FRENTE POLISARIO INTENSIFICA A LUTA NACIONAL DE LIBERTAÇÃO PERANTE A INACÇÃO DA ONU PARA GARANTIR A IMPLEMENTAÇÃO DO MANDATO DA MINURSO

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês) العربية (Árabe)

COMUNICADO DE IMPRENSA

[Bir Lehlou, Territórios Libetados do Sahara Ocidental – 30 de outubro de 2020]:

O Conselho de Segurança acaba de adotar a resolução 2548 (2020) sobre a renovação do mandato da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (MINURSO). A Frente POLISARIO lamenta que a resolução não contenha quaisquer acções concretas que permitam à MINURSO implementar o mandato para o qual foi criada em 1991, nomeadamente a realização do referendo sobre a autodeterminação do povo do Sahara Ocidental.

Ao adotar uma nova resolução que carece de medidas práticas para fazer avançar o processo de paz estagnado e capacitar a MINURSO para implementar plenamente o seu mandato, o Conselho de Segurança mais uma vez optou pela inação, apesar das tensões crescentes em todo o Sahara Ocidental. As manifestações de massa pacíficas e espontâneas em curso em todo o Território, incluindo o protesto pacífico que está a ocorrer na brecha ilegal marroquina em Guerguerat, são uma indicação clara de que a paciência do povo saharaui se está a esgotar com a inação das Nações Unidas e o fracasso em garantir que a MINURSO implementa plenamente a missão para a qual foi criada há quase três décadas.

A ausência de quaisquer ações para obrigar o Estado de ocupação marroquino a pôr fim à ocupação ilegal de partes do Saara Ocidental também nos deixou sem opção a não ser intensificar nossa luta de libertação nacional e usar todos os meios legítimos para permitir que nosso povo exerça seu direito inalienável à autodeterminação e independência. Nesse sentido, responsabilizamos totalmente o Estado ocupante pelas graves consequências que suas perigosas ações possam ter sobre a paz e a segurança em toda a região.

O Secretariado da ONU e o Conselho de Segurança também devem reconhecer que sua própria inação está contribuindo para a deterioração da situação no terreno, incluindo as contínuas violações dos direitos humanos contra nosso povo, a persistência da violação ilegal marroquina em Guerguerat e as violações contínuas, pelo estado ocupante e outros países, do estatuto jurídico do Sahara Ocidental como um território não autónomo pendente de descolonização.

A Frente POLISARIO expressa a sua gratidão à Federação Russa e à República da África do Sul pelas suas posições de princípio e por defender os princípios básicos que foram endossados por unanimidade pelo Conselho de Segurança, ou seja, que a solução do conflito deve respeitar e garantir a autodeterminação do povo do Sahara Ocidental através da expressão livre e genuína da sua vontade. A abstenção desses países hoje envia uma mensagem forte para aqueles que procuram desviar-se desses princípios comumente aceitos na tentativa de manter o status quo, que a Frente POLISARIO rejeita categoricamente.
A Frente POLISARIO também nota com apreço as posições dos Membros do Conselho de Segurança que renovaram o seu compromisso com os princípios fundamentais subjacentes ao mandato da MINURSO e destacaram a necessidade urgente de avançar o processo de paz. A este respeito, reafirmamos que o cessar-fogo em curso é parte integrante de um pacote de acordo integrado, nomeadamente o Plano de Resolução da ONU-OUA, que foi aceite oficialmente por ambas as partes, a Frente POLISARIO e Marrocos, e aprovado pelo Conselho de Segurança nas suas resoluções relevantes.

O cessar-fogo, portanto, não é um acordo separado do Plano de Acordo ou um fim em si mesmo. É apenas um meio de criar as condições de segurança necessárias para a realização de um referendo livre e justo, através do qual o povo do Sahara Ocidental possa exercer o seu direito inalienável à autodeterminação e à independência.

Por último, a Frente POLISARIO reafirma a sua decisão de 30 de outubro de 2019 de reconsiderar o seu envolvimento no processo de paz da ONU no Sahara Ocidental. Ressaltamos mais uma vez que não nos envolveremos em nenhum processo que não esteja de acordo com o mandato para o qual a MINURSO foi estabelecida pelo Conselho de Segurança na sua resolução 690 (1991) de 29 de abril de 1991 e que permanece a base do cessar-fogo em curso e acordos militares relacionados.