Marrocos reprime jornalista jornalista saharaui Ibrahim Amrikli

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Comunicado de imprensa da Nushatta Foundation
Sábado, 25 de maio de 2020
El-Aaiún, Sahara Ocidental ocupado

Em setembro próximo, será iniciado um julgamento contra o jornalista de imagem, cidadão Ibrahim Amrikli, que foi libertado sob fiança de US $ 305,12. Ibrahim Amrikli foi detido e preso depois que as seguintes acusações foram levantadas contra ele: “insultar” um funcionário durante o exercício de suas funções e “violar o estado de emergência em quarentena”.

Durante a última sexta-feira, 15 de maio de 2020, quatro policiais à paisana saíram de um Toyota Prado azul 4×4 para deter o jornalista de imagem saharaui Ibrahim Amrikli em frente da sua casa enquanto ele estava a caminho de uma farmácia. Após a sua prisão, eles confiscaram o seu smartphone.

No momento da prisão, o Sr. Amrikli estava cumprindo a “emergência estatal” marroquina declarada para Covid-19 no Sahara Ocidental ocupada por marroquinos, pois possuía um documento oficial das autoridades marroquinas que lhe permitia ter movimento restrito livre. Ele também estava a cumprir as devidas precauções de segurança usando uma máscara facial e luvas. Apesar desse facto, ele foi violentamente detido sem mandado, preso e levado às 23 horas para a sede da polícia localizada no centro da cidade na cidade de El Aaiún.

“Quatro policiais à paisana saltaram do carro para me deter furiosamente”, testemunhou. “Eu perguntei: ‘Por que motivo estou sob tal detenção e por que violentamente?’ Um deles respondeu: ‘Mais tarde, vais descobri'”,r acrescentou Amrikli.

Na sede da polícia, o jornalista de imagem saharaui, Sr. Amrikli foi algemado a uma cadeira numa sala fechada e trancada e deixado sozinho das 12:00 às 16:00. Ele ficou detido durante 48 horas e acabou sendo coagido por um policia a assinar um relatório de custódia policial. Esse oficial disse-lhe literalmente: “És acusado de participar em ações violentas contra a polícia no início de maio, no distrito de Mattalah”, uma ação que o Sr. Amrikli negou inequivocamente.

Amrikli, que havia pedido o Sahur [a refeição consumida pelos muçulmanos antes do início do jejum no início da manhã], não teve permissão para fazer essa refeição. A sua família foi informada da sua detenção no dia seguinte e foi informada pela polícia que o crime cometido por Brahim Amrikli era Tráfico de Drogas.

Durante os seus dois dias de encarceramento, o Sr. Amrikli foi colocado num quarto de um metro por um metro e meio, junto com outras doze pessoas sob custódia. Todos eles tiveram que dormir em colchões imundos e finos, numa sala suja sem o mínimo de higiene.

Na manhã de sábado, às 9h, o jornalista de imagem, Sr. Ibrahim Amrikli foi interrogado por três oficiais marroquinos, que o abusaram tanto física quanto mentalmente. Embora estivesse em jejum, Ibrahim teve que suportar pontapés, socos e cuspiram-lhe, além de ser sujeito a ter suas mensagens telefónicas privadas e as suas fotos pessoais e da família vasculhadas durante as duas horas da interrogação. O principal objetivo do interrogatório era tentar descobrir QUEM administra a Fundação Nushatta para a qual trabalha, DE ONDE provêm os recursos financeiros da Fundação Nushatta e QUAIS os outros papéis desempenhados pelos jornalistas da Fundação .

Ibrahim Amrikli, cidadão saharaui, de 23 anos contribuiu efetivamente com muitas produções de vídeo para a agência de comunicação social local, a “Fundação Nushatta para a Comunicação Social e os Direitos Humanos”. As suas contribuições em vídeo-jornalismo destacam as numerosas e graves violações de direitos humanos perpetradas pela polícia marroquina nos últimos anos contra os cidadãos saharauis civis em El Aaiún, na região ocupada do Sahara Ocidental.

No ambiente totalmente inseguro do Sahara Ocidental ocupado, onde denunciar abusos dos direitos humanos é uma violação da lei silenciosa marroquina e quase impossível devido ao bloqueio e repressão marroquina, os jornalistas da Fundação Nushatta e outros grupos de Comunicação Social em todo o Sahara Ocidental estão a assumir riscos apenas porque denunciam a situação da longa disputa no Sahara Ocidental.

Vale ressaltar que desde a criação da Fundação Nushatta em 2013 e até agora, todos os jornalistas membros, incluindo os casos de Amjad Al-Laili, Mohamoud Hadi, Muhamed Dadi, Lwali Lahmmad, Embarque Fahimi, El Bachir Dkhili e agora Ibrahim Amrikli, foram vítimas de uma maneira ou de outra, s de vigilância policial, difamação, detenção ou proibição de acesso à educação.

Além disso, a maioria dos jornalistas cidadãos saharauis que são afiliados com a agência de comunicação social local saharaui, a Fundação Nushatta, no Sahara Ocidental ocupado por Marrocos, têm sofrido com o aumento da vigilância policial e ameaças das autoridades de ocupação marroquinas nos últimos dias.

Portanto, a Fundação Nushatta para a Comunicação Social e Direitos Humanos gostaria de destacar o seguinte ao público internacional:

– A Fundação Nushatta insta Marrocos a retirar todas as acusações de represália contra Brahim Amrikli e a autorizar uma investigação imediata sobre os abusos físicos e mentais sofridos pelo Sr. Amrikli nas mãos dos três policias.

– A Fundação Nushatta insta a ONU a cumprir a sua responsabilidade de proteger os saharauis, jornalistas e, principalmente, cidadãos.

– A Fundação Nushatta pede que Marrocos respeite a liberdade de imprensa no território marroquino do Sahara Ocidental.

– A Fundação Nushatta considera a prisão do seu jornalista de imagem uma evidência de direcionamento sistemático destinado a jornalistas que estão a relatar o que ocorre no Sahara Ocidental.

– A Fundação Nushatta condena a vigilância contínua a que os seus membros são submetidos em locais públicos e na rede.

– As autoridades marroquinas estão a tentar prender membros jornalistas da Fundação Nushatta em retaliação pelas suas atividades não violentas.

– A Fundação Nushatta não interromperá a denúncia de violações de direitos humanos nas partes controladas por Marrocos do Sahara Ocidental.

– A Fundação Nushatta apela às ONGs de todo o mundo que pressionem Marrocos a respeitar tratados internacionais e cartas de direitos humanos no Sahara Ocidental ocupado.

Em resumo, é muito claro que o interrogatório policial de Ibrahim Amrikli se concentrou principalmente nas suas atividades na Fundação Nushatta. Por um lado, as alegações contraditórias e inconsistentes da polícia indicam que ele é de alguma forma acusado de tráfico de drogas e, por outro lado, ele é acusado de envolvimento em ações violentas, enquanto as acusações oficiais são outras. Essas acusações contraditórias refletem a intenção deliberada das autoridades de ocupação marroquinas de atingir os jornalistas da Fundação Nushatta, que estão a preencher a lacuna existente devido à falta de repórteres e meios de comunicação internacionais no Sahara Ocidental, uma região considerada pelos Repórteres Sem Fronteiras como um buraco negro.