ONG francesa MRAP dirige-se ao Ministro dos Negócios Estrangeiros para intervir na libertação de presos políticos em Marrocos

PUSL.- A ONG francesa MRAP (Movimento contra o Racismo e a Amizade entre os Povos) enviou uma carta, a 28 de abril, ao Ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, alertando para a situação dos presos políticos marroquinos e saharauis em Marrocos

O MRAP escreveu ao Ministro das Relações Exteriores da França descrevendo a situação dos presos políticos nas prisões marroquinas que sofrem condições de vida ainda mais perigosas devido à disseminação do Covid-19 e pedindo a Le Drian “que intervenha junto das autoridades marroquinas para que liberte imediatamente os presos politicos marroquinos e saharauis detidos em prisões marroquinas e pôr termo à sua política de repressão contra movimentos populares em Marrocos e no Sahara Ocidental “.

“São locais de alto risco onde os detidos, muitas vezes vítimas de maus-tratos e tortura, são expostos à contaminação. Para evitar o contágio, mais de 5.600 presos comuns foram libertados por perdão pelo chefe de estado. Mas todos os detidos políticos e de opinião, membros do movimento popular Rif (Hirak), condenados a penas pesadas de prisão após julgamentos injustos, permanecem detidos. Os presos políticos saharauis estão em grave perigo, principalmente devido ao seu estado de saúde muito degradado após a tortura, mas também devido à discriminação no acesso aos cuidados de saúde “.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, recomendou a 3 de abril a libertação de “detidos administrativos e detidos arbitrariamente devido ao seu trabalho político e de direitos humanos”.

Associações de direitos humanos em Marrocos e advogados exigiram “a libertação imediata de todos os detidos políticos e de opinião em Marrocos”.

A MRAP foi criada em 1949, é uma Associação Nacional de Educação Popular, organização não governamental com status consultivo para as Nações Unidas, membro da Comissão Consultiva Nacional Francesa de Direitos Humanos e possui credencias de educacional nacional.