Jornalista saharaui ameaçado pelas autoridades marroquinas de ocupação

PUSL.- Na última terça-feira, 16 de junho, a polícia de ocupação marroquina foi à casa da família de Walid Elammari para prendê-lo.

Elammari é jornalista saharaui, editor-chefe do grupo “Al Gargarat Media”, um dos meios de comunicação on-line que informa sobre os eventos nos territórios ocupados.

A polícia alegou ter uma ordem de prisão para Elammari por “violação de quarentena” durante a pandemia.

Como pode ser visto no vídeo, cinco carros da polícia aproximaram-se da casa para “prender” o Sr. Walid por violação da quarentena.

Esse uso excessivo de meios e poder é um sinal claro de que a acusação é falsa, e mais uma vez o regime de ocupação marroquino quer silenciar os jornalistas saharauis que denunciam a realidade do regime do apartheid no Sahara Ocidental ocupado.

“Eles sempre dão desculpas e argumentos falsos e usam pretextos falsos para deter jornalistas no Sahara Ocidental pelas suas atividades políticas e pelo facto de denunciarmos violações graves de direitos humanos, prisões arbitrárias, tortura e exploração ilegal dos nossos recursos”. explica Elammari.

O silêncio imposto aos meios de comunicação nos territórios ocupados só é violado pelos meios de comunicação on-line saharauis como a Al Gargarat Media e outros.

Jovens jornalistas, homens e mulheres, correm o risco de serem presos diariamente e são perseguidos e espancados pelo seu trabalho.

A casa da família de Elammari, nos bairros orientais da cidade ocupada de El-Aaiun, não é a única sob vigilância.

Ativistas e jornalistas têm as suas casas sob vigilância, sob cerco e as suas famílias ameaçadas.

A ocupação Marroquina só é possível devido ao silêncio imposto, ao black out dos meios de comunicação e à prevenção de entrada de observadores estrangeiros.

Enquanto isso, a MINURSO, a missão de manutenção da paz das Nações Unidas no território continua sem um mandato para proteger a população saharaui.

Walid Elammari tem 25 anos e nasceu em El Aaiun, sob ocupação, o seu único crime é denunciar os crimes cometidos pelo regime de ocupação.