10 de maio, nascimento da Frente POLISARIO

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- A Frente POLISARIO é um movimento de libertação nacional, não é um partido politico e não é um governo. É o legitimo representante do povo saharaui até que este alcance a sua independência. É necessário recordar este facto devido à sua importância. A Frente POLISARIO faz hoje 47 anos de existência. O desgaste da luta armada, mas ainda mais, o de um Paz que não é paz para os Saharauis, é um enorme fardo que a Frente POLISARIO tem conseguido suportar e superar.

As tentativas várias de Marrocos de denegrir a imagem da Frente POLISARIO tem um grande objectivo: deixar de ter um interlocutor legitimo na arena internacional.

Marrocos tenta por em causa a legtimidade da representação da Frente POLISARIO tanto a nivel internacional como com interferências internas e apoio a “dissidentes” e “vendidos”. Uma técnica antiga, mais antiga que o império Romano.

A união do povo saharaui, e o facto da Frente POLISARIO com todos os problemas derivados de um conflicto de quase 50 anos, continuar a ter o apoio do seu povo é uma pedra do tamanho de uma montanha no sapato de Marrocos.

Frente Polisario – Antecedentes históricos e fundação da Frente POLISARIO

Umdraiga.com.- As mudanças socioeconômicas que ocorreram no Sahara espanhol durante os anos 60 do século passado, levaram ao surgimento do nacionalismo moderno saharaui, com base na consciência nacional e não no tribalismo; com base em argumentos políticos e não sentimentos religiosos.

Nos primeiros anos da década, os nacionalistas formaram diversos agrupamentos políticos, mas nenhum deles teve influência decisiva sobre a população. Somente em 1967, um intelectual, Mohamed Sidi Ibrahim “Bassiri”, conseguiu reunir em torno dele um punhado de partidários da independência e, no ano seguinte, fundou o Movimento para a Libertação do Sahara (MLS).

Em suma, esta organização clandestina já contava com centenas de militantes e começou a influenciar a população saharaui.

O MLS liderado por Bassiri promoveu a demanda pacífica pela independência e conquistou o apoio de vários setores da sociedade: trabalhadores, funcionários da administração colonial, estudantes, oficiais não comissionados e soldados saharauis enquadrados no exército colonial, etc.

A atividade nacionalista começou a se manifestar através de greves de trabalhadores, mobilizações estudantis para o ensino da língua árabe e através de vários atos de repúdio da administração espanhola. Muito em breve o serviço de inteligência colonial detectou a existência do movimento. Em 1969, o governador geral do Sahara decretou o toque de recolher em todo o território. Seguiram-se muitas detenções de militantes e apoiantes do MLS, alguns dos quais foram expulsos para países vizinhos

Espanha enfrenta o problema da descolonização

Em novembro de 1960, a Assembléia Geral da ONU aprovou a Resolução 1514 relativa ao processo de descolonização dos enclaves coloniais que ainda existiam no mundo. O Comitê Especial encarregado de aplicar a referida resolução elaborou uma lista de territórios a serem decolonizados, entre os quais o Sahara Espanhol.

Em 1966, o Comitê Especial pediu à Espanha que realizasse um referendo para que a população do Sahara pudesse expressar livremente seu futuro político. O governo franquista aceitou formalmente o pedido, mas optou por ganhar tempo e levar adiante o processo de transformar a colônia em uma “província” de Espanha.

O Comitê Especial alertou sobre a manobra de procrastinação do regime de Franco e renovou suas exigências em favor da descolonização do Sahara. Como resultado, a Espanha perdeu a credibilidade diante da Assembléia Geral e esta situação foi aproveitada pelo rei de Marrocos, Hassan II, para tomar uma posição sobre a questão, mostrando publicamente a sua preocupação com o futuro da colônia espanhola e legitimando-se como parte interessada na questão do Sahara.

