Mais de vinte eurodeputados exigen intervenção de Mogherini para que Marrocos liberte os presos saharauis de Gdeim Izik

This post is also available in: Español (Espanhol)

lopez_640_330

Fonte: iueuropa.org

Mais de vinte deputados -de Cinco grupos parlamentares distintos- e de nove Estados-Membros aprovaram uma carta promovido pela Esquerda Unida por iniciativa de Paloma Lopez, vice-presidente do Intergrupo sobre o Sahara Ocidental, em que é pedido à Alta Representante é da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, a mediação para que o Reino de Marrocos liberte os 21 prisioneiros de Gdeim Izik e anule o acórdão do tribunal militar que os condenou em 2013 por terem participado no acampamento da dignidade três anos antes.

Na carta, os deputados mostram a sua preocupação com a situação dos detidos transferidos da prisão para prisão de El Arjat em Rabat a 31 de agosto sem as suas famílias fossem informadas. Devem ser julgados novamente, na capital marroquina, desta vez por um tribunal civil, graças à pressão internacional, reivindicando a anulação da sua condenação anterior.

A forma como a transferência ocorreu, é agravada pelo fato de que o Reino de Marrocos volta a violar os direitos fundamentais destes políticos ao envia-los a 1.200 quilômetros de suas casas em El Aaiun.

A carta também afirma que os guardas marroquinos “despojaram os presos de todos os seus bens, incluindo alimentação e vestuário,” um tratamento vexatório, a má alimentação recebida durante o seu confinamento e negação que podem receber tratamento médico é adicionado, “o que que causou uma grave deterioração da saúde “de alguns deles.

Particularmente preocupante é o estado de Houcein Zawi “, que recebeu uma espancamento brutal em 30 de setembro depois de ter sido negado o acesso a um médico.” Isso provocou “os protestos de alguns dos prisioneiros de Gdeim Izik” que também “foram objecto de violência arbirária” pelos guardas da prisão .

Especificamente, o texto refere-se a “lesões nas nãos maos sofridas por Hassan Dah, depois de ter sido algemado à porta de sua cela”; os “golpes” infligidos a Deich Daff e Bourial Mohamed; e o tratamento que os guardas deram a Mohamed Khouna Babeit, que “foi despojado de suas roupas e ficou nu” por horas.

Os eurodeputados solicitam a mediação Mogherini com o ocupante Reino de Marrocos. E exigem três medidas: a “o grupo ser transferido imediatamente para uma prisão em El Aaiun ou qualquer outra cidade nos territórios ocupados do Sahara Ocidental”, onde podem ser “visitado por suas famílias” e ter “acesso aos seus advogados “; que a “autorização de entrada de observadores internacionais às prisões onde o Reino de Marrocos tem encarcerados os presos políticos saharauis”; e que “todas as acusações contra os prisioneiros de Gdeim Izik sejam retiradas” e “anulação do acórdão do tribunal militar” e que sejam “libertados”.

Por outro lado, Lopez enviou uma pergunta parlamentar a Mogherini denunciando a grave situação vivida por Mohamed Daoudi, um novo caso de uma repressão brutal.

Este jovem activista saharaui j foi preso pela polícia marroquina no último 5 de outubro em Guelmin e submetido a interrogatório e tortura fisica e psicológica por várias horas que o deixou em coma. Foi levado a um hospital, nmas não foi internado nem atendido em condições por pessoal médico e regressou em coma para a prisão até ser libertado dois dias depois.

Lopez pede a Mogherini para pressionar para que se realize uma investigação independente sobre o seu caso e seja identificado que tem responsabilidades.

Gdeim Izik Letter VP HR Mogherini by porunsaharalibre.org on Scribd

Pregunta denuncia grave situación vivida por Mohamed Daoudi by porunsaharalibre.org on Scribd