de Gdeim Izik suspenderam esta tarde a greve de fome iniciada dia 9 de Março após uma reunião com o director da Direcção Geral da Administração das Penitenciárias e Reinserção de Marrocos.

O director da DGAPR comprometeu-se a atender às reivindicações dos presos em etapas, entre elas a transferência para uma prisão mais perto do Sahara Ocidental e das familias.

Sidi Abdallahi Abbahah, Abdallahi Lakfawni, El Bachir Boutanguiza e Mohamed Bourial irão ter um segundo encontro com a DGAPR nos próximos dias.

Leer más …

Presos politicos saharauis em greve de fome ameaçam entrar em “Greve Seca”

Segundo informação das famílias dos 4 presos politicos saharauis do grupo Gdeim izik em Greve de fome na prisão de Kenitra desde dia 9 de Março, Sidi Abdallahi Abbahah, Abdallahi Lakfawni, El Bachir Boutanguiza e Mohamed Bourial entrarão em greve de fome seca a partir de 4a feira caso nenhuma das suas reivindicações seja aceite pelas autoridades marroquinas.

A greve de fome seca implica não ingerir qualquer alimento ou liquido.

As greves de fome “secas” são raras. O corpo não pode sobreviver mais do que alguns dias sem água, e a morte ocorreria na primeira semana na maioria dos casos.

Segundo a autora de “Primeiro não cause danos: ética médica no direito internacional humanitário“, Sigrid Mehring: Em termos médicos, a morte por recusa de comer ocorre no caso de uma “greve de fome seca” (recusa de comida e água) após cerca de três a quatro dias. Os riscos para a saúde aumentam quando o grevista não estava de boa saúde e já sofria de problemas de saúde.

Leer más …

Presos politicos saharauis 32 dias em greve de fome

Sidi Abdallahi Abbahah, Abdallahi Lakfawni, El Bachir Boutanguiza e Mohamed Bourial, presos politicos saharauis do Grupo de Gdeim Izik, detidos na prisão de Kenitra, Marrocos estão há 32 dias em greve de fome exigindo transferência para perto das suas famílias e o respeito pelos seus direitos mais elementares como a assistência médica.

A greve de fome prolongada pode resultar em sérios danos ao corpo e mente. Quando há um déficit na ingestão de energia, o corpo consome os seus próprios estoques para manter a glicose no sangue, seu principal combustível. O corpo primeiro usará estoques de gordura. Em seguida, o corpo começará a usar tecido muscular e órgãos para produzir energia. As deficiências de sal e vitaminas também são prejudiciais para o corpo. Durante uma greve de fome, além da perda de peso, muitos outros sintomas são comuns:

Sensação de fome no começo e perda de apetite;
Apatia e irritabilidade;
Dor de cabeça, tontura, dificuldade para se levantar e se mexer,
derrame;
Ansiedade, tristeza, insônia, comprometimento da concentração;
Dor abdominal, úlcera péptica, náusea, constipação (às vezes diarréia);
Nefrolitíase muito dolorosa, insuficiência renal;
Redução da pressão arterial e taxas respiratórias.
Distúrbios neurológicos: paralisia de membros, cegueira, coma;
Sonolência, distúrbios neurológicos;
Distúrbios cardíacos ou pulmonares;

Leer más …

Manifestação pelos presos políticos saharauis na cidade ocupada de El Aaiun

Ontem, 4 de abril, na avenida Smara , em El Aaiun ocupado várias famílias dos presos politicos saharauis apoiadas por muitos saharauís foram às ruas manifestando a sua solidariedade com os presos de Gdeim Izik.

As forças de ocupação marroquinas dispersaram os manifestantes, momento em que outro grupo de saharauis noutra área da avenida junto ao hotel Nagir, ocuparam uma das rotundas e exibiram bandeiras e gritaram palavras d ordem em apoio aos presos politicos e pela liberdade do Sahara Ocidental.

Durante a intervenção da polícia vários manifestantes ficaram feridos, incluindo Gahli Ajnaa, esposa de Mohamed Bani, um prisioneiro político do grupo de Gdeim Izik, que junto com outros companheiros começou uma greve de fome em 9 de março.

Leer más …

A menina tradutora

H. tem onze anos, uma menina doce e estudiosa que devia preocupar-se com as saidas com as amigas, os cantores preferidos, os filmes mais recentes, mas em vez disso transformou-se na tradutora de uma familia destroçada.

Com cuidado ela transmite-me o que se passou hoje, com extrema preocupação de não esquecer nada.