Desta forma, o regime de Franco rejeitou uma boa oportunidade para proporcionar aos saharauis uma transição decente para a sua emancipação política. Infelizmente, naquela época, a política colonial da Espanha dependia da vontade do almirante Carrero Blanco (1), cujas idéias ultraconservadoras prevaleceram sobre os critérios do Ministério das Relações Exteriores, mais liberais e propensos à independência do povo saharaui.

Como as pressões internacionais foram sentidas no governo de Madrid, e particularmente na própria colônia, o Governo Geral do Sahara organizou uma atividade política em El Aaiún (2) para fins de propaganda, para mostrar ao mundo que a população saharaui estava feliz por ser parte do Estado espanhol. Para esse fim, foram convidados vários jornalistas e observadores estrangeiros para testemunhar o “partido” político. Mas também o Movimento para a Libertação do Sahara convocou os seus militantes e apoiantes para uma demonstração paralela para fazer falhar a manobra colonialista.

Em 17 de junho de 1970, foi o dia marcado. Naquela manhã, pequenos grupos de saharauis se reuniram em frente à sede do Interior, enquanto uma multidão cobria uma grande esplanada, longe da reduzida concentração oficial.

A multidão cantou slogans de independência e entoou canções patrióticas, inadmissíveis para os representantes do regime de Franco. Ao entardecer, uma companhia da Legião abriu fogo contra a multidão causando dezenas de feridos, mortos e feridos.

Naquela mesma noite, uma caçada de líderes e membros do MLS foi desencadeada; centenas foram presos; alguns desapareceram, incluindo o principal líder nacionalista, Bassiri.

Os acontecimentos de 17 de junho fizeram com que grande parte da população saharaui se inclinasse para a opção de independência não pacífica.

A reorganização nacionalista

Devido à repressão, a militância nacionalista dispersou-se e muitos dos seus membros refugiaram-se nos países vizinhos, onde encontraram proteção e apoio das comunidades saharauis ali instaladas.

Em 1971, alguns grupos de independência começaram a se formar nas cidades marroquinas de Rabat e Tantán e na cidade mauritana de Zuerat. Foi em Rabat que surgiu um núcleo muito ativo de estudantes universitários, entre os quais estava El Uali Mustafá Sayed. Este grupo, juntamente com outros exilados, deu origem ao “Movimento Embrionário para a Libertação do Sahara” que, ao longo de 1972, promoveu reuniões clandestinas entre os vários grupos saharauis espalhados por Marrocos, Argélia e Mauritânia.

No final de abril de 1973, foi iniciada uma conferência cujas sessões foram realizadas intermitentemente e em várias partes do deserto para confundir o serviço de inteligência franquista. Esta conferência decidiu criar uma organização política militar para lutar pela independência. Em 10 de maio de 1973, a conferência culminou as suas atividades fundando a Frente Popular de Libertação de Saguia El Hamra e do Rio de Oro – Frente POLISARIO. El Uali Mustafa Sayed foi nomeado seu secretário geral. (3)

A Frente POLISARIO: concepção política e linha de ação

A Frente POLISARIO é um movimento de libertação nacional, democrático e anticolonial que inclui os setores e personalidades mais progressistas da sociedade saharaui nas zonas libertadas, nos campos de refugiados e nos territórios sob ocupação marroquina. Seus principais objetivos são a total independência do Sahara Ocidental e a construção de um Estado moderno.

Para conhecer os propósitos e o perfil político dos fundadores dessa organização, nada melhor do que recorrer aos próprios documentos da Frente POLISARIO. O manifesto político fundador diz:

“Uma vez provado que o colonialismo quer manter o seu domínio sobre o nosso povo árabe, tentando aniquilá-lo pela ignorância, miséria, (…). Diante do fracasso de todos os métodos pacíficos utilizados, (…) a Frente Popular para o A libertação de Saguia El Hamra e Rio de Oro, nasceu como única expressão das massas, que optaram pela violência revolucionária e pela luta armada como um meio para que os povos saharauis, árabes e africanos pudessem desfrutar da sua total liberdade e enfrentar as manobras de Colonialismo espanhol.

