Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

Quando é mortal estar certo. PUSL recuperou o excelente texto de Mohamed Ali Ali Salem Baba Hamu, escrito após o desmantelamento do acampamento de Gdeim Izik, que juntou dezenas de milhares de saharauis nos arredores de El Aaiun, no Sahara Ocidental ocupado reivindicando os seus direitos económicos, sociais e politicos, a sua independênciade forma não violenta durante um mês. Sob um cerco militar desde os primeiros dias os saharauis resistiram até à alvorada de dia 8 de Novembro quando o terror se instalou sob o olhar impávido da comunidade internacional. Este texto emotivo e actual dez anos depois transmite toda a indignação e determinação deste povo resistente que é um exemplo para o mundo,

Quando é mortal estar certo
por Mohamed Ali Ali Salem Baba Hamu
“Onde há pouca justiça, é grave estar certo.”
Francisco de Quevedo e Villegas

O que se temia aconteceu, a barbárie familiar do regime sombrio de Hitler do século XXI. Hordas e hordas de um exército terrível seguido por multidões de colonos dóceis e sem coração massacraram a população saharaui. Uma população indefesa, que apenas exerceu a vontade de viver com dignidade na sua terra, a palavra, a razão e a remota esperança de ser ouvida.

Mas os exércitos do ¨democrático Marrocos¨, o protegido da França – o porta-estandarte da democracia moderna – e um aliado da Espanha democrática e outros estados de direito neste mundo de injustiça, irromperam ao amanhecer, quando a luz ainda não havia rompido, despertou de sua sonolência e vestiu-se de noturno e sombrio, em Gdeim Izik devastando tudo. Eles espancaram, torturaram, dizimaram. Não havia contenção, respeito ou moderação com os idosos, mulheres ou crianças.

Não houve ninguém para testemunhar esta tragédia, excepto as vítimas, mas no reino da mentira e da impunidade, ninguém presta atenção às vítimas.

No reinado da escuridão, da injustiça e da monarquia de sua insignificante majestade M6 não há lugar para a imprensa ou para os observadores ou qualquer coisa que esteja de acordo com a equidade, a razão e a legalidade … Só vergonha, vontade arbitrária e garras de irracionalidade….

A MINURSO naquele momento – como em qualquer outra – dormia o doce sono das suas férias exóticas – é nisso que eles transformaram a sua digna missão – no leito da luxúria, dos prazeres carnais e herbáceos e da suculenta culinária qualquer que seja a preferência: Lesbos , Sodoma, Gomorra…. Porque no reinado de sua insignificante Majestade M6, tudo o que é proibido é lícito sob a condição de se submeter às suas teses invasivas.

Após a expulsão do campo de Gdeim Izik, começou na cidade de El Aaiun o assédio virulento aos indignados e dizimados saharauis. Uma maré organizada e predatória de gendarmes, cães de caça, colonos e criminosos tem ido de casa em casa para culminar os seus crimes. Espancamentos, tortura, assassinato e destruição de móveis e pertences. Tudo isso animado por vivas e mais vivas do podre regime marroquino.

E nesses momentos, que escrevo, o terror reina em El Aaiun no seu aspecto mais assustador. A assustada população saharaui defende-se dentro das suas casas com o que pode e enfrenta este genocídio enquanto a cidade é tomada pelo exército do horror, os seus capangas, colonos e fechada a sete chaves.

A imprensa, os observadores internacionais, no Marrocos da sua insignificante majestade M6, são espancados, intimidados e / ou humilhados e depois expulsos porque os déspotas não aceitam que as suas práticas aberrantes sejam expostas à luz da razão. E enquanto não chegar uma ordem de Eliseo ou da Casa Branca ou da Moncloa, a onda selvagem de repressão ao ocupante marroquino não vai parar. E será que vai chegar ou não?

Desse modo, a legalidade internacional, os direitos humanos e a consciência são sacrificados em prol de interesses ilegítimos e de um suposto equilíbrio geoestratégico.
Em Gdeim Izik, o acampamento foi desmantelado pelo feroz ataque de Golias ao pequeno David, mas não conseguiu desmantelar a vontade que tece as jaimas(tendas), as monta, as alarga e expande a determinação do povo saharaui de viver com dignidade e liberdade na sombra do seu país independente.

Eles devastaram, destruíram, espalharam a sua malevolência, mas esqueceram que estamos sempre a voltar … Cada vez que tropeçamos levantamo-nos mais fortes, mais determinados. Destemor é o nosso nome, resistência é a nossa morada. Só desistimos quando recuperarmos o que é nosso e enquanto durar a ocupação, a única coisa que passaremos aos nossos filhos é o desafio e a perseverança nela.

Eles desmantelaram o acampamento, mas esqueceram que cada casa é um Sahara livre, cada criança é uma semente de liberdade. Esqueceram-se de que nossa ardente paciência extinguirá a sua intransigência, a sua repressão cega. Eles esqueceram que os nossos passos de fogo extinguiriam a sua ganância voraz. Esqueceram-se de que cada jaima (tenda) é um país e um único estado que responde ao nome de República Árabe Saharaui Democrática.