FUSO envia uma carta ao Conselho de Segurança solicitando uma intervenção imediata e iminente no Sahara Ocidental

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Aos honoráveis membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas

A Fundação do Sahara Ocidental, Instituição de Direito Público, registrada sob o número 06/0119 do Registro de Fundações (CAEx.), E no cumprimento de suas finalidades, entre as quais se destacam os direitos humanos da população saharaui, reconhecidos e declarados Utilidade pública do Estado espanhol, de acordo com a Lei 50/2002 de 26 de dezembro e antes dos últimos acontecimentos, que reproduzem a situação do povo saharaui, em território não autônomo, e para o qual as forças marroquinas usaram a violência indiscriminada contra a população saharaui, em 19 e 20 de julho seguintes, incluindo o uso de fogo real / armas de fogo, canhões de água, gás lacrimogêneo, invasões casa a casa e onde as forças de ocupação realizaram, sequestros, detenções arbitrárias em massa, incluindo a de menores e crianças.

Perante a morte, na madrugada de 20 de Julho, da jovem saharaui Sabah Othman Ahmeida (Injourni), de 24 anos, que, segundo todas as fontes consultadas por esta Fundação, foi atingida por um veículo das autoridades marroquinas e, como consequência, das quais sofreu feridas que lhe causaram a morte.

Denunciamos as graves violações que estão decorrer há décadas e que atualmente são intensificadas. As autoridades marroquinas mobilizaram e deslocaram milhares de membros adicionais da polícia, forças paramilitares e forças auxiliares para impor o cerco e a repressão, aumentando as numerosas tropas das habituais forças de ocupação no território militarmente ocupado.

Na ordem legal, em relação à situação que está a ser vivida, e em relação à Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO), acreditamos que esta está obrigada a cumprir a Resolução 690 da ONU de abril de 1991, que concede, como sabem, a esta missão “amplos poderes e capacidades para monitorizar e proteger os direitos humanos da população civil saharaui nos territórios ocupados por Marrocos”. O atual mandato foi reduzido à vigilância do cessar-fogo, mas a situação atual, e os eventos vividos pela população civil desarmada, é uma clara violação do cessar-fogo, já que civis foram e são atacados, as forças armadas foram mobilizadas e a cidade foi sitiada , com resultados muito graves, de forma massiva e resultado de morte.

Devemos também recordar a Resolução 48/141 da AGNU, que atribui ao Alto Comissário para os Direitos Humanos a responsabilidade de desempenhar um papel ativo na remoção de obstáculos e enfrentar os desafios para a plena realização de todos os direitos humanos e impedir a continuação das violações de direitos humanos em todo o mundo, incluindo o território não autónomo do Sahara Ocidental. E portanto, deve agir com urgência.

Da mesma forma, a AGNU repetidamente reafirmou a sua interpretação do estatuto legal do Sahara Ocidental como um território não autônomo, inclusive na sua resolução 73/107, em que a AGNU reafirma a responsabilidade das Nações Unidas em relação ao povo do Sahara Ocidental.

No quadro que fazemos denunciando esta situação, também os acordos UE-Marrocos incluem cláusulas de direitos humanos que estão a ser sistematicamente e seriamente violadas, decididas e usando meios e enormes quantidades de ativos pelas forças de segurança do Estado marroquino para alcançar esses objetivos. Isto ataca directamente a garantia do direito à autodeterminação do povo saharaui e a realização do referendo acordado em múltiplas resoluções, inclusive a resolução 1514 (XV).

De acordo com as Convenções de Genebra de 1949 e os seus Protocolos Adicionais de 1977, que se aplicam a esta situação de território não autônomo, civis e todas as pessoas que não participam de combate não podem estar sujeitos a ataques sob nenhuma circunstância. e devem ser salvos e protegidos, para que os princípios e normas mais básicos do direito humanitário não sejam violadas.

Por tudo isto, solicitamos a mais iminente e imediata intervenção dentro dos poderes, para que esta situação de violência cesse, que a população civil desarmada do Sahara Ocidental sob a ocupação marroquina seja protegida, e as responsabilidades das autoridades de ocupação marroquinas sejam investigadas, com aplicação dos regulamentos e dos instrumentos internacionais aplicáveis.

José Manuel De la Fuente
Presidente