Marchamos em solidariedade com as mulheres saharauis

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) Français (Francês)

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES.- Há quarenta e cinco anos, o Sahara Ocidental foi ocupado por Marrocos, com a ajuda do governo espanhol – que abandonou sua então colónia, colaborou com a invasão e, até hoje, cede à chantagem do reino marroquino para não devolver a terra que foi roubado para ao povo saharaui.

Há 45 anos, o povo saharaui luta para libertar o seu território. Agora, Marrocos quer estender essa pilhagem ao mar. Em janeiro de 2020, o Parlamento marroquino votou para estender as suas águas territoriais ao redor das Ilhas Canárias. Trata-se de uma manobra expansionista para roubar os saharauis da sua parte do mar e dos seus recursos pesqueiros, depois de roubar outros recursos naturais: na região invadida por Marrocos existem minas de fosfato, utilizadas nos fertilizantes químicos que apoiam a agricultura industrial da revolução verde.

Nestes mais de 45 anos, as mulheres saharauis resistiram corajosamente ao lado do seu povo na sua luta pela libertação e mantiveram a sua dignidade, desafiando todos os tipos de tortura, detenções, assédio, difamação e as prisões do governo marroquino. O povo saharaui vive dividido em seu próprio território, o Sahara Ocidental. É separado por um muro de 2.700 km de comprimento construído por Marrocos, que os saharauis chamam “muro da vergonha”, equipado com todo o tipo de armamento militar. E outra parte da população saharaui vive em condições subumanas no exílio, nos campos de refugiados no sul da Argelia, graças à ajuda humanitária e à solidariedade.

Nós, Marcha Mundial das Mulheres, apoiamos a causa saharaui. “As mulheres do Sahara Ocidental são um exemplo da luta contra as guerras imperialistas e contra o capitalismo que divide o mundo como mais um negócio para o enriquecimento das elites e um exemplo de como a vida e as ações das mulheres se tornam resistência e defesa do presente e do futuro da sociedade”, afirmou uma declaração de março de 2017. Em 2020, reiteramos isso mesmo.

No dia 18 de fevereiro, Dia da Mulher Saharaui, comemoramos mais uma vez um dia de solidariedade com as mulheres da República Árabe Saharaui Democrática. Expressamos o nosso reconhecimento e admiração pela força e firmeza com que lutam há décadas.

Exigimos mais uma vez que os Estados espanhol e marroquino assumam a responsabilidade política pela ocupação ilegal das terras saharauis. Exigimos mais uma vez que Marrocos se retire dos territórios ocupados e exigimos liberdade para as mulheres e para o povo saharaui.

A luta saharaui, durante estes 45 anos, não teria sido possível sem as mulheres. Nós, que marchamos contra o racismo, por uma sociedade sem muros e pela autodeterminação dos povos, construindo dia a dia um feminismo internacionalista, popular e militante, as saudamos. E continuaremos marchando até estarmos todos livres!

Resistimos a viver, marchamos para transformar!