REALPOLÍTICA, AUTO-DETERMINAÇÃO E EQUILÍBRIO DE FORÇAS

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Por Dr. Emboirik Ahmed  

PUSL.- Menos de dois meses após o vigésimo nono aniversário da assinatura do Plano de Paz entre a Frente Polisario e o governo marroquino, que se iniciou com a assinatura do cessar-fogo entre ambas as partes e que terminaria, após várias etapas, numa consulta ao povo saharaui através de um referendo de autodeterminação em que escolheriam a opção de independência ou anexação a Marrocos, a maioria dos analistas políticos familiarizados com o processo confirma que as Nações Unidas falharam a sua tarefa.

As ações do Conselho de Segurança e da MINURSO foram dominadas pela passividade e pela falta de firmeza para condenar Marrocos pelas contínuas obstruções ao processo, permitindo-lhe todo o tipo de violações dos compromissos que assumiu. Conscientes da impunidade das suas ações, ousaram expulsar do território o componente civil da missão das Nações Unidas.

Verificar a paralisia das Nações Unidas e a falta de vontade do Conselho de Segurança na solução do conflito saharaui exige uma profunda reflexão por parte da liderança política saharaui e uma análise crítica para reverter esta situação que trava e atrasa o caminho para a independência na sua ação de colaboração ativa com o ocupante, concedendo injustificadamente um poder político determinante à organização internacional, com sérias implicações geopolíticas negativas para a causa saharaui em nível geral.

A Realpolitik não é uma maldição divina que caiu como uma laje pesada na cabeça do povo saharaui, mas uma amostra nua da intenção dos atores que usam todos os meios, sem considerações éticas, para impor os  seus objetivos por meio de da diplomacia, economia, armas, terrorismo, aliados, redes sociais, corrupção … e as fraquezas do adversário.

Todas essas questões compõem um certo cenário geopolítico que não depende de desejos ou vontades subjetivas, mas de um trabalho concreto de fortalecer a própria força e de alianças adequadas para desequilibrar a balança a favor ou contra os adversários.

No entanto, a Realpolitik é o reflexo de uma certa correlação de força que foi construída nas últimas duas décadas, usada por Marrocos para bloquear iniciativas positivas e redirecionar a situação numa direção favorável aos seus interesses, representada na manutenção do status quo  esperando criar condições futuras que lhe permitam  desapegar -se completamente dos seus compromissos, deixando a Frente Polisario  num terreno baldio político e numa desorientação estratégica absoluta. Perante estas considerações, o lado saharaui pode imprimir uma nova dinâmica para transformar, em grande medida, o cenário descrito. Para isso, é necessário realizar uma análise crítica global que permita entender claramente por quê uma força que triunfou sobre um adversário e o forçou a se esconder atrás de um muro, está nessa situação de incerteza no meio de uma teia de aranha diplomática que dificulta a ação e impede o progresso.

A atitude crítica permite-nos visualizar, sem quaisquer complexos ou estigmatizações vetoriais que moldam o universo político atual que não esgota a existência ou as possibilidades. Devemos apelar à imaginação, à astúcia e à audácia que eram, não muito tempo atrás, um sinal de identidade do movimento de libertação saharaui, mais além das concessões políticas e congelamento de realizações e estruturas. Quem não se atreve a quebrar os caminhos impostos, não pode encontrar novos caminhos.

Para não correr riscos desnecessários, é uma prioridade decifrar e interpretar a correlação de forças e as suas diferentes tendências e variáveis, explorando detalhadamente a estrutura na qual o poder marroquino e os seus aliados são sustentados, sem medo de introspecção para identificar as nossas reais fraquezas e possibilidades.

A MINURSO tornou-se um observador passivo que, na prática, legaliza a ocupação de nosso país e o Conselho de Segurança é um pilar importante desse construtor chamado Realpolitik. Uma política unidirecional após as decisões dessas organizações serve apenas para manter o status quo como um caminho de degradação dos direitos do povo saharaui para impor no futuro uma pseudossolução no nome “sagrado” do “possível”.