Parte integrante da revolução árabe, apóia a luta dos povos contra o colonialismo, o racismo e o imperialismo e condena-os por sua tendência de colocar os povos árabes sob seu domínio, seja pelo colonialismo direto ou pelo bloqueio econômico.

Considera que a cooperação com a Revolução Popular da Argélia é um elemento essencial para enfrentar as manobras travadas contra o Terceiro Mundo.

Convidamos todos os povos em luta a se unirem para enfrentar o inimigo comum.

Com as armas vamos conquistar a liberdade! ”

O programa do 2º Congresso da Frente POLISARIO, realizado em agosto de 1974, enunciou os objetivos de longo prazo da organização. Aqui estão alguns deles:

Libertar a nação de todas as formas de colonialismo e alcançar a independência completa.

– Construir um regime republicano nacional com participação ativa e efetiva da população.

– Construção de uma autêntica unidade nacional.

– Criar uma economia nacional baseada no desenvolvimento agrícola e industrial, na nacionalização dos recursos minerais e na proteção dos recursos marinhos.

– Garantir as liberdades fundamentais dos cidadãos.

– Distribuição justa da riqueza e eliminar o desequilíbrio entre o campo e as cidades.

– Erradicar todas as formas de exploração.

– Garantir habitação para todos.

– Restaurar os direitos sociais e políticos das mulheres.

– Estabelecer educação gratuita e obrigatória em todos os níveis e para toda a população.

– Combater doenças, construir hospitais e oferecer atendimento médico gratuito.

A guerra da libertação nacional

Em 20 de maio de 1973, dez dias depois de sua fundação, a Frente POLISARIO realizou a sua primeira ação armada contra o exército colonial. O ataque, que visava um posto militar no deserto, marcou o nascimento do Exército de Libertação do Povo Saharaui (ELPS) e o início de uma guerra que em pouco tempo ultrapassou a capacidade de controle da administração espanhola. As acções do ELPS, muitas delas para fins de propaganda, aumentaram o prestígio da F. POLISARIO entre a população civil e os soldados nativos que serviram nas fileiras coloniais. No final de 1973, o ELPS já tinha mais de cem combatentes e nos anos 1974 e 1975 aumentou a sua actividade, fazendo com que o exército espanhol recuasse gradualmente para as principais cidades costeiras. Durante esse último ano, patrulhas cheias de militares saharauis foram para o ELPS, e com o passar do ano, o Exército de Libertação tomou o controle de numerosas cidades abandonadas pelos espanhóis. Quando o governo de Franco entregou o Sahara Espanhol a Marrocos e à Mauritânia através dos Acordos Secretos de Madrid, em novembro de 1975, as forças nacionalistas saharauis já controlavam a maior parte do território da colônia.

Hoje, a Frente Popular de Libertação de Saguia El Hamra e Rio de Oro continua a liderar a luta pela plena independência do Sahara Ocidental e é reconhecida internacionalmente como o único e legítimo representante do povo saharaui.

Continua a dirigir a construção do Estado republicano que prometeu no seu IV Congresso: a República Árabe Saharaui Democrática, hoje reconhecida por 82 países do mundo, dos quais 28 são latino-americanos.

Emiliano Gómez

(1) Almirante Luis Carrero Blanco foi a mão direita do “Generalíssimo” Francisco Franco. Faleceu em dezembro de 1973 num ataque da organização nacionalista basca ETA.

(2) Fundada pelos espanhóis em 1938, El Aaiún é a capital do Sahara Ocidental – atualmente sob ocupação marroquina.

(3) El Uali Mustafá Sayed, herói nacional Saharaui e primeiro presidente da RASD. Caiu em combate a 9 de junho de 1976, quando tinha 28 anos de idade.

Ayúdanos a difundir >>>