Presidente saharaui Brahim Ghali na 5ª Sessão da União Africana (PAP) Midrand, África do Sul

This post is also available in: Español (Espanhol)

Fonte: Diario La Realidad Saharaui, DLRS / Foto: web PAP

O site oficial do Parlamento Pan-Africano publicou trechos do discurso  do Presidente da República SaharauiBrahim Ghali,. destacando partes do mesmo. “Tenho a honra de estar presente no PAP do Parlamento Pan-Africano, uma grande e ativa instituição africana que incorpora as aspirações e as esperanças dos povos da África por unidade e integração”.

O presidente da República saharaui, Brahim Ghali, inaugurou na segunda-feira, 9 de outubro de 2017, a abertura oficial da Quinta Sessão Ordinária do Parlamento Pan-Africano (PAP), que iniciou as suas sessões sob o lema “Aproveitando o Dividendo através de Investimentos na Juventude “.

O presidente saharaui, Brahim Ghali, no seu discurso de abertura na sede do PAP em Midrand, na África do Sul, disse: “Tenho a honra de estar presente no PAP do Parlamento Pan-Africano, uma grande e ativa instituição africana que incorpora as aspirações e esperanças dos povos da África para a unidade e a integração “. O presidente Ghali elogiou os membros do PAP pelas enormes conquistas e progressos impressionantes que o parlamento do continente fez desde a sua criação e expressou a esperança de que o sucesso alcançado culmine na transformação do PAP num Parlamento verdadeiramente africano com poderes legislativos.

O presidente Ghali reiterou o apoio do governo e do povo saharaui aos esforços do PAP,  refletindo a assinatura e ratificação do Protocolo da União Africana de Malabo em 2014. Ele pediu a todos os países africanos que seguissem o seu exemplo assinando e ratificando o Protocolo de Malabo o mais rápido possível para que o PAP possa funcionar plenamente como uma verdadeira legislatura africana e alcançar o que foi estabelecido e beneficiado os povos da África.

Sobre o  tema desta sessão do PAP, o Presidente Ghali enfatizou que a importância de investir em jovens africanos demonstrou a importância que o PAP atribui a uma questão tão complexa e multidimensional e econômica. “Tirar proveito do dividendo demográfico africano é uma questão crítica em relação às preocupações urgentes que afetam nossos jovens que são o segmento maioritário da população da África”, afirmou o líder saharaui.

O presidente saharaui, que abordou questões de dividendos demográficos, disse que “proporciona esperança, transformação constante e força revigorada para o continente e enfatizou a necessidade de monitoramento constante dos esforços de investimento em jovens africanos. Ele informou os membros do PAP que o governo saharaui havia feito esforços deliberados para envolver jovens no país na implementação de todas as políticas e programas governamentais. “Estamos investindo na juventude através de formação e educação para que possamos ter uma geração educada e responsável que esteja totalmente equipada com tecnologia moderna e consciente dos desafios que enfrentam as nossas sociedades e gerações capazes de alcançar um salto qualitativo para a melhoria de nosso povo através da conquista da paz, segurança, estabilidade, prosperidade e progresso “, disse o presidente Ghali.

O presidente Ghali expressou sua consternação pelo fato de que, apesar do progresso feito pelo seu governo e o povo saharaui, o conflito do país com Marrocos continua sendo uma praga e uma desgraça na história da África e do mundo, já que representa a existência prolongada do colonialismo. Ele lamentou que o Reino de Marrocos ainda ocupe ilegalmente os territórios saharauis desde de 1975. Um fato que viola o Ato Constitutivo da União Africana que promoveu o respeito pelas fronteiras herdadas da independência de todos os estados africanos.

O presidente Ghali acusou Marrocos de saquear os recursos saharauis e violar os direitos humanos do povo nos territórios ocupadas citando o recente julgamento de civis saharauis num tribunal militar marroquino que mais tarde foram dispersos por várias prisões marroquinas.

O presidente saharaui concluiu o seu discurso de abertura, instando o PAP, a União Africana, as Nações Unidas e a comunidade internacional a agir com urgência para garantir a libertação de todos os presos políticos saharauis presos nas prisões marroquinas, acrescentando que a solução final para o conflito entre os dois países é a aplicação rigorosa dos preceitos da legalidade internacional consagrados na Carta das Nações Unidas e no Ato Constitutivo da União Africana.