Mahfouda Elfakir, prisioneira política saharaui, libertada esta manhã

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- A activista saharaui e prisioneira política Mahfouda Elfakir foi libertada hoje após completar uma sentença de 6 meses. O seu estado de saúde é muito frágil.

A casa da família está sob vigilância das autoridades de ocupação marroquinas, para que ninguém se possa aproximar e cumprimentar a sra. Mahfouda.

Embora tenha sido condenada a 6 meses de prisão em 12 de dezembro de 2019, foi presa em 28 de outubro de 2019, passando assim 17 dias a mais na prisão do que a sentença de 6 meses.
Em 12 de dezembro de 2019, no julgamento da ativista saharaui Mahfouda Elfakir, o juiz ratificou a sentença de 6 meses de prisão e o pagamento de uma multa de 2.000 dirhams, emitida em 27 de novembro. O julgamento foi realizado no tribunal de El Aaiun, capital do Sahara Ocidental ocupado

A audiência foi realizada sem a presenças de observadores, permitindo apenas a entrada do pai de Mahfouda. A senhora Isabel Lourenço, investigadora do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto e membro da Fundação Sahara Occidental, foi impedida de participar do julgamento, detida no aeroporto e enviada para Marrocos.

Note-se que o advogado de defesa de Mahfouda recebeu a documentação do julgamento no dia 27 e as informações e documentos do julgamento somente no final da tarde do dia anterior ao julgamento, de modo que a defesa da activista foi reduzida devido ao tempo limitado disponível para preparar o arquivo.

A jovem mãe, membro da associação “Coordenação de Gdeim Izik” e da Associação Marroquina de Direitos Humanos, foi presa no tribunal de El Aaiún sob o pretexto de “agredir um funcionário” quando perguntou sobre o caso do seu primo, Mansour Elmoussaoui, que foi condenado a 1 mês de prisão. Mansour foi preso em 28 de outubro e acusado de participar nas comemorações da vitória da equipe argelina na Copa da África.

Recusando-se a subir para uma carrinha de transporte de presos de delito comun com apenas homens presos, ela foi brutalmente espancada na frente de todos no recinto do tribunal.

Mahfouda foi apresentado no sábado, 16 de novembro, perante o advogado do rei. Na ausência do seu advogado, o promotor enviou-a para a prisão negra de El Aaiun. A família não teve permissão para lhe dar os medicamentos que tomava diariamente, sabendo que Mahfouda tem aguarda cirurgia há vários meses.

Após a sua prisão, o estado de saúde de Mahfouda piorou e as autoridades penitenciárias responsáveis ​​tiveram que chamar uma ambulância e injetaram-na para acalmá-la, sem conhecer as suas condições de saúde anteriores.

Mahfouda é uma ativista conhecida e há muito tempo é alvo da polícia marroquina. A ativista saharaui foi vítima de vários ataques das autoridades marroquinas durante manifestações pacíficas nas quais participa regularmente para exigir a libertação de presos políticos e a independência do Sahara Ocidental.