POLISÁRIO APELA A UE A CONDENAR A EXPULSÃO DOS EURODEPUTADOS DE MARROCOS

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

[BRUXELAS, 27 DE OUTUBRO DE 2017]

Marrocos deportou hoje uma delegação de deputados do parlamento europeu da cidade ocupada de El Aaiún no Sahara Ocidental. A delegação, composta por membros do Intergrupo do Parlamento Europeu para o Sahara Ocidental, era liderada pela deputada sueca Jytte Guteland (S & D). Os outros deputados são Paloma Lopez (GUE / NGL), Bodil Valero (Verdes / EFA), Lidia Senra (GUE / NGL) e Josu Juaristi (GUE / NGL).
O representante da Polisario, Mohamed Sidati, declarou hoje que:

“Este é mais um exemplo da tentativa deliberada e contínua de Marrocos de ocultar os seus abusos contínuos e sistemáticos em matéria de direitos humanos nos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

Falei com a delegação para expressar a nossa solidariedade e agradecemos os seus esforços para ver a situação terrível dos direitos humanos dos saharauis que vivem sob a ocupação ilegal de Marrocos.

A delegação estava preparada para se reunir com organizações e ativistas de direitos humanos, bem como com um amplo espectro de representantes da sociedade civil nos territórios ocupados do Sahara Ocidental.

Apelo à Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini e aos Ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, que condenem clara e inequivocamente as ações de Marrocos de hoje e exija que Marrocos permita o acesso imediato aos territórios ocupados aos observadores e meios de comunicação internacionais. A UE deve estar preparada para defender os valores dos direitos humanos e das liberdades fundamentais e deixar claro a Marrocos que a sua ocupação ilegal e os abusos sistemáticos contra os direitos humanos não serão apoiados com o silêncio.

As ações de Marrocos de hoje são mais um exemplo de sua campanha deliberada para esconder da comunidade internacional a sua brutal ocupação e abusos dos direitos humanos; incluindo a detenção ilegal em massa de ativistas políticos saharauis e a exploração ilegal contínua dos recursos naturais do Sahara Ocidental. A União Europeia deve convidar Marrocos a defender as suas responsabilidades nos termos do direito internacional e, em paralelo, garantir que os Estados-Membros da UE cumpram o direito internacional e a UE no que se refere à ocupação ilegal do Sahara Ocidental por Marrocos. A menos que a UE tome passos claros e imediatos, o seu silêncio e as suas ações só servirão para minar ainda mais a possibilidade do processo político da ONU ser retomado com hipóteses de sucesso “.