Sahara Ocidental: Marrocos deve ser isolado por todos os países – Congresso Trabalhista da Nigéria

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Premium Times. -13 de junho de 2019 Busayo Adegbola

O Congresso Trabalhista da Nigéria (NLC, na sigla em inglês) pediu o isolamento de Marrocos por manter o Sahara Ocidental sob controle colonial e impedir que o Estado conquiste a soberania.

O Presidente do Congresso Trabalhista Nigeriano (NLC), Ayuba Wabba, afirmou isto numa conferência de imprensa na sede do Congresso em Abuja durante a visita do Presidente da República Árabe Saharaui Democrática (RASD) à Nigéria.

O Sr. Wabba, que foi representado pelo Presidente da União Nacional dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (NURTW), Najeem Yasin, disse que o NLC estava plenamente consciente e envolvido na luta do povo saharaui contra o poder colonial do Marrocos.

“Enquanto o Sahara Ocidental não for livre, a África não é livre e todos os africanos e países africanos devem estar envolvidos na luta”, disse.

Afirmou ainda que o NLC continuaria a liderar a solidariedade nacional do movimento trabalhista e seus aliados na academia, sociedade civil, grupos profissionais, entre outros, em apoio à luta do povo do Sahara Ocidental.

“Infelizmente, um país africano mantém [sic] a última colônia da África contra as resoluções da extinta Organização da Unidade da África, agora União Africana, e os interesses coletivos de todas as pessoas amantes da liberdade em todo o mundo”, disse ele.

O NLC, disse, tinha providenciado espaço para o secretariado do Movimento para a Libertação do Sahara Ocidental da Nigéria, como parte da sua determinação e compromisso com a luta de libertação do povo saharaui.

“Tivemos reuniões e programas e seguiremos a realizar reuniões, conferências e programas em massa para aprofundar a nossa solidariedade e expandir o apoio em massa à sua luta de libertação, que vemos como a nossa luta coletiva. Também lideramos um protesto em massa à embaixada de Marrocos aqui em Abuja “, disse.

“Portanto, todos devem renovar a nossa exigência coletiva de que Marrocos seja isolado no espaço global por todos os países, não apenas em África, mas no mundo inteiro até que o Sahara Ocidental conquiste a soberania, livre do controle colonial”, afirmou.

Esforços para isolar Marrocos

Da mesma forma, o representante do Movimento Nigeriano de Libertação do Sahara Ocidental (NMLWS), Owei Lakemfa, disse que o colonialismo no Sahara Ocidental continua porque os marroquinos querem explorar os recursos humanos e naturais do estado.

“Nunca na história da humanidade, um povo foi forçado a viver em tais campos, como muitos saharauis foram forçados a viver, durante 44 anos.”

Lakemfa disse que o movimento não pararia de atacar Marrocos.
Ele disse que houve um caso em que eles realizaram uma campanha para impedir que Marrocos seja readmitido na União Africana (UA), mas fracassou.

“No entanto, quando o Marrocos tentou se juntar à CEDEAO, conseguimos impedi-los. E eles nunca virão à CEDEAO. Relações externas semelhantes a ébola são indesejadas na África Ocidental”, disse ele.

Lakemfa disse que é irônico que alguns dos países que apoiam Marrocos, membros da União Europeia, afirmem ser defensores dos direitos humanos.

Também falando no evento, um representante da Juventude Nigeriana do Sahara Ocidental, Suleiman Fema, instou o governo nigeriano a cortar todos os laços comerciais com Marrocos.

Fema disse que as Nações Unidas deveriam realizar um referendo de autodeterminação no Sahara Ocidental.

Ele apelou à União Europeia para que parasse de negociar com Marrocos em fosfato e peixe, já que eles são roubados à RASD.

Antecedentes

O PREMIUM TIMES em 2015 relatou como a NLC exigiu que Marrocos pusesse fim à sua colonização do Sahara Ocidental.

A República Árabe Saharaui Democrática é um estado parcialmente reconhecido que reivindica o território não governamental do Sahara Ocidental, mas controla apenas um quinto do território.

Marrocos controla e administra o resto do território disputado e chama a essas terras províncias do sul.

Independentemente da influência de Marrocos, a República do Saharaui mantém relações diplomáticas com 84 estados da ONU e é um membro pleno da União Africana.