Representantes da Organização de Direitos Humanos, Sociedade Civil e Grupos de Solidariedade da África instam a ONU para o Referendo do Sahara Ocidental

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Carta Aberta à Presidência de Julho-Agosto do Conselho de Segurança da ONU

Att: H.E. Embaixador Gustavo Meza-Cuadra & H.E. Embaixadora Joanna Wronecka,

Representante Permanente do Peru e da Polônia para as Nações Unidas

Nova Iorque – Estados Unidos da América

Caríssimas Excelências

Como representantes da Organização de Direitos Humanos, Sociedade Civil e Grupos de Solidariedade da África. Escrevemos-lhe com uma firme condenação do cerco em curso no território ocupado do Sahara Ocidental.

Assistimos com grande desdém a uma escalada de actos bárbaros e violentos de violações dos direitos humanos perpetrados contra os cidadãos saharauis pelas forças de ocupação coloniais marroquinas na cidade de El Aaiun em 19 de Julho de 2019. Estes actos de barbárie, tortura e violência humana e a dor perpetrada pelas forças de ocupação marroquinas sobre os cidadãos legais do território ocupado do Sahara Ocidental não é a primeira do seu tipo.

É também com profundo pesar que, enquanto a cidade de El Aaiun e outras cidades saharauis estão sob o cerco das forças de ocupação marroquinas, e a população saharaui está sob ataques selvagens, o Conselho de Segurança das Nações Unidas e as Nações Unidas em geral, e a Comunidade Internacional estão em total silêncio.

No entanto, é uma vergonha para a humanidade global ficar inactiva perante esse nível de maldade humana e abusos dos direitos humanos.

No nosso comunicado anterior, temos repetidamente chamado a atenção do Conselho de Segurança das Nações Unidas para a ausência de um componente de direitos humanos, incluindo um mecanismo de proteção para a população saharaui no território ocupado, a ser incluído no mandato da MINURSO.

Como se pode ver pelas imagens claras vindas da cidade de El Aaiun, até mesmo crianças saharauis inocentes são severa e brutalmente espancadas pelas forças de ocupação marroquinas. E dezenas de cidadãos saharauis, incluindo crianças menores de idade, foram vitimas de detenções arbitrárias.

Basta olhar para o tamanho e o peso dos bastões usados pelas forças de ocupação marroquinas, os efeitos das gás lacrimogêneo, a velocidade dos canhões de água venenosos, a velocidade das balas de borracha e a nitidez das pedras usadas. Não se pode imaginar que a comunidade internacional esteja silenciosa em relação a esse nível de atrocidades.

As forças de segurança marroquinas, nomeadamente polícias, gendarmes e forças paramilitares, são conhecidas pelos frequentes ataques de dia e noite e pela invasão de casas de cidadãos saharauis. Incluindo destruição das propriedades e pertences, ferindo milhares de cidadãos saharauis no processo. Os cidadãos saharauis também não podem ir ao hospital por medo de serem atacados ou detidos no pior dos casos.

Não obstante, lembramos que o foco principal da diplomacia do Governo do Peru é caracterizado por um esforço ativo e comprometido com a paz, estabilidade e segurança globais, todos os valores humanos que podem contribuir para o progressivo do direito internacional.

O respeito total e a promoção do direito internacional, dos direitos humanos e da solução pacífica de controvérsias são componentes historicamente essenciais da política externa do Peru.

Ao contrário, o que está acontecendo no território ocupado do Sahara Ocidental é contra os valores universais, a filosofia do Ubuntu, o Direito Internacional e os direitos humanos.

As ações bárbaras repetidas do governo de Marrocos, suas forças e déspotas, são um golpe para a solidariedade global de uma humanidade comum. Tais acções apenas impedem a MINURSO de cumprir o seu mandato e, consequentemente, colocam todos os progressos no sentido de uma solução pacífica da ocupação marroquina do Sahara Ocidental para parecer desanimadora.

Estamos conscientes do facto de, após o acordo de cessar-fogo de 1991, os cidadãos saharauis do Sahara Ocidental e do governo da Frente Polisario saharaui respeitarem todas as convenções, tratados, acordos e cláusulas relacionados com a jurisprudência do Direito Internacional. Pelo contrário, o governo de Marrocos violou todos os termos e condições das cláusulas com a impunidade do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Infelizmente, é verdade que a comunidade internacional e o Conselho de Segurança das Nações Unidas traíram o povo saharaui. Até agora, o povo sarauí, com a cumplicidade do Conselho de Segurança das Nações Unidas, negou os direitos inalienáveis à autodeterminação, que é uma disposição do direito internacional, bem como um princípio fundamental dos direitos humanos.

Mas, para você, H.E. Embaixador Gustavo Meza-Cuadra, exortamos-o como alguém que demonstrou honestidade e humildade na maneira como você se comporta como um diplomata. Por favor, assista aos vídeos e veja as imagens vindas de El Aaiun. Você vai testemunhar por si mesmo, a dor que não pode ser capturada nesta carta. É deplorável e humilhante porque os acontecimentos de dor desencadeados contra o povo sarauí ocorrem sob os olhos atentos de membros da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO), que continua responsável perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Nós permanecemos certos que, V.Exa.. embaixador Gustavo Meza-Cuadra fara a o necessário para denunciar atos tão graves de barbárie e brutalidade policial cometidos contra a livre vontade do espírito humano saharaui.

Ainda acreditamos que o processo liderado pela ONU é o único caminho justificável para uma solução duradoura. Estamos convencidos de que, durante mais de três décadas de expropriação territorial, a vida em penúria é demais, é tempo de a política global deixar de duplicar as políticas padrão e do dólar e organizar um referendo que possa garantir o direito do povo saharaui à autodeterminação.

Pedimos que use a sua voz e posição no Conselho de Segurança das Nações Unidas para influenciar os seus colegas a começar a preparar o terreno para o referendo. O direito à autodeterminação está consagrado na Carta das Nações Unidas e é a base sobre a qual a missão da MINURSO foi construída.

Atenciosamente,

Signatários

Atabongwoung Gallous – Presidente – Africa Solidarity for Saharaui

Magdalene Moonsamy -Attorney & Presidente – Fundação da Justiça da Mulher

Professor Paul Ntah – Advogados de Direitos Humanos

Reddy Nicolas – Ações na África

Fritz Mabange – uma humanidade

Judith Mah – Jornalista