Comunicado da Família de Abdallah Abbahah preso político saharaui do grupo Gdeim Izik

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês) العربية (Árabe)

Família de Abdallah Abbahah – PUSL .- Depois de visitar hoje Abdallah Abbahah, que está em isolamento solitário prolongado desde a sua transferência para a prisão Tiflet2 em 7 de maio de 2018 e de acordo com seus desejos, informamos que Abdallah Abbahah fez uma greve de fome de 48 horas em 16 e 17 de setembro pelos seguintes 5 motivos:

1. Nenhuma das reclamações que ele apresentou às autoridades marroquinas sobre as condições deploráveis ​​do seu encarceramento foi respondida. As suas condições também foram mencionadas pela relatora especial de represálias (Sra. Ana Racu) do Comitê das Nações Unidas contra a Tortura

2. Várias vezes foram realizadas análises ao sangue sem que ele fosse informado do motivo destas análises, nem nunca obtivesse nenhum resultado desses testes. O seu médico não pode visitá-lo, apesar das medidas provisórias emitidas pelo Comitê das Nações Unidas contra a Tortura exigirem o seu direito a um médico à sua escolha

3. Embora ele tenha um grave problema de saúde, nenhum médico o visitou, embora ele tenha pedido repetidamente assistência médica e o Comitê da ONU contra a Tortura tenha emitido Medidas Provisórias exigindo o seu direito a um médico de sua escolha.

4. Ele repetidamente pediu para ligar para a sua advogado de defesa, Maître Olfa Ouled, mas foi-lhe negado o direito básico de todos os prisioneiros de se comunicar com o seu advogado, mesmo depois que o Comitê das Nações Unidas contra a Tortura emitir medidas provisórias exigindo o seu direito de se comunicar com seu advogado.

5. Ele exige novamente ser transferido para uma prisão perto da sua cidade natal, El Aaiun, como também foi uma das medidas provisórias emitidas pelo Comitê da ONU contra tortura.

A saúde de Abdallah Abbahah e as lamentáveis ​​condições de detenção são contrárias tanto ao direito marroquino quanto ao internacional. A deterioração da condição de Abbahah é da responsabilidade do estado marroquino.