Condenação sindical internacional da violência marroquina contra a população civil saharaui

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

Condenação da violenta repressão da polícia e do exército do Reino de Marrocos contra a população civil saharaui nos territórios ocupados do Sahara Ocidental

O que aconteceu em El Aaiún em 19 de julho, com a intervenção e os ataques da polícia contra as famílias saharauis que saíram às ruas da cidade de forma pacífica, aproveitando a oportunidade da vitória da Argélia na final da Taça Africana das Nações, para reivindicar o seu direito à autodeterminação e à implementação do referendo, representa uma questão muito séria, de violência e repressão da liberdade de expressão e de livre manifestação. Uma ação repressiva que causou dezenas de feridos e a morte de uma jovem de 23 anos, Sabah Azman Hameida.

Este último episódio de violência e repressão apenas confirma o que foi descrito no recente relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Ohchr), que expressa a sua preocupação com a contínua “tortura e violência, o uso de detenções arbitrárias”. “e a negação dos mais básicos direitos civis e humanos aos presos políticos”, conclamando as instituições marroquinas a assumirem as suas responsabilidades e garantirem o respeito aos direitos humanos e à liberdade de expressão de todas as pessoas, sem discriminação.

Não é com violência e repressão que a paz, a segurança e a convivência entre as diversas comunidades da região serão alcançadas. Apenas no que diz respeito aos direitos humanos e ao direito internacional, é possível alcançar resultados duradouros e estabilidade na região do Magrebe, através do respeito, do diálogo e da negociação entre as partes. Somente com o cumprimento da legalidade internacional, as Resoluções das Nações Unidas e com a realização do referendo de autodeterminação acordado pelas partes, esse conflito poderá ser resolvido.

Os sindicatos signatários, que sempre se comprometeram com a paz e o respeito pelos direitos humanos, condenam o uso da violência e a repressão da polícia e do exército marroquinos contra a população civil saharaui e exigem às autoridades do Reino de Marrocos a investigar e punir os responsáveis ​​por estas ações e a morte de Sabah Azman Hameida, bem como solicitamos que a liberdade de expressão seja garantida a toda a população, e respeito pelos direitos humanos dos detidos e julgamentos justos.

Pedimos à União Europeia e à comunidade internacional que tomem medidas eficazes e de pressão contra o Estado marroquino para pôr termo à repressão da população saharaui. Ao mesmo tempo, acreditamos que a Missão das Nações Unidas no Sahara Ocidental (MINURSO) deve incluir a monitorazação e a defesa dos direitos humanos nas suas funções para garantir o cumprimento no território e impedir a ocorrência de eventos como os denunciados aqui.

Os abaixo assinados

31 de julho de 2019

Sinal: CGIL (Itália), CCOO (Espanha), UGT (Espanha), CGT (França), USO (Espanha), Confederação Intersindical (Espanha), Intersindical Alternativa da Catalunha, CGTP-IN (Portugal)