Activista saharaui detida e agredida durante o julgamento do seu primo menor

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- A activista saharaui Mahfouda Elfakir, foi detida na manhã de sexta-feira dia 15 no tribunal de El Aaiun, Sahara Ocidental ocupado onde assistia ao julgamento do seu primo Mansour Elmoussaoui de 15 naos de idade, que foi condenado a 1 mês de prisão. Mansour foi detido no passado dia 28 de Outubro sendo acusado de participar nas comemorações da vitória da equipa Argelina na Copa de África,

A jovem mãe de família membro da associação “Coordenadora de Gdeim Izik” e da Associação de Direitos Humanos Marroquina foi detido dentro da sala onde decorria o julgamento sob o pretexto de ter “agredido um funcionário” quando perguntou algo sobre o processo do seu primo.

Ao recusar-se a subir para dentro de uma furgoneta de transporte de presos de delito comum, todos homens, foi espancada à frente de todos os que estavam no julgamento de forma brutal.

Mahfouda foi presente ontem, sábado pelas 10h00 ao procurador do Rei, sem presença de advogado, que a enviou para a Prisão Negra de El Aaiun. Na esquadra onde esteve detida antes de ser presente ao Procurador não deixaram a família entregar os medicamentos que tem que tomar diariamente e apenas teve a visita de um irmão. Mahfouda tem um quisto na cabeça e aguarda ser chamada para uma cirurgia há vários meses.

Ontem o pai da jovem, Bomba Lefkir, recebeu um telefonema de um responsável da prisão negra a solicitar os nomes dos medicamentos que Mahfouda tem que tomar. Segundo informou o responsável da prisão Mahfouda sentiu-se muito mal tiveram que chamar uma ambulância. Foi-lhe administrada uma injecção mas sem ter em consideração nem conhecimento sobre o seu estado de saúde. O responsável da prisão apenas ligou ao pai de Mahfouda após a jovem ter sido injectada para saber se tomava algum medicamento e qual o seu problema de saúde.

Mahfouda é uma activista conhecida e tem estado na mira da policia marroquina há muito tempo. A activista saharaui tem sido alvo de várias agressões por parte das autoridades marroquinas nas manifestações pacificas em que participa regularmente exigindo a libertação dos presos políticos e a independência do Sahara Ocidental.

A familia de Mahfouda está alarmada com o estado de saúde da jovem que foi violentamente agredida, injectada sem qualquer cuidado e desconhecimento total do seu quadro clinico por parte do pessoal da ambulância e sem poder contactar nem família nem advogado até à próxima quarta-feira devido aos feriados em El Aaiun.