Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol)

img-20160830-wa0034

Addis Abeba, 2016/08/30 (SPS)

O ministro delegado saharaui para os Assuntos Africanos, Mayara Jalil Hamdi, foi recebido hoje, na sede da União Africano, em Addis Abeba, Etiópia, pelo Comissário para a Paz e Segurança da União Africana Embaixador Ismail Shargui para informar sobre a posição sobre a recente escalada na zona de El Guergarat.

Neste contexto, o responsável saharaui disse que “a decisão marroquina de entrar na área de El Guergarat é considerada uma perigosa escalada, cujo impacto pode ameaçar seriamente o cessar fogo vigente na região”, acrescentando que, “informar o Conselho de Paz e Segurança da UA sobre a situação e eventos, como foi feito anteriormente com a ONU e a sua missão no Sahara Ocidental (MINURSO), é uma prova de que a parte saharaui entende a gravidade do passo dado pelo lado marroquino “.

Além disso, o ministro delegado para África entegou uma carta ao Comissário Africano para a Paz e Segurança em que as comunicações feitas pela Frente POLISARIO com as Nações Unidas e da sua missão no território estão resumidas, exigindo um fim às atividades marroquinos em El Guergarat, que visa alterar o status quo vigente desde a assinatura do cessar-fogo em 1991.

Nesta reunião, que contou com o delegado permanente da RASD na UA, Laman Baali, o Adido Cultural da Embaixada saharaui em Adis Abeba, Waddadi Salek, e o Conselheiro Pessoal do Comissário Africano, Abdelkader Al-uruá, o ministro saharaui ressaltou que “a parte saharaui tomou a decisão de implantar unidades militares na área, em resposta à atitude marroquina que visa alterar o acordo de status quo resultante do cessar-fogo na região.”