Como e porquê as drogas marroquinas são apreendidas pela Frente Polisario

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.-Nos últimos anos, o narcotráfico marroquino usou cada vez mais a rota que atravessa o Sahara Ocidental ocupado, sendo o destino final a região do Sahel e os grupos terroristas que são parcialmente financiados pelo contrabando de drogas e armas.

Desde 2015, mais de trinta toneladas foram apreendidas em operações realizadas na rota que atravessa o território saharaui e vai do muro de separação marroquino às regiões do Sahara na Mauritânia, Mali e Níger.

Na segunda e na terça-feira passada, as forças armadas saharauis apreenderam 3.775 quilos de haxixe em Agüenit, a sul dos territórios libertados pela Polisario e, um dia depois, 775 quilos foram confiscados na área vizinha de Dugej.

Na primeira operação, quatro indivíduos foram detidos e apreendidas armas de assalto, um quantidde impressionante de munições o e veículos todo-o-terreno de alta potência.

Membros da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO) estiveram presentes como testemunhas na operação de queima da droga apreendida.

O governo saharaui informou repetidamente o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) sobre a atividade de tráfico de drogas que sai dos territórios ocupados. A última comunicação ao CSNU foi na quarta-feira passada, após as apreensões de mais de quatro toneladas de haxixe nas duas operações acima mencionadas.

Sidi Omar, representante da Polisario junto à ONU, responsabiliza o Reino de Marrocos por essas operações, que ele atribui ao seu estatuto de maior produtor mundial de resina de cannabis, conforme refletido nos relatórios do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime .

Esta é apenas a ponta do Iceberg disse-nos um ativista saharaui de direitos humanos, os territórios ocupados estão inundados com o tráfico de drogas e tudo isso só é possível com a cumplicidade e o conhecimento do governo marroquino, disse.

“Você duvida disso? Então, explique-me como é possível entrar com milhares de kg de haxixe num território onde toda a circulação é vigiada de perto, onde os carros precisam parar dezenas de vezes antes mesmo de entrar na zona nos postos de controle da gendarmaria. Nos territórios ocupados, há forças militares, policiais e auxiliares, mais de 15 por cada saharaui, controlando todos os nossos movimentos. Você pode ver nos vídeos, todas as estradas, todas as avenidas com carros da polícia, o contingente da ONU está em toda parte, embora sejam completamente inúteis, mas estão por toda a parte. De um lado, temos o Atlântico, do outro, temos o maior muro de separação do mundo, com 2720 km, com mais de 100 000 soldados marroquinos, com equipamentos militares pesados, satélites, drones, toda a tecnologia mais recente. Como é possível que todos os dias atravessem caminhões cheios de drogas e outros produtos ilegais? Diga-me? Eles estão todos envolvidos nisso. Além de lucrar diretamente, eles também utilizam a droga como forma de pressão e influência na UE. e nos EUA, como fazem com os migrantes ilegais, é a mesma estratégia “.

Os membros da Frente Polisario também questionam como é possível que os traficantes de drogas consigam atravessar o muro, sem serem detectados, por um dos 100.000 soldados marroquinos equipados com radares sofisticados capazes de detectar a passagem de um animal pequeno e depois atravessar, sem voar pelo ar, um campo de sete milhões de minas antipessoal e antitanque que protegem todo o perímetro desse muro, sem o conhecimento das autoridades marroquinas de ocupação militar.

Um representante saharaui na Europa disse-nos que, em 31 de março de 2020, foram apreendidos 3600 kg de haxixe na área de Aguinit, em 2 de março de 2020, 725 kg em Edougej e, em 6 de fevereiro de 2020, 550 kg em Bougerba.

O comércio de drogas ilícitas está profundamente arraigado em Marrocos com a cumplicidade dos agentes da lei local, embora a maioria das drogas produzidas ou transportadas sejam destinadas aos mercados europeus, uma grande quantidade delas é destinada ao financiamento de grupos terroristas com base nos países do Sahara e da África Subsaariana .

A principal droga exportada de Marrocos são os derivados de cannabis produzidos no norte de Marrocos. Para chegar ao Sahara Ocidental ocupado, eles precisam atravessar todo o país sem serem detectados, o que seria impossível sem a ajuda das forças policiais.

Marrocos faz uma enorme propaganda em torno da sua “luta contra o tráfico internacional de droga” e recebe, devido a isso, grandes somas de financiamento da UE e dos EUA para contraterrorismo, para as forças armadas e unidades anti-drogas. Marrocos é o maior beneficiário da ajuda da UE no Mediterrâneo, tendo recebido bilhões de euros do Mecanismo Europeu de Vizinhança e do Banco Europeu de Investimento entre 2014 e 2017.

De vez em quando, membros de autoridades implicadas na colaboração com traficantes são julgados e punidos para mostrar a “política estricta de combate às drogas do governo marroquino”.

Essa estratégia tem excelentes resultados para Marrocos, que será o futuro copresidente do Fórum Global de Contraterrorismo ao lado do Canadá.

Marrocos é conhecido pelas suas ligações perigosas entre terrorismo e crime transnacional, mas usou-o em seu próprio proveito, fingindo estar muito envolvido na prevenção e na luta contra esses crimes, e apela constantemente a uma ação mais concertada entre os Estados do Sahel e do Magrebe em particular, que obviamente precisam de financiamento. Sem migrantes ilegais e tráfico de drogas, Marrocos teria severos cortes financeiros e militares.

Essa estratégia permitiu que Marrocos se apresentasse como um aliado de confiança à Europa, bem como um importante actor na resolução da crise de radicalização no norte da África e na interrupção de conspirações terroristas antes que elas se desenrolassem em solo europeu (especialmente na Bélgica, França e Espanha). . Isso permite ao regime influenciar e ter moeda de câmbio nas suas relações com a UE, compensando a sua dependência do apoio financeiro e diplomático europeu, que é ameaçada pela ilegalidade da ocupação do Sahara Ocidental.
O suposto papel de Marrocos na restrição da migração ilegal e no combate ao terrorismo faz dele um aliado valioso para a UE e a NATO.

“Portanto, as autoridades marroquinas aumentam o problema, apoiam o problema e apresentam-se como a solução para o problema, ganhando dos dois lados. É brilhante! Mas não é novo”, diz Mohamed S., jornalista saharaui dos territórios ocupados.

A Frente Polisario tem que combater agora um problema adicional que o narcotráfico marroquino representa para eles e que é um factor de grande instabilidade na região. O exército da Polisario foi capaz de bloquear as rotas de entrada através da parte norte do muro de separação, mas isso só fez com que os narcotraficantes passem as drogas para o território saharaui, indo para a parte sul do muro.

De acordo com o SG António Guterres, o contingente da MINURSO também está sob risco, uma vez que, a ameaça relacionada com grupos terroristas e atividades criminosas na região continua a ser motivo de grande preocupação devido à sua imprevisibilidade e nível de risco desconhecido, especialmente para bases de operações localizadas em áreas remotas a leste do muro (a parte sob controle de Polisario), onde patrulhas desarmadas cobrem grandes distâncias em todo o território e são alvos fáceis.

Não compartilhamos a leitura do SG António Guterres sobre os riscos relacionados à segurança da equipea da MINURSO nos Territórios Liberados (a leste do muro na terminologia da ONU). Até ao momento, a MINURSO tem sido uma das operações mais seguras e protegidas da ONU, onde nenhum incidente com risco de vida foi registrado, especialmente nos Territórios Libertados, graças à segurança fornecida pelas unidades do Exército Saharaui para as equipes da ONU.