Marrocos continua a violar o Direito Internacional e abre mais um consulado ilegal no Sahara Ocidental

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- Na sexta-feira, 28 de fevereiro, o Djibuti abriu o seu consulado geral em Dakhla, Sahara Ocidental. Mais um acto ilegal patrocinado pelo Reino de Marrocos que ocupa o território ilegalmente e convida países africanos desesperados a violar a lei.

O próprio ministro das Relações Exteriores do Marrocos, Nasser Bourita, participou na cerimónia de abertura com o embaixador do Djibuti em Marrocos, Ibrahim Bileh Doualeh.

O consulado de Djibouti é o terceiro consulado ilegal em Dakhla, depois da Guiné Conacri e Gâmbia.

Em El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupado, foram abertos consulados ilegais pelo Burundi, República Centro-Africana, São Tomé e Príncipe, Gabão, Comores e Costa do Marfim.

Marrocos tem como alvo países em extrema pobreza, à beira de uma guerra civil ou com outros problemas internos e oferece “cooperação econômica” em troca do apoio à ocupação ilegal do Sahara Ocidental.

Djibuti é outro caso de uma economia extremamente fraca, sem recursos naturais e dependendo principalmente da sua situação geográfica com um porto com localização estratégica. A percentagem da população que vive abaixo da linha da pobreza é impressionante.

Infelizmente, os líderes desses países estão dispostos a violar a lei e a contrariar o direito humanitário, as resoluções da ONU, bem como o acto constitutivo e as resoluções da União Africana.

Nenhum desses países possui um número populacional nos territórios que justifique a abertura de consulados. Esta é mais uma manobra marroquina para “marcar o território” como um cão, mas está longe de ter validade legal e só revela o seu desespero diante da população saharaui que não quebra a sua vontade de independência e liberdade.