Manipulação pró-marroquina na ONU: a Argélia exige explicações

This post is also available in: Español (Espanhol)

Fonte: APS, 7 octubre 2017 – Por Yacine Ramdane  Foto: Aps  EIC . Poemario Sahara Libre

Manipulação pró-marroquina no trabalho da Quarta Comissão das Nações Unidas: a Argélia exige explicação à ONU que  removeu da web as notícias manipuladas e apresenta desculpas

A Argélia exigiu ontem explicações sobre as declarações dos peticionários sobre o Sahara Ocidental, distorcidas pelo serviço de imprensa da ONU, invocando uma possível manipulação destinada a desviar esta seção das Nações Unidas de sua missão de informar fielmente a opinião internacional.

“Pedimos que uma rectificação seja publicada no site das Nações Unidas e que o representante do Departamento de Informação Pública (DPI) compareça perante este Comitê para explicar o que aconteceu”, disse Mohamed Bessedik, Embaixador Adjunto da Argélia na ONU , durante o debate da Quarta Comissão de Descolonização.

Durante dois dias, o serviço acumulou uma série de derrapagens que prejudicam a sua credibilidade como órgão de informação de uma instituição multilateral como a ONU. “É seu dever explicar como esses erros foram cometidos”, acrescentou o diplomata argelino. O DPI deve, em sua opinião, “pedir desculpas” após o dano causado às pessoas afetadas. “É um erro cometido intencionalmente ou inadvertidamente?”, E mesmo inadvertidamente também é injustificável “, argumentou o diplomata.

O referido serviço está em destaque após a manipulação pela qual as declarações dos peticionários que mostraram seu apoio à causa saharaui foram distorcidas, atribuindo declarações pro-marroquinas a peticionários que ainda não intervieram.

“Um sinal de que pode haver uma cumplicidade, atrevo-me a dizer,  é que o comunicado de imprensa foi retirado hoje do site da ONU após o encerramento pelo presidente da Comissão de Descolonização”, disse o venezuelano Rafael Dario Ramírez Carreno, presidente da Quarta Comissão, que salienta que os erros deste serviço são múltiplos e recorrentes.

O Serviço de Notícias e Conteúdo da ONU teve que retirar na sexta-feira a sua entrada inicial em que atribuiu ao representante saharaui, Bujari Ahmed, declarações sérias sobre a Frente Polisario e sobre o processo de paz no Sahara Ocidental. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, teve que pedir desculpas às partes caluniadas pelos falsos relatos da imprensa do seu departamento e prometeu esclarecer o assunto.

O representante da Frente Polisario disse à APS que pedirá “uma investigação sobre este sério deslize”. “É um deslize planeado por este serviço da ONU, invadido por agentes marroquinos que recorreram à falsificação extrema atribuindo-me declarações pró-marroquinas, quando ainda não havia falado”, disse o diplomata saharaui.

Na noite de quinta-feira, a presidente da Fundação do Fórum da Defesa, Suzanne Scholte, negou em uma declaração à APS as palavras que lhe foram atribuídas pelo serviço de imprensa da ONU. “Em nenhum momento eu me referi ao plano de autonomia de Marrocos, pedi a retirada do Marrocos do Sahara Ocidental ocupado”, disse Suzanne Scholte. A vencedora do Prêmio Seul da Paz informou que foi alvo de uma campanha de repressão marroquina destinada a impedir a sua participação no trabalho da Comissão.