Vídeo contradiz a justificação de Marrocos de espancamento brutal no Sahara Ocidental

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)


Um vídeo perturbador mostra a polícia marroquina a espancar brutalmente dois homens saharauis, refutando a justificação do incidente pelo governo marroquino. 

Por Sarah Cahlan y Elyse Samuels – washingtonpost.com

A equipe de vídeos do “Fact Checker” lançou uma minissérie de três partes focada em histórias de todo o mundo, onde as informações on-line afetavam comunidades e pessoas na vida real.

O nosso primeiro episódio visitou o Gabão, país da África central , onde um presidente desaparecido e um vídeo suspeito ajudaram a desencadear uma tentativa de golpe. O segundo episódio levou-nos ao sul da Índia, onde informações erradas no WhatsApp levaram a um ataque fatal da multidão.

O episódio final leva-nos ao disputado território africano do Sahara Ocidental, onde um vídeo contradiz a justificação do governo marroquino em espancar brutalmente dois homens. (O governo marroquino chama a área Sahara Marroquino ou Províncias do Sul.

Os factos

Raízes do conflito

A maioria das pessoas fora da região geralmente desconhece esta disputa no extremo oeste do norte de África, pelo que primeiro fornecemos um pouco de história e contexto sobre este conflito tenso.

O Sahara Ocidental é um território na costa noroeste da África, na fronteira com Marrocos, Mauritânia e uma parte  da Argélia, com uma população de mais de 600.000 habitantes. Marrocos alega que tem laços históricos com a região, mas há uma longa disputa sobre quem tem direitos.

“O Sahara é historicamente conhecido como parte do Marrocos, que várias das suas dinastias dominaram”, disse Tajeddine El Husseini, professor de direito econômico internacional marroquino. No entanto, existem pontos de vista diferentes sobre a legitimidade da reivindicação de Marrocos à região.

“Durante séculos, as dinastias marroquinas tentaram controlar, influenciar ou pelo menos tributar as áreas que se tornariam o Sahara Ocidental”, disse o professor de estudos islâmicos do Oriente Médio  da Universidade Colgate, Jacob Mundy, ao Fact Checker. Segundo Mundy, eles não tiveram sucesso.

No final de 1800, a Europa colonizou grande parte da África, período em que a Espanha assumiu o controle do Sahara Ocidental e a França assumiu o controle de Marrocos. Em 1956, o Marrocos conquistou a sua independência de França e rapidamente invadiu o Sahara Ocidental. Essa pressão acabou a empurrar a Espanha para fora da região após duas décadas de luta. No vácuo de poder, Marrocos, Mauritânia e Polisario, um movimento pró-independência, lutaram pelo Sahara Ocidental. A Mauritânia finalmente renunciou à sua reivindicação e apoiou a Polisario. Depois disso, o governo marroquino e a Polisario lutaram pelo território até que as Nações Unidas intermediasse um cessar-fogo em 1991.

As partes concordaram com um referendo em que as pessoas no Sahara Ocidental votariam pela independência ou autoridade marroquina. Mas a votação nunca aconteceu – principalmente porque houve um desacordo sobre quem poderia votar.

De 1980 a 1987,  Marrocos construiu um muro de areia que percorre toda a extensão do território e separa as forças opostas. Marrocos controla três quartos da área, a oeste do muro. Os saharauis – um grupo étnico indígena do Sahara Ocidental e arredores – vivem principalmente em áreas controladas por marroquinos ou em campos de refugiados da Argélia.

Eles ainda estão à espera do referendo.

Marrocos e os saharauis

Marrocos mantém uma forte presença de segurança nas regiões que controla. Muitos saharauis dizem que vivem sob opressão. “Os saharauis foram deslocados e tornaram-se refugiados. Nas cidades ocupadas, sofrem a presença militar, o cerco; todas as suas liberdades são reprimidas ”, disse uma ativista saharaui.

Husseini discorda e ofereceu um ponto de vista amplamente aceite em Marrocos: “O mito da hegemonia ou subjugação da população não existe porque não há pessoa com maior liberdade de expressão, movimento, afiliação e crença em partidos políticos do que os saharauis”.

Apesar de relatos conflitos sobre como os saharauis são tratados, um blackout da comunicação social abrange a região, dificultando ao resto do mundo saber como é a vida no Sahara Ocidental. No entanto, alguns ativistas publicam vídeos e fotos nas redes sociais. A evidência visual que rompe o bkackout da comunicação social geralmente mostra violações dos direitos humanos contra os saharauis.

Em Smara, uma cidade governada por marroquinos no Sahara Ocidental, há ativistas pró-independência que protestam online contra a autoridade marroquina, em comícios e em tribunais.

Walid Elbatal identifica-se como ativista de reportagem- alguém que filma e envia vídeos e fotos da violência policial marroquina online. Amigos e parentes afirmam que,  ele é bem conhecido pelas autoridades marroquinas – tanto que os seus movimentos são vigiados. Muitos ativistas saharauis afirmam estar sob vigilância marroquina, razão pela qual ativistas e jornalistas saharauis não colocam os seus nomes nos seus trabalhos.

Um espancamento brutal

A 7 de junho 2019, Elbatal compareceu numa recepção pela libertação do prisioneiro político saharaui Salah Lebsir. Os seus amigos disseram que Elbatal foi reportar o evento para a página local pró-independência, Smara News. No Sahara Ocidental, é costume os saharauis celebrarem a libertação de activistas com uma recepção. As autoridades marroquinas geralmente barricam esses eventos. Vídeos e fotos verificados mostram que nesta recepção em particular, a polícia cercou a casa de Lebsir.

O que seria um dia feliz rapidamente se tornou violento quando a polícia espancou e prendeu Elbatal e dois outros homens.

“No momento em que pisei a casa da minha família, ouvi os gritos dos saharauis que estavam do lado de fora”, disse Lebsir. “Houve cantos e notícias sobre a prisão. Era uma atmosfera de alegria, mas também de tristeza. A alegria de finalmente abraçar a liberdade misturada com a tristeza pela prisão dos jovens saharauis. ”

Um vídeo perturbador mostra Elbatal e outro homem – Mohamed El Ghazal – arrastados do carro e espancados pela polícia marroquina a alguns quarteirões das comemorações.

As autoridades marroquinas justificaram o incidente alegando que o carro de Elbatal colidiu com veículos da polícia e que Elbatal resistiu à prisão. Portanto, eles dizem que a polícia usou a força necessária.

A evidência não suporta a reivindicação.

Em colaboração com o Laboratório do Centro de Direitos Humanos da UC Berkeley, o Fact Checker confirmou a autenticidade do vídeo comparando pontos de referência no vídeo com imagens de satélite do Google Earth. O vídeo foi gravado a 9 de junho 2019, a alguns quarteirões da recepção de Lebsir. Há muitas características que sugerem que os homens que espancavam Elbatal eram policiais à paisana. Elbatal estava cercado por veículos da polícia, um homem usava um capacete da polícia e, no final do vídeo, um dos homens acompanha uma mulher do veículo em que Elbatal estava dentro de um carro da polícia.

Salem Mayara é amigo de Elbatal e diz que estava no telhado de um prédio próximo quando o carro de Elbatal foi parado. “Um carro pertencente às autoridades marroquinas, com policias vestindo roupas civis, cercou o carro em que Walid estava”, disse.

Bishraya Wild Al-Bukhari, outro amigo de Elbatal, disse que estava por trás da pessoa que filmou o vídeo da agressão de Elbatal. “Eles puxaram Walid pela janela do carro”, disse ele. Depois que eles arrastaram Walid e espancaram-no. Eles  espancaram-no como alguém que acabou de encontrar uma cobra e está a tentar matá-la.

A polícia prendeu Elbatal e Ghazal. “Eles nosespancaram e  torturaram-nos, e depois nos levaram à esquadra”, disse Ghazal ao Fact Checker. “Eles espancaram-nos e nós desmaiamos – eu desmaiei; quando acordei, estava  no hospital. ”

Documentos do tribunal mostram que Elbatal e Ghazal foram levados para um hospital após a sua detenção. As autoridades marroquinas alegaram que os homens foram levados ao hospital por causa dos ferimentos sofridos ao colidir com barreiras policiais e resistir à detenção.

“Chegamos ao hospital, e estavamos algemados. Roupas rasgadas, os  seus corpos … podíamos ver sinais de tortura nos seus rostos, costas, pernas … eles estavam a sangrar. A polícia nem nos permitiu falar com eles ou  aproximar-nos. Nós olhamos de longe ”, disse o pai de Elbatal, Salk Elbatal.

Elbatal foi acusado de crimes como obstrução de tráfego, ameaça e dano a funcionários públicos e porte de arma. O tribunal condenou-o a uma sentença de seis anos de prisão. Ele recorreu da decisão e a sua sentença foi reduzida para dois anos.

Consequências

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos das Nações Unidas solicitou uma investigação sobre o caso de Elbatal, levantando preocupações sobre os abusos dos direitos humanos. O governo marroquino, que não atendeu aos nossos pedidos de entrevista, respondeu numa carta em fevereiro. As autoridades responderam que o promotor público havia aberto uma investigação em andamento sobre as circunstâncias que cercavam a prisão, mas rejeitou todas as alegações de abuso.

Os oficiais afirmaram que o carro Elbatal colidiu intencionalmente com veículos da polícia e que Elbatal empunhava armas. O Fact Checker não encontrou nenhuma evidência visual de armas usadas por Elbatal. E em relação  à colisão, Elbatal e seus amigos dizem o contrário – que veículos da polícia encurralavam e batiam no carro em que Elbatal estava.

“O [veículo da polícia] colidiu com o carro de Walid pelo lado. O objetivo era bloquear o carro, imobilizá-lo completamente ”, disse Mayara.

A frente do carro que transportava Elbatal não foi danificada, como visto em fotos publicadas num canal de notícias marroquino e no vídeo da agressão. Isso significa que é improvável que Elbatal e seus amigos batem-se no veículo da polícia. De facto, a frente do carro da polícia e o lado esquerdo do carro em Elbatal estavam danificados, apoiando as alegações de testemunhas oculares.

Elbatal está a cumprir a sua sentença e Ghazal está escondido.

Conclusão

A história de Elbatal é representativa de muitas outras pessoas no Sahara Ocidental. “Não são apenas Walid e seus amigos”, disse Lebsir. “Há muitos detidos políticos além deles que estão dentro das prisões de ocupação marroquinas.”

O Fact Checker obteve vários vídeos verificados pelo laboratório de direitos humanos das autoridades marroquinas, intimidando, empurrando, dando ponta-pés e apedrejando saharauis. Os vídeos geralmente são postados por meios de comunicação pró-independência, aplicativos de mensagens ou páginas de comunicação social, mesmo que os ativistas saibam que podem sofrer retaliação por parte do governo marroquino.

“Estou a falar consigo  mesmo sabendo que é perigoso. Mas está tudo bem – é quase como se isso se tornasse a norma ”, disse Bukhari quando perguntado por que estava a falar com jornalistas estrangeiros. “Se está escrito que  nós temos que ser detidos e ir a prisão, se está escrito que temos que  morrer, que assim seja.”

O que aconteceu com Elbatal ilustra até que ponto o governo marroquino exerce controle sobre seus territórios e saharauis no Sahara Ocidental. Mas vídeos e ferramentas forenses tornam mais difícil que os governos continuem a cometer esses abusos sem controle.