Manifestantes preparam flotilha de protesto para receber navio de carga carregado de fosfato que chega a Christchurch

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

stuff.co.nz – PUSL.- Os manifestantes estão a planear uma flotilha no porto de Lyttelton, Nova Zelândia, para protestar contra um navio que transporta fosfato do Sahara Ocidental por Ravensdown Fertilizer.

Um sindicato dos trabalhadores portuários tem preocupações com a segurança e está desapontado porque o protesto alternativo propostos, uma carta entregue à tripulação do navio, foi rejeitada pela empresa importadora, a Ravensdown.

Ravensdown afirma que está a negociar legalmente e dentro das expectativas das Nações Unidas.

O navio Federal Crimson deve chegar a Lyttelton no início de dezembro, transportando 51.000 toneladas de rocha fosfática, depois de parar no porto de Napier de 30 de novembro a 1 de dezembro.

Três dessas remessas chegam anualmente. O fosfato é a carga da OCP o exportador marroquino de fosfato até ser descarregado.

Grande parte do suprimento mundial de fosfato vem do Sahara Ocidental, um território amargamente disputado colonizado por Espanha, mas invadido por Marrocos em 1975. O povo saharaui considera o fosfato roubado.

Refugiados do conflito de longa data já tinham pedido à primeira-ministra Jacinda Ardern que parasse o comércio da Nova Zelândia com Marrocos importando fosfato roubado.

O grupo de intervenção “Ravensdown Take Em Down Otautahi” está a planear uma “flotilha da paz” para receber o Federal Crimson.

A organizadora Josie Butler disse que o grupo se inspira nos movimentos livres de armas nucleares e esquadrões de paz dos anos 80.

O grupo avisou as autoridades com bastante antecedência e tinha informado a Guarda Costeira.

O organizador da União de Sindicatos Marítimos e Ferroviários da Ilha do Sul, John Kerr, disse que o sindicato fez um pedido à empresa Ravensdown para que os seus membros do sindicatos embarcassem no navio e entregassem uma carta de protesto, mas esta proposta foi recusada.

Ele acredita que isso “apaziguaria aqueles comprometidos com táticas mais radicais e perturbadoras” – uma opinião compartilhada por Butler, que disse que se a carta tivesse sido permitida, o seu protesto seria menos perturbador.

Kerr disse que havia alguns receios de saúde e segurança.

Os membros do sindicato que se opusessem moralmente a descargar a carga teriam que trabalhar e tecnicamente poderiam ser demitidos se recusassem turnos, disse ele.

A carga era legal, mas isso não ultrapassa as questões morais, disse Kerr.

“Havia um tempo em que os escravos eram carga legal”.

O gerente de comunicações do grupo Ravensdown, Gareth Richards, disse que era uma “disputa geopolítica complexa”.

“Nossa política continua a incentivar a ONU a empreender todos os esforços para uma solução política da disputa, fazer o possível para explorar fontes adicionais de rocha fosfática e continuar a incentivar o OCP [exportadores marroquinos de fosfato] a fazer o que poder pela população local”