Processo arbitrário contra prisioneiros saráuis expõe a ocupação marroquina

Fonte: cebrapaz.org.br / Por Moara Crivelente*

Prisioneiros políticos saráuis estão submetidos a julgamento farsante em Rabat, capital marroquina. Há sete anos, mais de 20 saráuis atravessam um processo injusto e tendencioso, de acordo com observadores internacionais como a portuguesa Isabel Lourenço. Em conversa com o Cebrapaz, ela e o representante saráui no Brasil, Mohamed Zrug, falam do processo e do seu enquadramento na luta mais abrangente do povo saráui por autodeterminação, contra a ocupação marroquina.

Conhecidos como os prisioneiros “de Gdeim Izik”, 25 saráuis detidos em 2010 durante um massivo acampamento de protesto pacífico contra a ocupação marroquina foram submetidos a processo controverso. Em fevereiro de 2013, foram condenados por uma corte militar marroquina a penas severas que incluíam a prisão perpétua, mas o julgamento foi anulado pela Corte Suprema, que decidiu pela revisão iniciada em dezembro de 2016.

Em maio de 2017, o novo processo, não mais esclarecido, já passa por sua quarta “sessão” de audiências para 24 dos detidos, enquanto o 25º segue penalizado com a prisão perpétua. As “sessões” têm sido frequentemente adiadas, assim como a autodeterminação do povo saráui.

Leer más …

Hino nacional saharaui no tribunal de Rabat

No quinto dia da 4a sessão do julgamento do grupo de Gdeim Izik, os presos políticos saharauis, entoaram o hino nacional saharaui durante meia hora em protesto.

O juiz quis fazer a identificação dos acusados como em dias anteriores em que testemunhas que em sete anos nunca apareceram, nem no tribunal militar de 2013, os identificam na sala onde estão a ser julgados, sendo esta a primeira identificação e obrigando os acusados a estar em linha à frente da testemunha que assim pode escolher entre os acusados.

Estas testemunhas nunca fizeram uma identificação nem na fase de instrução do processo nem noutro momento.

Antes de serem chamados os acusados e interpelado pela defesa a testemunha não foi capaz de descrever os acusados, apenas sabias os nomes, curiosamente declarava estar a viver durante mais de uma dezena de dias no acampamento de Gdeim Izik, que tinha dezenas de milhares de habitantes, mas não sabe o nenhum de mais ninguém a não ser de alguns acusados. Não sabe sequer o nome dos seus vizinhos.

Leer más …

Eurodeputados exigem libertação de presos politicos saharauis

Numa carta dirigida a Frederica Morgherini, 29 deputados de 12 países e de diferentes grupos políticos, exigem a libertação dos presos politicos saharauis do julgamento do grupo Gdeim Izik cujo julgamento está actualmente suspenso até 8 de Maio.

Os eurodeputados recordam à alta representante de negócios estrangeiros da União Europeia as torturas a que têm sido sujeitos estes presos politicos pelo facto de exigerem de forma pacífica a autodeterminação do Sahara Ocidental, durante mais de 6 anos de detenção.

Alertam para as ilegalidades do processo e para o facto de todo o julgamento se basear em documentação assinada sob tortura.

Mencionam que a um dos condenados à revelia, Hassana Aalia foi concedido asilo politico em Espanha, exactamente pelo facto das Nações Unidas e outras organizações e observadores terem denunciado as ilegalidades deste processo.

Os eurodeputados informam que o tribunal não procedeu às perícias forenses de acordo com o protocolo de Istanbul para documentar as torturas e que o juíz não tem em conta a decisão do Comitê contra a Tortura sobre este caso.

Recordam ainda que há impedimentos aos observadores internacionais para poderem assistir e obstaculização da participação das familias saharauis, o que demonstra o character politico do processo.

