A Frente Polisario destrói as últimas minas terrestres em armazem

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Brahim Ghali informou o Secretário-Geral da ONU sobre a destruição do último estoque de minas terrestres armazenadas pela Frente Polisário

Nova York, 10 de janeiro de 2019 (SPS) -O Presidente da República, e secretário-geral da Frente Polisário, o Sr. Brahim Ghali informou o Secretário-Geral da ONU sobre a destruição do último estoque de minas terrestres armazenadas pela Frente Polisário.

Brahim Ghali disse na sua carta que “A destruição do arsenal de minas terrestres é uma demonstração clara da vontade da Frente Polisário a cooperar na limpeza de minas terrestres que espalham o terror, especialmente na parte libertada do Sahara Ocidental”.

Além disso, o Presidente da República expressou esperança de que a comunidade internacional exerça pressão suficiente sobre Marrocos para assinar a Convenção de Ottawa sobre a Proibição do uso e armazenamento de minas anti-pessoal e munições de fragmentação.

No mesmo contexto, Brahim Ghali transmitiu a sua profunda preocupação com a situação dos presos políticos saharauis em prisões marroquinas, especialmente o grupo de Gdeim Izik em sofrimento, como outros prisioneiros, maus-tratos, tortura e humilhações e que são privados dos seus direitos elementares por causa da política de repressão exercida pelo ocupante marroquino.

O Presidente da República fala na sua carta, dos recentes desenvolvimentos especialmente aqueles relacionados com a mesa redonda realizada em Genebra no início de dezembro e cooperação construtiva da Frente Polisário nesta reunião, onde fizeram propostas que visam fortalecer medidas de confiança, como permitir que observadores internacionais e organizações de direitos humanos visitem as áreas ocupadas do Sahara Ocidental e a libertação dos presos políticos saharauis.

Por outro lado, Brahim Ghali manifestou preocupação com a situação na zona de conflito e advertiu que qualquer incursão pelas forças de ocupação marroquinas na área tampão em Guergarat constituem uma clara violação do cessar-fogo e acordo militar número 1.