CÁDIZ SEDE DA II JORNADA DE MUNICIPALISMO RELATIVA AO PROCESSO DE DESCOLONIZAÇÃO DO SAHARA OCIDENTAL.

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

diariobahiadecadiz.com.- A contribuição do município de Cádiz para a causa saharaui “como um grito contra a indiferença”, em debate Numa conferência em Cádiz

Cádiz abriga a segunda conferência sobre municipalismo sobre o processo de descolonização do SaHara Ocidental. Um evento promovido pela Câmara Municipal, que dá continuidade ao espaço de reflexão aberto em 2018. Continuar a aprofundar a cooperação com os campos de refugiados saharauis, entre os principais pontos da reunião, que é mais uma vez o “orador das reivindicações da liberdade” e independência justa e necessária “.

A sede da Fundação Municipal da Mulher, na Plaza del Palillero de Cádiz, realizou na terça-feira a segunda conferência sobre municipalismo no processo de descolonização do Sahara Ocidental. Evento que dá continuidade ao espaço de reflexão aberto em 2018 , também na capital de Cádiz, na qual uma dúzia de representantes participou e discutiu a situação económica, legal e social dos campos de refugiados saharauis.

O presidente da Câmara José María González ‘Kichi’, na inauguração do evento, valorizou o município como uma “ferramenta de resistência e vanguarda” para “gritar contra a indiferença e a criminalização”, como uma ferramenta para “apoiar e combater a descolonização” do povo saharaui, um povo que não se quer resignar à injustiça e que reivindica um futuro “.

Juntamente com o presidente da Câmara de Cádiz, a presidente da Câmara de Puerto Real, Elena Amaya, e o governador de Dajla, Salek Baba Hasena, presidiram à inauguração. O evento foi promovido pela Câmara Municipal de Cádiz, juntamente com a federação provincial de associações de solidariedade com o Sahara Ocidental (FeCádiz) e a Universidade de Cádiz.

O evento reúne mais de uma dúzia de membros de diferentes municípios da província com representantes do governo da República Árabe do Saharaui para falar sobre a contribuição do municipalismo de Cádiz para a causa e os próximos desafios. “Queremos criar um espaço para refletir sobre as experiências vividas pelas diferentes administrações que mantêm colaboração com os campos de refugiados saharauis e que isso incentiva outros a participarem dessas iniciativas”.

Assim, como relatado pelo DIARIO Bahía de Cádiz, o evento teve uma mesa de discussão com a participação de municípios, instituições públicas, UCA, associações e uma delegação saharaui. Além disso, um jaima foi instalado durante todo o dia com uma exposição organizada pela Liga Estudantil Saharaui na Plaza de El Palillero.

“FORTALECER A COLABORAÇÃO ENTRE OS IRMÃOS”

O presidente da Câmara de Cádiz apelou a todas as pessoas que participam desta iniciativa “para que sejam a vanguarda e não se conformem, e que exijam que o governo espanhol reconsidere a sua posição com um Estado saharaui necessário e futuro”. Nesse sentido, ele garantiu que “devemos pressionar e adotar um papel principal como elo de transmissão das solicitações de solidariedade que as pessoas exigem”.

Diante dos estados “, que se movem entre interesse e oportunismo”, acrescentou, “o povo estabelece as suas muralhas e cercas com a sua solidariedade”. Assim, ele deu como exemplo o investimento feito pela Câmara Municipal por meio de Águas de Cádiz e Eléctrica de Cádiz para um novo sistema de eletrificação no hospital de Dajla: “Com esse investimento, oferecemos condições decentes neste espaço sanitário para profissionais e pacientes de Dajla. mas também tem sido motivo de orgulho para todos os habitantes de Cádiz que se sentiram cúmplices nas reivindicações da República saharaui “.

González Santos também destacou a necessidade de “continuar a realizar estas conferências para repensar e fortalecer a colaboração entre os povos irmãos, avançar em solidariedade e, acima de tudo, transmitir e ser um orador de justas reivindicações e necessária liberdade e independência”.

Por outro lado, a prefeita socialista de Puerto Real, Elena Amaya, enfatizou que o compromisso político e humanitário “tem que andar de mãos dadas” e afirmou que “esse compromisso deve ir além da prefeitura, da província e da Andaluzia, tem que vir do estado espanhol “.

O governador de Dajla, Salek Baba Hasena, alertou que “estamos passando por um momento difícil desde que o enviado especial encarregado das negociações com o governo de Marrocos acaba de ser retirado” e a isso se juntam “o Conselho de Segurança que emitiu uma resolução mantendo o mesmo nível de pressão sobre o povo saharaui “; Por isso, realçou a necessidade de “chegar a um acordo”.