Preso político saharaui Mohamed Bourial em protesto

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- O prisioneiro político saharaui Mohamed Bourial, do grupo Gdeim Izik, iniciou na sexta-feira um jejum de protesto de 48 horas.

Mohamed Bourial, condenado a 30 anos de prisão, está actualmente detido na prisão Tiflet 2, em Marrocos, a mais de 1.200 quilómetros de El Aaiun, capital da sua terra natal.

Em confinamento solitário prolongado há dois anos e detido desde 2010, Bourial foi vítima de tortura e constantes maus-tratos, assédio e negligência médica. O Sr. Bourial tem uma hérnia de estômago para a qual não recebe tratamento.

Na sexta-feira, 31 de julho, a cela do Sr. Bourials foi revistada sem respeitar as diretrizes do artigo 68 da lei penitenciária marroquina. Os guardas que revistaram a sua cela por mais de uma hora também não respeitaram as medidas sanitárias e de segurança básicas durante a pandemia de Covid. Não usaram máscaras, luvas ou outros materiais de proteção.

Os quatro livros que tinha na cela, com o conhecimento e autorização da prisão, foram-lhe retirados esta semana.

O Sr. Bourial, que passa 23 horas por dia na sua cela, está agora privado de uma dos poucos estimulos intelectuais (livros) essenciais para suportar o confinamento solitário prolongado.

Em protesto contra esta punição arbitrária, o Sr. Bourial decidiu iniciar um jejum de 48 horas.