“a policia saiu da nossa casa há minutos. Empurraram as mulheres, a minha avó….
A minha avó só dizia: prenderam o meu filho e ele é inocente
Eles empurravam-nas e diziam têm que acabar com isto entrem para dentro de casa, calem-se, tirem as fotografias das paredes”

H. para, ouve o que esta a dizer a mãe
“a mamã diz para te dizer o que disse a avó…
Eram muitos
Ela vai te enviar os videos…”

Leer más …

Banga e Tahlil presos políticos saharauis espancados pelos guardas da prisão

Cheik Banga e Mohamed Tahlil, presos politicos saharauis do grupo de Gdeim Izik, actualmente detidos na prisão de Bouzakarn foram hoje atacados pelos guardas da prisão.

Os guardas começaram por insultar os presos políticos saharauis, quando Banga e Tahlil responderam os funcionários da prisão bateram-lhes.

Os insultos, humiliações e maus tratos contra os presos políticos saharauis são constantes, assim como a negligencia medica e o desrespeito absoluto pelas regras minimas de tratamento de presos estabelecidas pelas Nações Unidas.

Leer más …

Casa de familias de presos políticos saharauis cercadas

No dia 24 da greve de fome de Abdallahi Abbahah, El Bachir Boutanguiza, Abdallahi Lakfawni e Mohamed Bourial as familias colocaram faixas exigindo o respeito pelos direitos destes presos políticos e a sua transferência para perto das suas familias.

Cada casa das 4 familias foi hoje palco de manifestação com a colocação das faixas e assentadas pacificas, el El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupado.

As autoridades de ocupação mantêm as casa sob vigilância apertada e cerco.

A saúde dos presos continua a deteriorar-se e a administração penitenciária não iniciou qualquer dialogo.

Os presos continuam ser terem qualquer visita por parte de enfermeiros ou médicos, segundo informação dada pelos famliares que os visitaram hoje.

Leer más …

Presos políticos saharauis 22 dias em greve de fome

Após 22 dias de greve de fome os presos politicos saharauis do grupo de Gdeim Izik em greve de fome desde 9 de Março apresentam sintomas graves de saúde e perda de autonomia fisica.

De acordo com os familiares que visitaram ontem os presos em greve na prisão de Kenitra a situação é alarmante.

Mohamed Bourial foi transportado por 4 guardas para a sala de visita uma vez que não se mantém de pé. Bourial reafirmou que não irá desistir da greve de fome até que as suas reivindicações sejam satisfeitas. Segundo a mãe a a irmã, Bourial vomita sangue e o seu estado geral é alarmante.

O irmão de Abdallahi Abbahah também informou que Abdallahi cuspe sangue e toda a água que ingere vomita.

Abdallahi Lakfawni foi transportado para a enfermaria por perda de consciência, mas passado pouco tempo foi posto de novo na cela de castigo.

Leer más …

Presos politicos saharauis em greve da fome em perigo de vida

Ontem, o irmão do preso político saharaui Sidi Abdallahi Abbahah visitou-o na prisão de Kenitra e disse-nos que a situação é alarmante.

O Sr. Abdallahi Abbahah informou o seu irmão que:

– Tem dores intensas no corpo
– Tem apenas um cobertor no chão e outro para se cobrir, mas muito fino e sofre de frio intenso
– Tem visão dupla
– Solicitou água engarrafada várias vezes, mas os guardas recusam-se a dar-lhe e disseram: “podes morrer ou viver nós não nos importamos contigo”. Sal e açúcar também são negados.
– Não tem conhecimento sobre a situação dos seus companheiros de prisão em greve de fome, não sabia se eles estavam vivos ou mortos, se eles continuam ou não a greve de fome
– Não foi visitado pelo médico

Abdallahi Abbahah disse que continuará a sua greve de fome até que suas exigências sejam atendidas, respeitando os seus direitos básicos.

Leer más …

Tres grevistas da fome do grupo Gdeim Izik receberam visita das famílias

Hoje, as mães de Abdallahi Lakfawni e El-Bashir Boutanguiza detidos na Prisão Kenitra e a família de Brahim Ismaili, detida na Prisão Ait-Melloul 2, foram autorizadas a visitar os presos que estão em greve de fome e isolamento há 18 dias.

As famílias relataram que os presos estão num estado alarmante de saúde, incapacidade de se mover, dores no corpo, dificuldade em ver, náuseas frequentes, dores de cabeça, dores nos rins e no estômago. Segundo as famílias, os prisioneiros são vítimas de negligência médica.

Os prisioneiros são mantidos em celas de castigo, conhecidas como células kacho ou caixão, infestadas de insetos e vermes, sem ventilação adequada e ausência de higiene básica. As celas são frias e húmidas e os presos não têm cobertores suficientes.

A administração da prisão não lhes permite beber água engarrafada nem lhes é permitido adicionar açúcar ou sal à água da torneira.

Leer más …

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies