Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

PUSL.- Numa explicação pública, os Estados Unidos da América destacam o seu apoio ao plano de autonomia marroquino em vez do referendo e da autodeterminação. Os Estados Unidos têm até o atrevimento de presumir que sabem o que é melhor para o povo saharaui ao dizer:Vemos o plano de autonomia de Marrocos como sério, credível e realista, e representa uma abordagem potencial para satisfazer as aspirações do povo do Sahara Ocidental de gerir os seus próprios assuntos com paz e dignidade.

 

 


Explicação do voto sobre a renovação do mandato da missão da ONU para o referendo no Sahara Ocidental
Missão dos EUA nas Nações Unidas
Nova Iorque, Nova Iorque
30 de outubro de 2020

Os Estados Unidos elogiam o Conselho por afirmar o seu apoio à MINURSO com a renovação do mandato de hoje. Embora compartilhemos a frustração de outros membros do Conselho com a falta de progresso na frente política, gostaríamos de destacar a importância do trabalho diário das forças de paz. Ao renovar o mandato da MINURSO, o Conselho está a reconhecer o sucesso desta missão em diminuir as tensões e manter a calma geral, conduzindo operações perigosas de remoção de minas, apoiando operações humanitárias e prevenindo a disseminação de COVID-19.

O Conselho não esquecerá a sua responsabilidade de garantir a evolução para uma solução política justa, duradoura e mutuamente aceitável. Continuamos preocupados com a ausência prolongada de um enviado pessoal. Já passou quase um ano e meio desde a saída do presidente Koehler, e a vaga contribuiu para a falta de progresso para uma solução política. Instamos o Secretário-Geral a preencher essa posição em breve.

Vemos o plano de autonomia de Marrocos como sério, credível e realista, e representa uma abordagem potencial para satisfazer as aspirações do povo do Sahara Ocidental de gerir os seus próprios assuntos com paz e dignidade.

Apelamos às partes para que demonstrem o seu compromisso com uma solução política realista, praticável e duradoura, baseada no compromisso, retomando as negociações sem pré-condições e de boa fé. As posições consolidadas não devem impedir o progresso.

Nesse ínterim, esperamos que todas as partes respeitem as suas obrigações sob o cessar-fogo, cooperem plenamente com a MINURSO e se abstenham de quaisquer ações que possam desestabilizar a situação ou ameaçar o processo da ONU. Pedimos a todas as partes que exerçam moderação, especialmente à luz dos recentes acontecimentos em Gueguerat – que representam uma ameaça à paz e estabilidade na região – e o aumento geral das violações destacado no relatório mais recente do Secretário-Geral. Além disso, as mudanças unilaterais do status quo no terreno não nos ajudarão a chegar a uma solução duradoura e pacífica.

Esta renovação do mandato afirma a nossa confiança não apenas nas forças de manutenção da paz, mas também na atual liderança da missão. Instamos veementemente as partes a se reunirem com o Representante Especial do Secretário-Geral Colin Stewart e cooperar com ele, e a sua equipe e toda a missão da MINURSO.