Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

sadrembw.- Nova York (Nações Unidas) – A África do Sul criticou os métodos de trabalho do Conselho de Segurança das Nações Unidas na adoção de resoluções sobre o Sahara Ocidental, considerando o processo antidemocrático e acusando o chamado “grupo de amigos do Sahara Ocidental” que impõe “rascunhos” e rejeita as contribuições dos Estados membros.

Na sua declaração de voto, a África do Sul criticou os métodos de trabalho sobre o Sahara Ocidental no Conselho de Segurança, lembrando que “tem levantado consistentemente a sua preocupação de que o“ processo de negociação ”do projecto de resolução, através do Grupo de Amigos, continue a ser um obstáculo para fazer progressos no dossier do Sahara Ocidental e mina os métodos de trabalho do Conselho. ”

A África do Sul revelou que geralmente “um texto preliminar é apresentado aos membros do Conselho, que têm de aceitá-lo como facto consumado, apesar do facto de a maioria de nós ter sido eleita para servir no Conselho de Segurança e ter a responsabilidade de se envolver em todos os assuntos sobre a agenda do Conselho. ”

Recorde-se aqui que o denominado grupo de amigos do Sahara Ocidental é composto pelos Estados Unidos, enquanto redactor, e Rússia, Reino Unido, França e Espanha.

A África do Sul sublinhou ainda que “este é o único mandato que é negociado desta forma e não leva em consideração as opiniões, particularmente dos Estados-Membros africanos, que estão excluídos do Grupo de Amigos. Nesse sentido, ao contrário de outros resultados do Conselho, mais uma vez não houve uma tentativa real de chegar a um acordo sobre os parágrafos contenciosos, para que possamos ter certeza de um texto equilibrado que reflete as opiniões de todos os membros do Conselho. Vamos deixar claro que não há tentativa de chegar a um consenso ”, afirma a África do Sul.