Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

NOVA YORK, 21 de novembro de 2017 – Antes da reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas de 22 de novembro sobre o Sahara Ocidental, a Frente POLISARIO reitera o seu apoio à missão do Sr. Horst Köhler, Enviado Pessoal do Secretário-Geral para o Sahara Ocidental, e insta os membros do Conselho a prestar as contribuições necessárias para o relançamento do processo de paz da ONU.

A Frente POLISARIO espera que o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) assuma a sua responsabilidade em relação ao povo do Sahara Ocidental e assegure o pleno respeito pelo seu direito inalienável à autodeterminação e à independência. O Conselho tem o dever de garantir que as suas próprias resoluções sejam respeitadas e implementadas na totalidade. A este respeito, a Resolução 2351 (2017) do CSNU pediu ao Enviado Pessoal que forneça uma atualização sobre o progresso rumo a uma solução duradoura e justa para o conflito do Sahara Ocidental, como uma questão de descolonização, no prazo de seis meses após a sua nomeação. Esta atualização – a ser realizada em fevereiro próximo – deve incluir um quadro concreto para o caminho a seguir que culminaria em negociações urgentes e presenciais entre a Frente POLISARIO e Marrocos.

No ínterim, é mais do que necessário que o Conselho aborde as questões em curso, a fim de criar condições mais favoráveis ​​para o novo processo de negociação. Marrocos continua a rejeitar o retorno ao Sahara Ocidental dos observadores da União Africana (UA) que foram ilegalmente expulsos por Marrocos em março de 2016. Ainda não houve uma “missão técnica” para a região de Guerguerat, no Sahara Ocidental, para examinar os problemas muito sérios criados pela violação unilateral de Marrocos dos termos do cessar-fogo, como solicitado na Resolução 2351 (CSC) do CSNU (2017).

Do mesmo modo, os contínuos abusos de direitos humanos e saqueos de recursos naturais por Marrocos no Território ocupado do Sahara Ocidental sugerem uma cultura de impunidade que não conduz a um processo de paz construtivo e duradouro.

A POLISARIO congratula-se com o aumento do empenho regional nessas questões sob a forma de uma maior cooperação UA-ONU no Sahara Ocidental.

“Com um novo Enviado Pessoal e um mandato claro do Conselho de Segurança, o processo de paz deve ser retomado, tendo em mente que o respeito do direito à autodeterminação do povo do Sahara Ocidental deve ser a orientação principal para qualquer esforço credível das Nações Unidas visando garantir uma solução duradoura e justa para o conflito do Sahara Ocidental, a última colônia africana na agenda das Nações Unidas. Para a Frente POLISARIO, o direito à autodeterminação do nosso povo e do nosso país é inalienável e, portanto, não é negociável “, afirmou Ahmed Boukhari, representante do Frente POLISARIO na ONU.