Comunicado de Fundação do Órgão Saharaui contra a Ocupação Marroquina

Os activistas saharauis, reunidos durante esta Conferência de Fundação, alguns dos quais sofreram desaparecimentos forçados em campos de detenção secretos marroquinos como PC CMI, Agdz, Magouna e outras prisões; que são reconhecidos pelos seus sacrifícios e experiência como defensores dos direitos humanos, e que foram os pioneiros durante as últimas duas décadas no ativismo dos direitos humanos no Sahara Ocidental, incluindo alguns dos laureados de prêmios internacionais pela sua contribuição para aumentar a consciência sobre a cultura dos direitos humanos .

Tendo examinado e revisto extensivamente a situação atual em torno do destino do povo saharaui, marcada pela política de abusos, dispersão, assimilação e repressão do Estado de ocupação marroquino, empenhada com o apoio de conhecidos aliados internacionais, que lutam por um futuro incerto no Sahara Ocidental visa privar o povo saharaui de impor a sua opção legítima de liberdade e independência;

Convencidos pela justa causa do povo saharaui e pela sua legítima luta pela liberdade e independência assente no estatuto jurídico do Sahara Ocidental considerado pelas Nações Unidas como um território em processo de descolonização, partes do qual ainda se encontram sob ocupação militar ilegal; Comprometidos com os princípios e valores da Frente Popular de Libertação de Saguía el Hamra e Río de Oro que visa libertar a pátria da ocupação e estabelecer um Estado saharaui plenamente soberano com uma sociedade livre governada pelo Estado de direito e instituições fortes, um objetivo que os saharauis aspiraram e sacrificaram milhares de mártires para conseguir; Ciente dos desafios que obstruíram a implementação do Plano de Resolução da OUA-ONU para o Sahara Ocidental nas últimas três décadas devido ao desafio de Marrocos, apoiado por alguns membros do Conselho de Segurança da ONU, especialmente a França; tendo repetidamente tentado impedir a MINURSO de organizar o referendo e reduzir o seu papel de proteger a ocupação e manter o status quo;

Alarmados com a deterioração da situação dos direitos humanos de todos os saharauis nas cidades ocupadas da República Árabe Saharaui Democrática, no sul de Marrocos e em várias universidades, tornando-se uma questão de consciência nacional e humanitária, agravada ainda mais pelos planos ilegais das autoridades de ocupação marroquinas para assentamentos no Sahara Ocidental , bem como impedir que jornalistas, organismos internacionais e outras entidades visitem o território; Alarmados ainda pela punição coletiva dos saharauis pelas autoridades de ocupação marroquinas, a exploração sistemática e ilegal dos seus recursos e a complacência de Marrocos em manter o status quo como uma tentativa de substituir o Plano de Resolução da OUA-ONU pela ocupação, bem como falsificar a vontade do povo saharaui ao silenciar as vozes que apelam à independência e outras tentativas de Marrocos para frustrar as exigências dos saharauis de liberdade e independência;

Nós, activistas saharauis reunidos, depois de revistas as condições de criação deste órgão, delegamos uma comissão técnica para a elaboração de um quadro orientador, estatuto e código de conduta e doravante:

• Declarar a criação de uma entidade saharaui denominada: “o Órgão Saharaui Contra a Ocupação Marroquina”;
• Comprometa-se a defender os direitos do povo saharaui à liberdade, independência e dignidade através de meios não violentos legítimos, conforme estipulado nos quadros internacionais e na Carta Africana dos Direitos do Homem e dos Povos com base na protecção de todos os direitos civis, políticos, económicos, sociais e culturais;
• Rejeitar todas as propostas duvidosas de Marrocos e de outras partes locais e internacionais, que não assegurem e garantam o exercício do povo saharaui do seu direito inalienável, imprescritível e inelutável à autodeterminação;
• Condenar o atual impasse contínuo dado que a MINURSO é uma missão das Nações Unidas com o mandato de finalizar a descolonização do Sahara Ocidental como a última colónia de África, e não se deve transformar numa plataforma de proteção para a ocupação;
• Garantir o direito do povo saharaui de exercer a soberania sobre toda a sua pátria, conforme consagrado nos tratados e normas internacionais e continentais, em particular nas resoluções relevantes das Nações Unidas e da União Africana e no parecer consultivo do Tribunal Internacional de Justiça de 1975 sobre o Sahara Ocidental;
• Exortamos todas as organizações, organismos internacionais e democráticos e pessoas conscientes de todo o mundo a apoiarem o nosso apelo para libertar todos os presos políticos saharauis actualmente nas prisões marroquinas e para pôr fim às contínuas violações dos nossos direitos por parte do Estado ocupante;
• Exigir das Nações Unidas e da União Africana uma intervenção imediata para travar a exploração sistemática e ilegal dos recursos naturais do Sahara Ocidental pelas autoridades ocupantes, bem como pelas empresas multinacionais, países e outras entidades responsáveis ​​pelo saque com o regime marroquino;
• Exigir que o sistema internacional exerça pressão sobre o Estado de ocupação marroquino para desmantelar o muro militar da vergonha e remover todas as minas terrestres, bem como exortar Marrocos a assinar e ratificar a Convenção de Ottawa sobre a proibição das minas;
• Apelo às Nações Unidas, à União Africana e Europeia, e a outros organismos internacionais e continentais, para que mantenham a ajuda humanitária aos refugiados saharauis que têm sofrido deslocações e exílio das suas terras desde 1975 devido aos crimes cometidos pela ocupação marroquina, também como o fracasso das Nações Unidas em cumprir sua promessa e compromisso de descolonizar seu país ocupado;

Nisto:

CONVOCAM as Nações Unidas, através da sua Assembleia Geral e Conselho de Segurança, a mandatar a MINURSO para realizar imediatamente a missão que foi criada para cumprir, que é a de finalizar a descolonização do Sahara Ocidental e organizar um referendo sobre autodeterminação, bem como a necessidade urgente de capacitar a MINURSO, de acordo com as normas internacionais atribuídas a missões de paz da ONU semelhantes, para observar e relatar a situação dos direitos humanos e da exploração dos recursos no Sahara Ocidental; que têm consequências desastrosas para as gerações futuras e grave violação do direito internacional.

CONVOCAM IGUALMENTE a União Africana, todos os seus órgãos e a Assembleia de Chefes de Estado e de Governo a exigirem do Reino de Marrocos, como novo membro da União Africana, que cumpra os princípios do Acto Constitutivo, em particular os princípios de “ respeito das fronteiras existentes na conquista da independência ”, e“ proibição do uso da força ou ameaça de uso da força entre os Estados Membros da União ”.

SOLICITAMOS à União Africana que também respeite o seu próprio princípio de “o direito da União de intervir num Estado-Membro em conformidade com uma decisão da Assembleia em relação a circunstâncias graves, nomeadamente: crimes de guerra, genocídio e crimes contra a humanidade”, que são todos os crimes cometidos e continuam a ser sistematicamente cometidos pelas autoridades marroquinas nos territórios ocupados da República Saharaui, membro fundador da União Africana.

APELO a todas as organizações e grupos nacionais nos territórios ocupados para que sejam firmes e fortaleçam as linhas de frente da luta para superar os desafios da luta coletiva contra os planos e políticas do regime marroquino. CONVOCAM TAMBÉM os saharauis a assumirem a responsabilidade nacional que lhes é confiada e a cumprirem o seu dever nacional, ampliando os meios e formas de pedir o fim da ocupação e libertar o território e o povo saharaui e proteger todos os seus direitos.

El Aaiún,
República Árabe Saharaui Democrática

20 de setembro de 2020