Um ano após a morte de Sabah Azman Ahmeida: Forte condenação e rejeição das violações dos direitos humanos nos territórios ocupados do Sahara Ocidental

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) العربية (Árabe)

Chahid El Hafed, 22 de julho de 2020 (SPS) -. As comunidades saharauis do sul (setor mártir do Sidi Azman Sidahmed) condenaram esta terça-feira numa declaração sobre o primeiro aniversário da jovem saharaui Sabah Azman Ahmeida, a represália brutal contra a população civil saharaui e todas as formas de violação dos direitos humanos na parte ocupada do Sahara Ocidental, que ocorre com o extraordinário e completo silêncio das Nações Unidas e da sua missão de paz, MINURSO.

A Comunidade saharaui reiterou a sua solidariedade e apoio aos activistas políticos e presos saharauis nas prisões marroquinas e à população saharaui nas cidades ocupadas.

A jovem saharaui Sabah Azman, que perdeu a vida ao amanhecer do sábado, 20 de julho de 2019, foi deliberadamente atropelada por um veículo da polícia durante as celebrações espontâneas em várias cidades saharauis ocupadas após o triunfo da Argélia na Taça de Naciones 2019.

Sabah saiu da sua casa pacificamente, assim como centenas de outros cidadãos saharauis para expressar o seu desejo de liberdade e independência e a sua rejeição à ocupação marroquina.

A Frente POLISARIO, em várias mensagens enviadas ao Conselho de Segurança e ao Secretário-Geral da ONU, deplorou os atos brutais e criminosos cometidos pelas forças de ocupação marroquinas e exigiu que uma investigação independente fosse realizada para descobrir as circunstâncias do assassinato da jovem Sabah Azman, bem como das centenas de feridos saharauis causados pelos ataques brutais e pela repressão nas zonas ocupadas do Sahara Ocidental.