Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

No dia 9 de março, 8 presos políticos saharauis do grupo Gdeim Izik nas prisões de Ait Melloul e Kenitra entraram em greve de fome exigindo o respeito pelos seus direitos básicos.

No dia 8 de março, os diretores da prisão de ambas as penitenciárias informaram os presos que tinham uma “nota de serviço”, dizendo que se eles começassem uma greve de fome, seriam isolados.

Na prisão de Ait Melloul, Sidahmed Lemjeyid e Mbarek Lefkir suspenderam a sua greve de fome no dia 12 de março após novas ameaças emitidas pelo diretor da prisão.

De acordo com informações das famílias, Mohamed Bani e Brahim Ismaili foram isolados no dia 12 de março sem água potável, em células de isolamento conhecidas como “caixões” minúsculas e sem janelas, os presos dormem no chão.

Segunda a declaração da filha do Sr. Ismaili, o Diretor Regional das Prisões de Agadir e o Director Prisioneiro de Ait Melloul 2 disseram ao Sr. Ismaili que, se ele caísse em coma, eles lhe dariam uma injeção para se livrar dele definitivamente e acabar com os problemas.

Às 8 da manhã de 9 de março, Sidi Abdallahi Abbahah, El Bachir Boutanguiza, Mohamed Bourial e Abdallahi Lakfawni foram trazidos para células de isolamento em Kenitra desde que começaram a greve de fome.

A administração da prisão só lhes permitiu ter 5 litros de água potável com eles.

Os médicos da prisão devem estar conscientes de que os rins precisam no minimo de cerca de meio litro por dia para funcionar corretamente, e cerca de 1/2 litro é perdido através de suor, respiração, defecação, etc., é necessário pelo menos 1 litro de água por dia para sobreviver. De acordo com um artigo publicado pelo British Medical Journal: “A ingestão média de líquidos deve ser mantida em torno de 1,5 l / dia. Idealmente, a água deve ser suplementada com até 1,5 g de cloreto de sódio (meia colher de chá de sal) por dia”.

Isto, não assume nenhuma atividade, nem transpiração excessiva por problemas de calor ou intestino e status de saúde normal, o que não é o caso, já que todos os detidos deste grupo possuem doenças crônicas derivadas dos maus tratamentos, torturas e condições de prisão a que foram submetidos desde a sua detenção em 2010.

Os prisioneiros em Kenitra estão agora isolados durante 5 dias em greve de fome, o que significa que, se não lhes foi dada mais água potável, o suprimento de água necessário para evitar insuficiência renal foi consumido. Em Ait Melloul, os dois presos em greve da fome estão agora sem água potável e têm apenas a água não potável na célula do caixão..

Naama Asfari, outro membro desse grupo, detido na prisão de El Arjat está em isolamento desde 12 de fevereiro e em greve de fome desde 27 de fevereiro, mas nenhuma informação sobre sua situação foi dada a sua família ou advogados.

As famílias informam que os todos  os presos deste grupo são muito maltratados, têm frio extremo, não têm comida suficiente e a pressão psicológica exercido pelos funcionários da prisão , bem como insultos e assédio são um facto diário.

No dia 4 de dezembro, Sidi Abdallahi Abbahah e Ahmed Sbaai foram colocados em minúsculo WC’s durante dez dias com as luzes acesas continuamente e maltratados, sem ter permissão para lavar-se ou ter assistência médica (embora o Sr. Sbaai tivesse vários ataques de Asma) no meio de parasitas e insetos.

Em 25 de dezembro, Mbarek Lefkir foi espancado até a perda de consciência pelos guardas da prisão de Ait Melloul, quando se recusou a fazer o exame universitário nú.

As famílias estão extremamente preocupadas, especialmente devido ao facto de que todos esses prisioneiros estão em uma situação de saúde muito frágil.

Porunsaharalibre.org contatou Olfa Ouled uma dos membros da equipa de advogados destes presos que nos informou que um fax para as diferentes autoridades marroquinas foi enviado na sexta-feira 9 de março para saber o motivo desse isolamento, mas não recebeu nenhuma resposta e até agora também não há informação disponível sobre o Sr. Asfari, a advogada declarou que, espera que, o sistema de justiça marroquino irá intervir e pôr fim a estas violações graves tanto da lei marroquina quanto das normas mínimas internacionais.

Mohamed Ayoubi, membro do grupo Gdeim Izik em liberdade condicional, morreu em fevereiro deste ano no hospital de El Aaiun, devido a problemas de saúde derivados das torturas extremas que ele sofreu durante e após sua prisão em 2010.

Ao longo dos últimos anos, vários presos políticos saharauis morreram em prisões marroquinas devido a negligência médica ou a falta de tratamento, o Grupo Gdeim Izik foi alvo desde a sua prisão em 2010 com técnicas de tortura, confinamento ao longo de 22 horas por dia, tortura psicológica, espancamentos, assédio e racismo.

Como afirmado num comunicado dos prisioneiros de Kenitra em novembro do ano passado, a administração da prisão é responsável pela sua segurança física.