Esta entrada también está disponible en: Español (Espanhol) English (Inglês)

13 de novembro de 2020

Declaração pública

A Associação Chilena de Amizade com a República Árabe Saharaui Democrática (RASD) e o Comité de Amizade com o Povo Saharaui da Argentina condenam veementemente a violação do cessar-fogo por Marrocos e apóiam a legítima resposta do Exército Saharaui em defesa dos civis saharauis em Guergarat

A Associação Chilena de Amizade com a RASD e o Comité de Amizade com o Povo Saharaui das Argentina CONDENAM veementemente a violação unilateral do cessar-fogo por parte da monarquia marroquina, causada pela sua irrupção militar armada contra o povo saharaui na zona de Guergarat.

Esta violação representa uma ruptura e uma violação irreversível do cessar-fogo assinado em 1991 entre a Frente Polisário e Marrocos, cuja única responsabilidade é de Marrocos.

Condenamos também a inércia da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental, MINURSO, e a sua cumplicidade com Marrocos, afastando-se definitivamente do seu único objectivo, que é a realização de um referendo sobre a autodeterminação no Sahara Ocidental.

Os graves acontecimentos ocorridos e que geraram a legítima autodefesa do Exército Saharaui da RASD sob a liderança da Frente Polisário que ocorrerem a partir de agora serão, portanto, da exclusiva responsabilidade de Marrocos.

O governo da RASD e o povo saharaui têm o direito legítimo de defender o seu território e os seus cidadãos.

Consequentemente, exigimos:

  • O abandono imediato da área pelas forças de ocupação marroquinas e o regresso ao respeito dos acordos de cessar-fogo assinados em 1991.
  • A intervenção urgente da ONU e da MINURSO na área para fazer cumprir o acordo de paz e o cessar-fogo entre ambas as partes.
  • Exortamos o povo do Chile e da Argentina, suas instituições, os povos e governos progressistas da América Latina e do Caribe a rejeitar ativamente a violação do cessar-fogo e a agressão marroquina contra o povo saharaui.
  • É urgente garantir o fim da agressão marroquina e o respeito pelos acordos de cessar-fogo e a realização do referendo de autodeterminação do povo saharaui.

Santiago do Chile e Buenos Aires. 13 de novembro de 2020