O poder marroquino e seus amigos criaram a  sua própria estrutura referencial através da monopolização da linguagem, excluindo e esvaziando o conteúdo dos termos que se referiam às grandes questões políticas como “direito inalienável, situação colonial, povo, representante legítimo, direitos humanos”. , suplantando-os por “solução séria e credível, mutuamente aceitável, partes interessadas, populações, grupo de amigos …” Esse novo espaço de discurso, cada vez mais difundido, é o produto de uma profunda reflexão de importantes laboratórios de ideias (think tanks) que procuram criar uma nova estrutura de identificação que se refere às propostas do adversário para tentar criar uma realidade diplomática paralela sem justificação no direito internacional. Paradoxalmente, não é incomum observar que alguns diplomatas saharauis veem com naturalidade esse quadro e esse discurso como um teste de flexibilidade, pragmatismo e fineza diplomática, argumentando e defendendo com absoluta indiferença e frieza que o território está em disputa e é necessário um referendo para saber o seu status definitivo, sem, aparentemente, perceber que eles legitimam essa nova estrutura que nos  tentam impor em troca de mencionar um direito indefinido à autodeterminação que pelo caminho perde o nome independência. Quarenta e sete anos de luta são testemunho da determinação do povo saharaui. O território não está em disputa, foi-nos roubado. Não podemos permitir que nos roubem o discurso.

A impossibilidade de debater com a intelligentsia marroquina, que classifica a monarquia ditatorial como um poder legítimo e sagrado, não retrata uma intelectualidade cega e estúpida, mas sim, a natureza de um grupo permeado transversalmente pelo medo e pela corrupção em busca de um capital político simbólico legitimador que eles consideram poder alcançar à sombra do palácio. Preocupados em encontrar argumentos que justifiquem o seu comportamento, fecham os olhos e os ouvidos aos lamentos dos oprimidos.

Enquanto isso, nesta era de chumbo, como axioma eterno, os combatentes da democracia e da liberdade têm como horizonte as prisões e o exílio.

O desespero do Mahkzen não exclui nenhum domínio como campo de batalha no seu trabalho ideológico para impor um pensamento único. A religião que em Marrocos sempre esteve a serviço do poder e tem sido um travão à rebelião dos excluído,s tornou-se uma arma para sustentar a política oficial, atacando, a partir das mesquitas, aos seus irmãos de religião. Os imãs, liderados pelos serviços de segurança, manipulam e violam preceitos religiosos exortando os crentes nas homilias de sexta-feira (jotba) nos países europeus a cumprirem as ordens do “emir dos crentes”, no seu dever de se envolverem na luta contra o povo saharaui, convertendo-se em atores políticos ativos.

As terríveis e injustas condenações dos ativistas e defensores dos direitos humanos pela justiça alauita, controladas remotamente do palácio, não são apenas a expressão de ódio que o sistema tem pelo nosso povo e pela nossa causa, mas também um alerta brutal contra qualquer tipo de empatia que pode surgir no interior de Marrocos.

A vigilância rigorosa é imprescindível diante da banalização do discurso e da dispersão das ideias que a sustentam, sem excluir adaptá-las aos novos tempos históricos, preservando sempre a essência das nossas revindicações, evitando um desvio opaco que perigosamente nos aproxima dessa terra de ninguém pós-moderna, onde as narrativas globais necessárias para se localizar no mundo são diluídas, especialmente quando a existência está em perigo.

A construção da singularidade do processo de libertação nacional saharaui é o produto de uma dinâmica social duradoura, cujas peculiaridades se baseiam no sacrifício e na luta, o que a torna uma realidade inquestionável e um fator de poder capaz de destruir alianças, que em determinada época tentaram fazer-nos desaparecer enquanto povo e mudar o mapa político regional. Os sacrifícios do povo saharaui tornaram esses planos impossíveis.

 Não devemos perder de vista, particularmente os jovens, que o sangue dos nossos irmãos e irmãs está semeado da fronteira do Senegal até Tan e Mhamid El Gazlan. Isto é demasiado sério para aceitar, em nome da moderação e da eterna vontade de cooperar, imposições estrangeiras que não facilitam ou contribuem para encurtar o caminho da independência.

Em tempos de incerteza, qualquer posicionamento deve levar em conta novos fatores que ainda não estão suficientemente valorizados. No entanto, a atitude das Nações Unidas empurra-nos imperativamente a assumir a vontade necessária de poder para adotar novas fórmulas que nos permitem retomar claramente a iniciativa de forma autônoma, onde a colaboração com esse órgão é apenas mais uma de nossas ações globais, dedicando a maior parte das nossas energias em aspectos mais transcendentais da nossa ação.

As nossas potencialidades devem ser usadas para refazer certos caminhos e internalizar a necessidade de mais povo e menos Nações Unidas. A solução não virá de Nova York, mas do território. A transformação só pode nascer de uma ação de força em várias direções, como meio de perturbar esse desequilíbrio imposto sobre premissas errôneas.

One Reply to “REALPOLÍTICA, AUTO-DETERMINAÇÃO E EQUILÍBRIO DE FORÇAS”

Comments are closed.