BNG questiona Ministra de Negócios Extranjeiros sobre o seu tweet

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- O BNG (Bloco Nacionalista Galego) questiona Ministra das Relações Exteriores do Congresso Espanhol relativamente a ausência da bandeira saharaui do mapa da África que ela publicou.

O deputado do Bloco Nacionalista Galego, Néstor Rego, enviou perguntas à Ministra dos Negócios Estrangeiros, González Laya, sobre o tweet que ela publicou no dia 25 de maio, por ocasião do Dia da África. Neste tweet, a ministra exclui o povo saharaui da, sua mensagem de felicitações, publicando um mapa com as bandeiras de todos os países africanos, deixando em branco o território do Sahara Ocidental.

À MESA DO CONGRESSO DOS DEPUTADOS

De acordo com o disposto no artigo 185 e seguintes do Regulamento do Congresso dos Deputados, o deputado do bloco nacionalista do GALEGO, Néstor Rego Candamil, anexo ao GRUPO PLURAL, faz as seguintes perguntas dirigidas ao Governo para sua resposta por escrito.

Num tweet para marcar a comemoração anual da fundação da Organização para a Unidade Africana (OUA) em 25 de maio de 1963, que em 2001 se tornou a UA (União Africana), a Ministra das Relações Exteriores incluiu o mapa político da África que ela subiu com cada país com a sua bandeira correspondente, mas sem a do Sahara Ocidental, co-fundador da OUA e da UA, que aparece em branco.

Esta comunicação foi respondida publicamente por diferentes pessoas envolvidas ao nível internacional na luta pelos direitos humanos e pelo direito à autodeterminação do povo saharaui.

Essa manifestação da ministra vai contra o Ato Constitutivo da União Africana, excluindo do mapa a bandeira de um dos seus membros fundadores, o Sahara Ocidental. Não se pode tolerar que o chefe da diplomacia, o Estado espanhol, subordine os direitos do povo saharaui aos interesses económicos e políticos do Reino de Marrocos, e que continue a evadir-se das obrigações internacionais de ambos os estados em relação à realização de um referendo de autodeterminação. do povo saharaui.

Não é a primeira vez que a ministra se posiciona a favor dos interesses marroquinos em relação à situação no Sahara Ocidental. Assim, em fevereiro passado, ela declarou que a reunião que dois dias antes teve o Secretário de Estado dos Direitos Sociais com a Ministra Saharaui de Assuntos Sociais e Promoção da Mulher, Suilma Beiruk, não representava a posição do Governo da Espanha, que não reconhece a RASD. Assim, ela respondeu ao seu colega marroquino, Nasser Bourita, que protestou contra a reunião, afirmando que “a posição da Espanha no Sahara Ocidental não mudou, é política do estado”, disse a ministra.

A Delegação da Frente Polisario insistiu na necessidade de continuar a trabalhar para restaurar a confiança do povo saharaui nas Nações Unidas e que a MINURSO cumpra o seu mandato e que o povo saharaui possa exercer o seu direito à autodeterminação.

Pelas razões expostas, o BNG faz ao Governo as seguintes perguntas:

1) O governo, e especificamente a ministra das Relações Exteriores, retificará a sua posição pública contrária ao reconhecimento da República Árabe Democrática Saharaui (RASD)?

2) O governo planeia reconhecer oficialmente a República Árabe Democrática Saharaui (RASD) como um estado soberano?

3) Existem planos para estabelecer relações bilaterais com a RASD, representada pela Frente Polisario, e o apoio e a intermediação do Estado espanhol para favorecer a realização do referendo de autodeterminação no Sahara Ocidental?

Madrid em 27 de maio de 2020
Nestor Rego Candamil – Deputado BNG no Congresso