Os crimes de Marrocos no Sahara Ocidental incluiem matança de manadas de camelos dos saharauis

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Diario La Realidad Saharaui / DLRS,- Unidades do exército marroquino estacionadas no muro localizado na cidade de Guelta, mataram com metralhadoras na última terça-feira, 5 de maio, um rebanho de dromedários pertencentes a famílias saharauis. Estas chacinas repetem-se há vários anos. O DLRS entrou em contato com o presidente da Associação Saharaui para a Proteção e Difusão do Património Cultural Saharaui, Bachri Ben Taleb, que confirmou que este novo crime contra os animais ocorreu no sector militar de Guelta, a área de implantação de um batalhão do exército de Ocupação marroquina e que os seus autores são soldados marroquinos. Não é a primeira vez que esse crime contra os criadores de camelos saharauis ocorre nas proximidades do muro militar como uma política de intimidação dos nómades saharauis que pastoreiam o gado na área.

Hmad Hamad, vice-presidente da CODAPSO – Associação Saharaui para os Direitos Humanos, com a sua sede clandestina na cidade de El Aaiun, disse ao DLRS esta tarde que o gado estava cheio de munições de uma unidade militar do 18º Batalhão localizado na área de Udey Askaf, perto de Ishergan no setor de Guelta Zemur.

Em 2014, uma dúzia de camelos também foram alvo de disparos na mesma área de Guelta. Um evento denunciado pelos proprietários do emblemático animal nacional saharaui e pela Associação Saharaui de Protecção do Património. Uma política de discriminação e assasinato cometida pelo regime marroquino nos territórios ocupados do Sahara Ocidental. Ativistas saharauis de direitos humanos pedem às organizações de proteção de animais e património que condenem essa política de extermínio cultural e populacional que o exército marroquino tem adoptado desde que ocupou os territórios do Sahara Ocidental em 1976. Em 2016, o mesmo crime foi cometido e durante o qual unidades do exército mataram o dono de uma manada e uma dúzia dos seus dromedários.