Leer más …

Gdeim Izik – Mulheres que lutam pela justiça

mujeres saharauis

O processo de Gdeim Izik arrasta-se desde o passado dia 26 de Dezembro, um julgamento de 24 activistas de Direitos Humanos saharaui, dos quais 21 estão detidos há 7 anos sem qualquer evidência de culpa. Um julgamento político a mais de 1000km dos territórios ocupados do Sahara Ocidental, a sua terra natal e onde foram sequestrados e detidos após antes, durante e após o brutal desmantelamento do acampamento pacifico de Gdeim Izik, um mês de protesto de dezenas de milhares de saharauis contra o apartheid social, económico e político a que estão votados desde a invasão do Sahara por Marrocos em 1975.

A distância dificulta a presença de familiares e amigos que apoiam os acusados, como o faz toda a população saharaui que revê neles o heroísmo, a dignidade e a luta não violenta pela autodeterminação a que têm direito segunda todas as resoluções das Nações Unidas, União Africana, Tribunal Internacional e outro organismos internacionais. A última colónia de África sangra sob o silêncio mediático.

Saaida, filha de Deidda Ellyazied um ancião de quase 100 anos, personagem de destaque na luta de resistência, que se deslocou com ela para apoiar os presos políticos a Rabat, conta-me como na sessão de Janeiro quando veio pela primeira vez, viu o sofrimento e as dificuldades das famílias que nunca se queixam. “Tudo faltava, é necessário muito para alimentar e alojar toda a gente, e como sabem os saharauis nunca podem deixar de oferecer comida o que temos partilhamos seja uma migalha seja um pão. Vi que era necessário ajudar muito mais, percebi que nós nos territórios ocupados não nos tínhamos dado conta do grau de sofrimento e dificuldades.”

Leer más …

Julgamento de Gdeim Izik 8º dia – “A tortura é metódica para nos quebrar”

gdeim izik

No 8º dia de julgamento de Gdeim Izik foram interrogados Abdallahi Toubali, Sidahmed Lemjeyid e El Bachir Khadda no tribunal de Sale, Rabat.

Durante o testemunho de Abdallahi Toubali o juiz pediu-lhe que assinasse duas folhas de papel em branco olhando para o lado, para ver se era possível faze-lo de olhos vendados e mãos algemadas como tinha denunciado Toubali.

Os advogados de defesa opuseram-se visto que evidentemente as condições e circunstâncias não eram as mesmas, mas mesmo assim o juiz não alterou a sua posição.

Toubali assinou e o juiz declarou ser a mesma assinatura, assumindo um papel de especialista em caligrafia.

Este episódio é apenas um mais do julgamento político do Grupo de Gdeim Izik, que parece ser um beco sem saída para Marrocos.

Não conseguem provar nem crime nem culpados e por isso transformam o caso numa caça às bruxas como fazia a inquisição e os regimes fascistas.

Abdallahi Toubali declarou-se inocente e disse “… ninguém fala das nossas vitimas do nosso sofrimento há mais de 40 anos”, a única esperança é que a ONU amplie a competência Minurso para proteger os direitos humanos nos territórios ocupados do Sahara Ocidental e implemente o referendo.

Toubali era membro do comitê de diálogo do acampamento e explicou que o campo nasceu devido à marginalização e repressão do povo saharaui, a população tinha exigências sociais.

Leer más …

Gdeim Izik: Juiz adopta papel de especialista em caligrafia

Durante o testemunho de Abdallahi Toubali o juiz pediu-lhe que assinasse duas folhas de papel em branco olhando para o lado, para ver se era possivel faze-lo de olhos vendados e mãos algemadas como tinha denunciado Toubali.

Os advogados de defesa opuseram-se visto que evidentemente as condições e circunstâncias não eram as mesmas, mas mesmo assim o juiz não alterou a sua posição.

Toubali assinou e o juiz declarou ser a mesma assinatura, assumindo um papel de especialista em caligrafia.

Este episódio é apenas um mais do julgamento politico do Grupo de Gdeim Izik, que parece ser um beco sem saída para Marrocos.

Não conseguem provar nem crime nem culpados e por isso transformam o caso numa caça às bruxas como fazia a inquisição e os regimes facistas.

