EUA envia novo projecto da ONU Sahara Ocidental após críticas

This post is also available in: Español (Espanhol)

cs_onu

29 de abril de 2016, porunsaharalibre.org

Quinta-feira dia 28 de Abril 2016 os Estados Unidos apresentaram ao Conselho de Segurança da ONU um novo projeto de resolução sobre o Sahara Ocidental após alguns membros do CSNU terem contestado um texto anterior cujo conteúdo, segundo eles, não era suficiente para pressionar Marrocos para permitir a total restauração da Missão de Paz da ONU.

O conselho de 15 países tem agendada a votação para hoje, sexta-feira, da extensão do mandato da missão Sahara Ocidental das Nações Unidas, conhecida como MINURSO. O mandato termina no sábado.

Vários diplomatas do conselho disseram que o mais recente projecto dos EUA poderia vir a obter apoio unânime.

Marrocos expulsou dezenas do funcionários civis internacionais da ONU da MINURSO numa decisão unilateral após a visita do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon no mês passado aos campos de refugiados saharauis, onde referiu que Marrocos ocupou o território em 1975.

O projecto dos EUA apresentado na quarta-feira, apela à restauração urgente da “funcionalidade completa” da MINURSO e solicita ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a apresentação de um relatório ao Conselho no prazo de 120 dias sobre o cumprimento de Marrocos das exigências do Conselho.

À espera de quatro meses para avaliar o cumprimento marroquino com as exigências do Conselho é considerado por vários membros do conselho como excessiva.

O Embaixador da Nova Zelândia, Gerard van Bohemen, disse aos jornalistas “nós pensamos que era necessário um prazo mais curto.”

O esboço inicial dos EUA tinha de facto incluído a apresentação do relatório de Ban no prazo de 60 dias, mas foi alterado devido às objeções do tradicional aliado de Marrocos a França, junto com Senegal, disseram diplomatas do conselho.

O mais recente projecto de EUA, a que a Reuters teve acesso, reduziu o tempo para 90 dias, o que um diplomata do conselho classificou como um “compromisso aceitável.”

Venezuela , Angola, Uruguai e em alguma medida a Nova Zelândia, membros não permanentes do CSNU, têm pressionado para que se tomem medidas uma solução definitiva para o conflito do Sahara Ocidental. Também a União Africana foi muito clara exigindo um maior envolvimento e uma data para o referendo de autodeterminação.