Condições de detenção de Mahfouda, activista Saharaui, violam as Regras Mínimas da ONU para o Tratamento de Reclusos

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- Mahfouda Lefkir recebeu hoje a visita do Pai e dos seus filhos. A jovem mãe e activista saharaui está detida desde dia 15 de Novembro (ver noticia aqui).

Segundo o Sr. Bomba, pai de Mahfouda, as condições de detenção a que está sujeita não correspondem as regras Nelson Mandela – RNM (Regras Mínimas da ONU para o Tratamento de Reclusos).

Para além de continuar com vertigens fortes e fortes dores de cabeça resultantes não só da condição médica anterior mas também do ataque e espancamento recebido pelos guardas quando a retiraram do Tribunal e a forçaram a entrar numa carrinha de presos de delito comum masculinos.

A medicação que necessita tomar diariamente é sob forma de gotas que têm que ser misturadas com água. Os guardas que agora já lhe dão a medicamentação não preparam a mistura à sua frente e Mahfouda recusa-se a tomar o copo de água lhe dão visto não confiar nos guardas.

Mahfouda comparte a cela onde se encontra na prisão Negra de El Aaiun, com duas presas de delito comum, o que é contrário ao artigo 11, alínea 3 das RNM.

A activista saharaui dorme no chão o que também é contrário ao artigo 21 das RNM.

A cela está infestada e sem a higiene mínima em violação do artigo 17 das RNM.

A comida fornecida é insuficiente tanto em quantidade como em nutrientes básicos violando o artigo 22 das RNM.

No próximo dia 27 será o julgamento da jovem activista no Tribunal de El Aaiun.