Leer más …

Gdeim Izik: Bourial e Ismaili denunciam manobras marroquinas

Mohammed Bourial foi o terceiro a depor na segunda-feira dia 20 de Março , no caso Gdeim Izik. Bourial começou o seu depoimento explicando o que era o campo de Gdeim Izik. Gdeim Izik era um movimento que consistia de milhares de saharauis que construíram tendas no deserto, e tinham reivindicações sociais. Bourial era chefe do comitê de diálogo e explicou como esse comitê e o governo chegaram a um acordo dois dias antes do desmantelamento. Esperava-se que o ministro do interior viesse ao acampamento com 9 tendas para organizar um censo da população no acampamento, para que o governo pudesse responder às reivindicações colocadas pela população saharaui. O governo não cumpriu a sua promessa, e as pessoas no acampamento foram surpresas com o ataque; Que ocorreu de madrugada. Bourial afirmou:

“O campo Gdeim Izik revelou a política do ocupante Marroquino, e como eles marginalizam o povo do Sahara Ocidental e roubam nossos recursos. Gdeim Izik é obresultado da marginalização de todos os saharauis pela ocupação de Marrocos do Sahara Ocidental. O acampamento durou 28 dias. Não houve crimes, nem violencia. O ocupante marroquino atacou no dia 8 de novembro mulheres, crianças, idosos e homens “.

Bourial negou todas as acusações e afirma que “aquele que deveria ser julgado, é quem ordenou o ataque ao campo de Gdeim Izik, não nós“.

Leer más …

Gdeim Izik: Sidi Abdallahi Abaha acusa Marrocos

Sidi Abdallahi Abahah foi o segundo acusado a ser interrogado.

Abdallahi Abahah não começou a depôr antes que o deixassem falar com os seus advogados, algo que tem sido dificultado aos presos politicos saharauis. Dois dos advogados de defesa nunca foram autorizados a falar com os seus clientes

Abdallahi começou por dizer que o único representante do povo saharaui é a Frente Polisario e que quer a autodeterminação do Sahara Ocidental.

“Dizeram-nos que o tribunal militar seria justo e no final condenaram-nos sem provas este julgamento esta a ser igual.”

Diz que se recusou a fazer a pericia forense porque a sua advogada tinha exigido um médico independente em conformidade com o protocolo de Istanbul.

O julgamento não pode continuar sem que a pericia forense esteja terminada, disse Abdallahi.

Ao ser interrompido respondeu ao juiz que todos eles estão inocentes e estiveram mais de 6 anos presos agora era a vez dele falar, e disse que falava em seu nome e em nome de todos os presos politicos e do povo saharaui.

Leer más …

Reiniciou-se a 3a sessão do julgamento de Gdeim Izik

gdeim izik

No quarto dia o primeiro acusado a depôr perante o tribunal foi El Houcein Zawi que reafirmou a sua inocência e condição de preso politico. Recusou-se a responder a qualquer pergunta antes de lhe ser permitido mostrar as marcas da tortura e relatar o seu sofrimento. “Fui torturado durante dias, violado, espancado, arrancara-me as unhas dos pés e das mãos, partiram-me o braço e tive dias sem comer nem beber! Transportaram-me numa manta até ao sitio onde me obrigaram a assinar com uma impressão digital. … Não conheço o conteúdo de nenhuma declaração ou confissão, ninguém me leu nada nem informou dos meus direitos! A riqueza de Marrocos vem do saque dos recursos naturais do Sahara Ocidental! … Fui detido el El Aaiun no Sahara Ocidental.

Zawi denunciou os nomes de todos os torturadores que foi capaz de identificar.

“Fazem-me perguntas sobre as negociações antes do desmantelamento de Gseim Izik! Porquê não autorizam o testemunho dos deputados e pessoas do governo que estiveram a falar consosco? Porquê não os trazem a este tribunal???”

Leer más …

Uso de cookies

porunsaharalibre.org utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies