O PCF pede ao governo francês que pare de encobrir os atos criminosos de Mohammed VI

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Quando a equipa de futebol argelino venceu a Copa Africana das Nações (CAN), milhares de saharauis saíram às ruas de muitas cidades nos territórios ocupados por Marrocos para celebrar o evento mas também denunciar a pilhagem dos seus recursos naturais, desemprego em massa e exigência a libertação de presos políticos, incluindo os de Gdeim Izik.

Em El Aaiun, o exército lançou-se sobre a multidão com veículos. Sabah Othman Omeida, de 23 anos, perdeu a vida, esmagada. No total, há mais de cem feridos e dezenas de prisões. Entre eles, muitas mulheres saharauis cujos rostos são sistematicamente desfigurados com bastões. Nas prisões, tortura e estupro tornaram-se a regra.

A Frente Polisario denunciou esta nova agressão brutal contra civis saharauis nos territórios ocupados.

O PCF condena esses atos bárbaros e pede ao governo francês que pare de cobrir os atos criminosos de Mohammed VI. Paris tem uma pesada responsabilidade por essa violência ao recusar que o Conselho de Segurança da ONU amplie as prerrogativas da MINURSO para a proteção dos direitos humanos nos territórios ocupados. Todos podem medir as consequências trágicas. A extensão ilegal dos acordos comerciais UE / Marrocos no Sahara Ocidental encoraja esta impunidade. França está a bloquear as resoluções da ONU, opondo-se à organização de um referendo sobre a autodeterminação para pôr fim à colonização.

O PCF está unido, nesta provação com o povo saharaui e seu representante, a Frente Polisário.