O Comitê Contra a Tortura visitará Marrocos após as represálias contra o Sr. Asfari e alerta para as condições deploráveis ​​da detenção de Abdallah Abbahah.

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês) العربية (Árabe)

PUSL.- O Comitê contra a Tortura em 6 de agosto discutiu o acompanhamento das observações conclusivas, comunicações individuais e represálias sob a Convenção contra a Tortura e outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes.

A relatora para o seguimento das represálias, Ana Racu, informou que a comissão se reuniu com a Missão Permanente de Marrocos. A Relatora disse que a Comissão solicitou repetidas vezes ao Estado Parte que emitisse medidas provisórias para aliviar as condições deploráveis ​​de Abdallah Abbahah. A advogada do Sr. Abbahah, Maitre Olfa Ouled apresentou uma queixa individual do seu caso contra Marrocos, que recebeu medidas provisórias imediatas em maio de 2018, solicitando medidas alternativas imediatas para a detenção, tais como prisão domiciliar vigiada, cessação de todos os maus-tratos e acesso a um médico à sua escolha. Marrocos não cumpriu nenhuma das medidas provisórias.

A relatora afirmou que o caso Abbahah contra Marrocos foi considerado em 5 de agosto de 2019 no plenário e que o Comité emitiu repetidamente um pedido de medidas provisórias para aliviar as condições deploráveis ​​do queixoso. Como a comissão adoptou uma decisão de admissibilidade sobre a queixa individual, a comissão reiterou o anterior pedido de protecção do queixoso, que a relatora espera “poder ser respeitado, tendo em conta a decisão de admissibilidade da comissão e também o facto de uma reunião com a missão permanente de Marrocos “.

No caso Naama Asfari contra Marrocos, Ana Racu lembrou à comissão que a recomendação anterior sobre este caso é manter o diálogo de acompanhamento em andamento para melhorar o processo de implementação da decisão sobre este caso, e portanto a comissão decidiu incluir este caso no relatório anual da comissão, solicitar uma reunião com a Missão Permanente e manifestar interesse em monitorar o acompanhamento do caso realizando uma visita ao Marrocos.

Lembramos que a interdição de represálias contra Naama Asfari e a sua Família devido à apresentação de uma queixa individual até agora não foi respeitada por Marrocos e que a sua esposa, Claude Mangin, foi recentemente proibida de entrar em Marrocos para visitar o seu marido.

A relatora também informou que a comissão terá que avaliar o nível de implementação das suas decisões muito em breve sobre os casos contra o Marrocos.